Envie esta página a um amigo!

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

4

Livro: Menina boa, Menina má




Título Original: Good Me, Bad Me
Ano de Edição: 2017
Género: Thriller
Autora: Ali Land
Editora: Suma de Letras


* Por Mariana Oliveira *


Quem não gosta de um bom thriller de vez em quando? Então quando envolve uma adolescente filha de uma psicopata ainda melhor! Bastou-me ler a sinopse deste livro para perceber que tinha de lê-lo rapidamente pois algo me dizia que seria uma leitura de arrepiar… e não estava enganada!


Sinopse:
“Quando Annie, de 15 anos, entrega a sua mãe, uma assassina em série, à polícia espera um novo recomeço de vida – mas será que podemos realmente escapar ao nosso passado?
Com uma família de acolhimento e um novo nome – Milly – espera um novo começo. Mas com o julgamento da mãe à porta os segredos de Milly não vão deixá-la dormir…
Quando a tensão se torna insuportável Milly terá de decidir: será uma Menina Boa ou uma Menina Má? Porque a sua mãe é uma assassina em série, e ela é sangue do seu sangue.”


Opinião:
Terminei a leitura deste livro há poucas horas por isso ainda me encontro meia abalada com aquele final. Mas não nos precipitemos e comecemos pelo início.

Desde o primeiro capítulo uma coisa ficou assente: esta história encerra em si um enorme mistério e a forma intensa como a autora descreve aquilo que se passa serviu para aumentar a já por si crescente tensão. Capítulo atrás de capítulo vemo-nos cada vez mais embrenhados nesta trama que deixa à partida uma grande questão no ar: conseguirá Annie, a jovem adolescente, ser uma Menina Boa contrariando tudo aquilo que a sua cruel mãe lhe ensinou desde tenra idade?

A par desta questão, damos por nós igualmente curiosos por saber como será o julgamento da assassina, ou por outras palavras, como será o reencontro da jovem com a mãe que se encontra presa por causa da denúncia da própria filha? O medo e ansiedade crescentes da protagonista acabam por passar para nós, leitores, e dei comigo a desejar ardentemente chegar à parte do julgamento para que tudo fosse finalmente desvendado. E não demorei muito pois a forma inteligente como a autora escreveu os capítulos, curtos e objectivos, convidam-nos sempre a ler mais uma página daí que esta leitura tenha acabado por ser uma das mais rápidas que tive este ano.

Enquanto o julgamento não chega, vamos acompanhando a tentativa de Annie se adaptar à sua nova vida com uma nova identidade, Milly, e um passado menos sombrio fabricado. Contudo, o bullying de que é vítima desde cedo fazem prever dias difíceis para a adolescente que tenta resistir à sua vontade de castigar aqueles que a fazem sofrer. É precisamente nesta altura que começamos a ver a Menina Má a querer dar sinais de vida…

E é assim, neste periclitante equilíbrio que Milly tenta deixar para trás das costas as horríveis memórias que guarda da sua infância e primeiros anos de adolescência. No entanto, penso que para os leitores se torna óbvio de que tanta tensão acumulada terá de rebentar em algum momento e por isso mesmo foi com um misto de horror e incredulidade que devorei os últimos capítulos desta história que daria um excelente filme sem qualquer dúvida! O final é realmente incrível e deixa-nos com uma sensação de espanto que permanece connosco bem depois de fechado o livro.

Não podia terminar sem referir um detalhe que para algumas pessoas poderá passar despercebido mas que para mim me disse muito. Desde o início ao fim de vez em quando há uma referência à obra “O Deus das Moscas”, pois trata-se da peça de teatro que Milly e as colegas da escola irão representar. Adorei este detalhe, não fosse esse livro um dos meus preferidos de todos os tempos!


Recomendo esta leitura a quem não perde por nada um bom thriller. Acredito que estamos perante um exemplo ímpar dentro deste género literário!

Partilha no Facebook, Twitter ou Google Buzz:
Partilha no teu Facebook Partilha no teu Twitter Pubblica noGoogle Buzz

4 comentários:

  1. Respostas
    1. Eu achei! Se tiveres a oportunidade de o ler Ana não hesites ;)
      Abraço, Mariana.

      Eliminar
  2. Não tendo eu ainda lido o livro (sou a Roberta) posso dizer que assim que vi a sinopse me lembrei do Deus das Moscas, por isso esse pormenor está bastante interessante ;)
    Roberta

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por acaso na altura não me ocorreu esse livro... Mas sem dúvida que foi uma boa jogada por parte da autora!
      Mariana

      Eliminar

Obrigada por ter passado pelo nosso Blog e por comentar! A equipa do FLAMES agradece ;)

Ocorreu um erro neste dispositivo

1%

1%