Envie esta página a um amigo!

terça-feira, 29 de novembro de 2016

0

#BOOKLOVERS: Conversa sobre livros, amizade, polémicas no booktube, Afonso Cruz, Nuno Nepomuceno...



#BOOKLOVERS

Ora espreitem o vídeo que fizemos para o FLAMES e, já agora, espreitem os outros 2 nos outros canais

FLAMES - https://www.youtube.com/watch?v=1iB-h3TH9rA&feature=gp-n-y&google_comment_id=z125wtn5emegddlo504cefzp2maogdpxn3s




4

250º Passatempo do FLAMES (em parceria com a Editorial Planeta)


250º Passatempo 
WOW



Para participar, vocês já sabem o que fazer. 
BOA SORTE!

Vencedor: Ana Catarina Nogueira Miranda (Braga)

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

2

Filme: Nunca é Tarde Demais




Título Original: The Bucket List
Ano: 2007
Género: Drama, Comédia, Aventura
Realizador: Rob Reiner


* Por Mariana Oliveira *

Histórias sobre o verdadeiro sentido da vida e como devemos vivê-la ao máximo já existem há muito tempo. "Nunca é Tarde Demais" não é excepção. Aquilo que realmente me levou a querer ver este filme foi a sua dupla de protagonistas: o talentoso Jack Nicholson e um dos meus actores preferidos desde  a minha infância, o incrível Morgan Freeman.


Sinopse:
"O multimilionário Edward Cole e o mecânico Carter Chambers vivem em mundos diferentes. Os seus destinos cruzam-se num quarto de hospital e descobrem que têm duas coisas em comum: um desejo de gastar o tempo que lhes resta a fazer tudo aquilo que sempre desejaram e uma necessidade inconsciente de se aceitar tal como são. Juntos embarcam numa viagem única, tornando-se amigos e aprendendo a viver com sensatez e humor."


Opinião:
Quando me decido a ver um filme com esta temática tomo por garantido que vou acabar lavada em lágrimas e decidida a aproveitar mais a vida a partir daquele dia. Este filme não foi excepção e no final lá estava eu agarrada a um lenço de papel e a planear mentalmente o resto da minha vida de forma a passar a viver todos os dias como se fossem o último. Sim,às vezes sou um pouco dramática...
Até aqui, nada de novo. Contudo, quero destacar em "Nunca é Tarde Demais" três aspectos que, a meu ver, tornam este num filme que todos devíamos ver.

Em primeiro lugar, a dupla de actores é realmente genial. Outra coisa não se poderia esperar de dois dos maiores nomes do cinema da actualidade. Actores que respiram representação, foi sem surpresas que  Jack Nicholson e Morgan Freeman me levaram às gargalhadas e às lágrimas. Com eles eu acreditei realmente na história de Edward e Carter. Fui levada a pensar que estava a assistir a uma luta pela vida por parte de dois seres humanos, esquecendo-me por momentos que se tratava de ficção. Ainda, o facto de todos conhecermos alguém próximo que já partiu ou que se encontra a travar uma batalha pela vida serviu para que eu vivesse tudo com muito mais intensidade.

Em segundo lugar destaco os lugares onde este filme nos leva. O pano de fundo desta história é uma grandiosa viagem que ambos empreendem e eu, irremediável apaixonada e curiosa por culturas e lugares diferentes, tornei-me no terceiro passageiro e embarquei nessa aventura com eles!

Em último lugar, não podia deixar de falar de uma interessante reviravolta que o filme apresenta a determinada altura. Neste género de histórias parto do princípio que consigo prever praticamente tudo o que vai acontecer mas "Nunca é Tarde Demais" conseguiu surpreender-me. Não posso, contudo, alongar-me mais sobre este aspecto senão iria tirar-vos o prazer de vocês mesmos serem surpreendidos.

Por tudo isto e porque considero que nunca é demais pensarmos sobre a nossa vida e aquilo que queremos fazer com ela, aconselho o visionamento deste filme a toda a gente, independentemente do facto de acharem que este não é o vosso género de história. Experimentem e depois... vivam!

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

0

Livro: The Catcher in the Rye



Ano da 1ª Edição: 1951 
Género: Drama 
Autor: J. D. Salinger 


* Por Mariana Oliveira *

Um dos meus objectivos para este ano de 2016 era o de começar a ler mais Clássicos. Infelizmente, considero que falhei redondamente pois dos vários livros que li este ano muito poucos se enquadram nesta categoria. Excepção feita ao “The Catcher in the Rye”, que em Portugal ficou com o título “À Espera no Centeio”. 


Sinopse:
“A voz do seu protagonista, o anti-herói Holden Caulfield, encontrou eco nos anseios e angústias das camadas mais jovens, tornando-o numa figura icónica do inconformismo. Da mesma forma, os temas da identidade, da sexualidade, da alienação, e do medo de existir, tratados numa linguagem desassombrada e profundamente original, fizeram de "The Catcher in the Rye" um símbolo da contracultura dos anos 50 e 60. Mas, passados sessenta anos sobre a sua primeira publicação, vendidos mais de 65 milhões de exemplares em quase todas as línguas, e instituído marco incontornável da literatura mundial, "À Espera no Centeio" mantém toda a actualidade e a frescura da rebelião.” 


Opinião:
Já há imenso tempo que tinha curiosidade em ficar a conhecer esta obra, visto que é considerada uma história polémica tendo sido, inclusive, proibida em vários locais. Após a minha leitura, consigo perfeitamente perceber o porquê de J.D. Salinger ser considerado um escritor deveras corajoso ao atrever-se a publicar este livro no ano de 1951. 
Parti para a leitura de “The Catcher in the Rye” sem saber nada da história. A minha versão não tem nenhum resumo na contracapa e propositadamente evitei ler qualquer informação na internet. A minha surpresa, por isso mesmo, não poderia ter sido maior...

Neste livro acompanhamos um rapaz, Holden Caulfield, que está a atravessar os últimos anos da sua adolescência numa sociedade, aos olhos dele, onde quase tudo está completamente errado. Para Holden, as pessoas perderam a verdadeira noção do que é a felicidade e vivem preocupadas com coisas sem qualquer interesse. Na sua opinião o mundo pode ser resumido numa simples palavra: aborrecido. 
É assim que, ao longo de três dias na sua vida, acompanhamos Holden à medida que vai tentando perceber o que é que realmente quer fazer com o seu futuro. As peripécias sucedem-se mas tudo a um ritmo lento. Isto é, nesta obra não nos é apresentada uma história de acção repleta de personagens e situações intrincadas. Percorremos, ao invés, um percurso lento à medida que acompanhamos o jovem Holden nas suas deambulações. 

Consigo perceber o motivo desta obra ter sido proibida pois a linguagem utilizada pelo autor, que não se poupa ao calão e alguns palavrões juntamente com a sua dura crítica à sociedade da época resultaram numa obra polémica e corajosa. Este é um livro que acredito que gostaria muito de ter lido durante a minha adolescência mas que, agora, com um olhar mais adulto consigo entender de uma forma ainda mais profunda e completa. 
Aconselho esta história àqueles leitores que gostam de livros mais pausados e em que questões como a sociedade, a vida e a felicidade são centrais. 

“Mas o que é que o título tem a ver com esta história?” perguntam vocês. Pois bem, apenas posso dizer-vos que este é dos títulos mais originais que alguma vez vi e que quando lerem o livro a determinada altura vão perceber perfeitamente daquilo de que estou a falar!!
8

249º Passatempo do FLAMES (em parceria com a autora Maria Cecília)



Temos um exemplar deste livro para oferecer em parceria com a autora. Querem ganhar? É só preencher o formulário.

BOA SORTE :) 

Vencedor: Catarina Silva

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

0

Livro: Wonder



Ano de Edição: 2013
Género: Drama
Autora: R.J. Palacio 


* Por Mariana Oliveira*

Depois de meio mundo ter lido este livro e de outro meio estar a planear fazê-lo, finalmente decidi-me a ler “Wonder”, um dos maiores best-sellers dos últimos anos. 


Sinopse: 
“Não vou descrever o meu aspecto. Seja o que for que possam pensar, é pior. August nasceu com uma deficiência genética que faz com que o seu rosto seja completamente deformado. Quando nasceu os médicos não tinham esperança de que sobrevivesse, mas sobreviveu. Vários anos e muitas cirurgias depois, August vai, aos 10 anos, enfrentar o maior desafio da sua vida - a escola. Contado a várias vozes, é uma história emotiva das dificuldades que tem de superar uma criança com uma terrível deformação e um relato do milagre que é a vida.”


Opinião: 
Sabia, à partida, que esta seria uma leitura comovente. Contudo não foi tanto assim quanto eu estava à espera, pelo menos durante uma boa parte do livro! Contada sob vários pontos de vista, um pormenor que me agradou muito, esta história para mim é mais enternecedora do que propriamente triste. 
Não posso dizer que a trama tenha sido muito surpreendente pois a autora seguiu inicialmente, a meu ver, a linha de pensamento mais óbvia para uma história deste género: um menino diferente dos demais que inevitavelmente irá sofrer de bullying na escola mas cuja família tudo faz para o proteger e tentar que tenha uma vida o mais normal possível. Até aqui, nada de novo. Onde a história começou a ficar realmente interessante foi quando August começou a mostrar o seu incrível coração mesmo perante as adversidades. Nesse momento confesso que fiquei surpreendida por alguém que teve uma vida com mais sofrimento do que a maioria das pessoas não tem nem sequer em dez vidas, mesmo com tão tenra idade, conseguir ver o lado bom da vida e perdoar até aqueles que mais o magoaram. 

No entanto, a verdadeira magia deste livro está num apêndice final que a minha versão tinha. Refiro-me ao “Capítulo do Julian”. O Julian, para quem nunca leu o livro, é o menino responsável por perpetuar as acções de bullying contra o nosso protagonista. Esse capítulo final de quase 100 páginas mostra-nos a outra face da moeda e procura explicar porque é que o Julian teve um comportamento tão reprovável. Para mim, foi essa a melhor parte do livro e foram essas páginas que verdadeiramente me comoveram. Nelas viajamos até à segunda guerra mundial e voltamos a testemunhar o horror que essas vítimas viveram. Temos, ainda, a oportunidade de ver o Julian a pensar sobre as acções menos correctas que teve e a tentar mudar a sua forma de ver a vida. 
Foi um capítulo lindo que nos mostra que é extremamente fácil julgarmos as outras pessoas quando estas têm comportamentos mais reprováveis sem, contudo, percebermos o que é que poderá estar na origem desses mesmos comportamentos. 

Concluindo, para mim a grande mensagem de “Wonder” é a de que não devemos ser tão rápidos a julgar as outras pessoas, quer seja pelo seu aspecto, pelo seu comportamento, pela sua forma de pensar ou estar. Todos nós temos um passado que influencia a nossa forma de ver a vida e de lidarmos com os obstáculos com que nos cruzamos. Se respeitarmos a diferença, mesmo não conseguindo compreendê-la por completo, a vida de todos nós tornar-se-á muito mais fácil.

sábado, 19 de novembro de 2016

2

121º Entrevista do FLAMES: Luísa Sobral


Luísa Sobral


Entrevista anterior da Luísa Sobral no FLAMES - aqui - http://flamesmr.blogspot.pt/2014/11/88-entrevista-do-flames-luisa-sobral.html

Depois de no último álbum teres cantado em português, eis que regressas aos discos. Este teu novo álbum tem músicas em português mas também em inglês. Porquê esta escolha? Sentes-te mais à vontade a cantar em que língua?
É indiferente. Eu na altura escrevo na língua em que me apetece. A canção na altura pede uma língua para mim. Neste álbum também tenho uma música em francês porque vivi um tempo em Paris e apeteceu-me escrever uma música também em francês. Claro que a minha primeira língua é o português e se calhar esta é a língua em que me é mais fácil de expressar até pode ser português… mas nas músicas nem sempre é assim. Como os meus ídolos são anglo-saxónicos até me sinto bastante à vontade com o inglês, mas não sei… eu por acaso até me sinto à vontade nas duas! Uso a língua que a canção pede.

Este álbum chama-se "simplesmente" Luísa. Porquê esta escolha?
Porque este é um disco muito autobiográfico. As canções são muito mais sobre mim, sobre esta fase da minha vida… ou melhor, sobre a fase da minha vida quando estava a escrever as canções. Este nome também se deve aio facto de eu sentir que é quase um recomeço. Sinto que estou diferente e que este é um novo início! Então para mim fez sentido ser um disco homónimo, porque é um remarcar… É quase um statement: é como se fosse um início.

Sobre este disco a Luísa referiu “um disco que mal posso esperar para tocar ao vivo”.  O que podemos esperar dos teus concertos ao vivo? Vais-te focar mais neste disco? Porquê esta vontade?
Estas canções têm imenso espaço para nós explorarmos ao vivo. Pelo menos eu acho. Nesse sentido, penso que este disco talvez seja um bocadinho diferente dos meus discos anteriores. Os outros eram muito orquestrados, e cada instrumento tinha o seu papel muito definido. Aqui eu acho que isso não acontece. Acho que é um disco muito mais aberto. Já toquei algumas vezes estes temas com a minha banda de cá e já senti isso: cada vez que tocamos os temas eles ganham um corpo diferente. Por isso, eu acho que isso vai acontecer ao longo desta tourné (a começar em Janeiro). Penso que vai ser muito divertido por isso mesmo, porque vamos poder sempre explorar coisas novas e tocar sempre de forma diferente… dependendo do nosso estado de espírito… Por isso apetece-me muito tocar ao vivo por... Apetece-me mesmo explorar estas novas canções com eles.


Se calhar, para ver o que é que vai sair dali... Para descobrir o que vai acontecer com determinada música…
Sim, sim, claro que sim! Por exemplo, acho que os concertos iniciais serão completamente diferentes dos últimos concertos da tourné. Acho que vamos ter muito tempo para ir brincado no palco com as canções, o que irá complementar o disco.

O facto de esta álbum ter sido criado num local por onde tantos artistas internacionalmente conhecidos passaram, aumenta a responsabilidade?
Eu não senti muito isso. Não sou assim muito de ficar fascinada com essas coisas. Achei giro, claro que achei giro tirar fotografias e fazer o videozinho do making-off… Esse vídeo fui eu que fiz… e claro que são artistas que são uma grande inspiração para mim. Mas eu não acredito muito nessas coisas do espaço. Aquele espaço foi simplesmente onde os músicos gravaram… mas eles é que são a coisa importante! Não é tanto o espaço! Obviamente que é interessante e é giro saber que estou ali… mas eu não deixo nunca que essas coisas sejam tão grandes, que tenham influência sobre mim. Agora sim é interessante… Até liguei ao meu pai: “Ei, que giro, tu sabias que gravou aqui o Frank Sinatra?”. É engraçado, mas para mim não tem muita influência sobre a minha música… O mais importante são os músicos que gravaram comigo… as coisas que fazem… isso sim foi importante. Podia ter sido noutro estúdio qualquer que com aqueles músicos teria sido igual.


Ao fim de anos na estrada e de alguns álbuns editados, onde consegue encontrar inspiração para mais um trabalho de estúdio?
Fazer música é uma coisa tão natural para mim… Nós tomamos banho todos os dias de manhã, não é? Quer dizer, às tantas não é importante termos tomado banho durante 10 ou 20 anos que agora deixamos de tomar, continua a ser parte da nossa rotina. Escrever é um bocadinho isso para mim, não é parte da minha rotina porque eu normalmente não tenho rotina, agora com um bebé é que tenho mais rotina (risos). Mas escrever é parte de mim. É como uma necessidade. Não é bem necessidade…. mas é uma coisa que me deixa feliz. Por isso eu componho e vou-me inspirando. Tem muito a ver com o facto de eu ouvir música e ouvir outras pessoas. Ouvir os meus colegas cá em Portugal por exemplo… ou ouvir discos internacionais. Tem muito a ver com isso! Eles são a inspiração para mim. Ainda hoje, por exemplo, vinha a ouvir o novo disco do Zambujo e vinha a pensar em compor… Há discos que me dão vontade de compor! Estava a ouvir esse e a pensar “agora apetece-me chegar a casa e escrever qualquer coisa”. Por isso, acho que são esses discos, discos que eu vou ouvindo, que me fazem ter vontade de continuar a compor.

Isso é giro, por acaso é uma coisa que muitos artistas nos reportam...  essa coisa de estar a ouvir um disco e dizer “ai, apetece-me fazer qualquer coisa assim”.
Sim, isso acontece quando nós ouvimos qualquer coisa de que gostamos e vemos naquilo alguma coisa em que podemos pegar e transformar em nosso. Eu acho que os músicos se apoderam das coisas uns dos outros, e é a parte mais bonita, em que nós ouvimos e dizemos “Ah, eu quero uma coisa daqui”. Então nós roubamo-nos uns aos outros… No fundo é uma inspiração para nós. E é isso, eu acho que sou inspirada por outros para continuar. Acho que se a música acabasse eu não sei se também eu continuaria, acho que era impossível talvez.

Este disco é fundamentalmente inspirado nos blues e folk, certo?
Sim, são muitas das minhas inspirações agora…

Pode dizer-se que de alguma forma se identifica mais com esse tipo de música (de inspiração americana)? Mais do que um género de música mais portuguesa?
Sim, bem, neste momento comecei a ouvir coisas mais simples, não necessariamente simples mas…
Mais orgânicas?
Sim! Por exemplo, Bob Dylan, ou Tom Waits são compositores em que a palavra é o mais importante! E eu acho que a música é o veículo da palavra. Só que é o veículo da palavra de uma forma super simples. Eu acho que eles usam poucos acordes e acho que isso faz com que a palavra seja ainda mais bonita, ainda mais especial. E eu comecei cada vez mais a ouvir esse tipo de artistas e a afastar-me um bocadinho talvez mais do jazz, no sentido da complexidade. Às vezes pôr demasiados acordes super estranhos pode ser pior. Comecei a apaixonar-me cada vez mais pela simplicidade e a querer “tirar cada vez mais” em vez de “pôr”. E no folk eu encontrei isso, encontrei a mensagem e a música que está a fazer a “caminha” da mensagem. E faz sentido para mim nesta fase! Comecei a querer retirar e a tentar encontrar ali o esqueleto das canções… e o folk está todo muito nú, está muito à mostra e eu adorei, adoro isso. Então, acho que acabei por começar naturalmente a compôr um bocadinho mais assim.

Há um grande acontecimento que teve lugar agora, que o distingue de todos os momentos que já ocorreram, que foi o nascimento…
Do meu filho (risos)

Sim... De que forma é que isso influenciou, ou acha que vai influenciar, as suas produções musicais futuras?
É assim… até aqui não influenciou tanto porque quando eu escrevi as canções ainda nem estava grávida! Depois gravei o disco grávida, praí com 3 meses, acho que isso talvez tenha influenciado porque acho que é possível quando uma pessoa está grávida estar mais emotiva e tudo… Talvez tenha influenciado aí. Mas claro que vai influenciar! Agora neste momento está a influenciar! Às vezes negativamente (risos), por falta de tempo… só por falta de tempo (risos). Às vezes estou dias para ouvir algumas canções e para dar o OK para alguma coisa, isso está a influenciar agora. Mas é uma adaptação dos dois a este novo mundo, não é? Mas eu acho que vai influenciar. Ser mãe já me melhorou muito como pessoa e eu espero que isso também se reveja na minha música. Mas eu sinto mesmo que todos os dias ele me torna uma pessoa melhor. Uma mulher antes de ser mãe, ou até de ser pai, a nossa prioridade somos nós mesmos, por mais que estejamos numa relação nós temos o nosso instinto de sobrevivência, que é maior do que tudo não é? E a nossa prioridade somos nós. E a partir do momento em que nasce um filho, a prioridade já não somos nós na nossa vida, e isso eu acho que nos melhora muito enquanto pessoa. Porque de facto já não somos tão auto-centrados e isso é uma coisa bastante positiva, porque faz com que uma pessoa relativize muito tudo o resto. Começamos a relativizar coisas que se calhar antes nos chateavam muito e tudo, por causa do nosso ego. Por isso, eu acho que me tem melhorado muito, estou muito mais calma também, mais serena, portanto se isso me melhorou mais como pessoa eu espero que isso se reflita no meu eu criativo.

Na outra feita há cerca de 1 ano e qualquer coisa, houve uma altura em que eu lhe perguntei quais é que eram as suas influências, e o nome Bob Dylan surgiu… 
(risos) Sim, surge sempre.

Como acolheu a notícia do Prémio Nobel deste ano? Tem sido um assunto polémico...
Eu achei super normal, ao contrário de algumas pessoas. No outro dia também me perguntaram sobre isso numa entrevista e a verdade é que eu acho que as pessoas hoje em dia têm demasiadas opiniões por coisas. Nós todos sentimos agora que por termos as redes sociais temos que dar a nossa opinião sobre imensas coisas, quando ninguém pergunta. Ninguém quer saber o que é que toda a gente acha sobre o Bob Dylan, mas toda a gente achou que podia dizer o que é que achava. Pessoas que se calhar nem conhecem bem a pessoa nem a discografia e de repente têm de dar uma opinião sobre alguma coisa. Por isso, para mim essas opiniões foram completamente irrelevantes, até porque para mim o Bob Dylan, acima de tudo, como eu disse há bocado, a palavra está acima das outras coisas e para mim. E o Bob Dylan, acima de tudo, é um poeta. Por isso, se um poeta não pode receber um Prémio Nobel da Literatura então não sei em que mundo é que vivemos, não faz sentido.

Sim, há pessoas que o associavam apenas à música e nem tinham ideia que ele criava aquilo que cria.
Claro! E a verdade é que eu acho que os poemas dele são estudados em aulas de literatura em inglês! Para além disso, ele é músico, ou seja, ele é poeta, músico e isso só tem ainda mais valor… e isso também é diminuir a literatura num ponto um bocado básico porque há pessoas que escrevem romances e assim e podem receber Prémios Nobel, depois também há dramaturgos… porque é que não hão-de ser todos escritores? Também acho que foi um passo um bocado audaz talvez mas acho que fez sentido e acho que para nós, comunidade de músicos e compositores, foi bastante importante e foi bonito de ver a acontecer ainda enquanto que eu estou nesta terra.

Eu só ainda ouvi o My Man, por isso, o que é que eu posso esperar do resto do disco?
Os meus discos anteriores tinham muito piano! Este disco já tem muito mais guitarra. Tem mais guitarra eléctrica também, o que é um bocado interessante porque eu não tinha nenhuma guitarra eléctrica no meu primeiro disco. Por isso é um disco assim um bocado engraçado. Talvez a instrumentação seja um pouco mais agressiva por causa da guitarra eléctrica mas isso também torna o disco um pouco mais melancólico… então tem assim uma mistura orgânica porque as coisas foram todas construídas ao mesmo tempo. Todos tocamos as músicas ao mesmo tempo e decidimos o que é que ia ser feito enquanto tocávamos e por isso teve este resultado orgânico.

Obrigada à Luísa pela disponibilidade em responder às nossas perguntas. Que o álbum seja um SUCESSO!

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

0

Livro: Orfeu da Conceição




Ano de Edição: 2016
Género: Teatro Dramático 
Autor: Vinicius de Morais
Editora: Companhia das Letras


* Por Mariana Oliveira *

Há mais de três anos que descobri um novo hobby: o teatro. Desde que entrei para um grupo de teatro amador que tenho ficado cada vez mais interessada nessa forma de arte tão antiga e, a meu ver, das mais belas que existe. Como se pisar o palco não fosse suficiente, há poucos meses comecei a dar os primeiros passos, ainda que pequeninos, no mundo da encenação o que fez com que a minha paixão pelo teatro ficasse ainda mais forte. Assim, quando percebi que me iria estrear a ler o conceituado autor e músico Vinicius de Moraes com uma peça de teatro escrita pelo próprio e que entrou para a História do teatro brasileiro fiquei, como às vezes se diz, fora de mim de contente!


Sinopse:
“Orfeu da Conceição, uma tragédia carioca em 3 actos, é uma peça de teatro escrita por Vinicius de Moraes em 1954, baseada no drama da mitologia grega de Orfeu e Eurídice. A banda sonora foi lançada em 1956, com música escrita por António Carlos Jobim e letra de Vinicius. A actualização de um mito clássico numa favela do Rio de Janeiro, uma ode à contribuição da cultura africana para o Brasil. Um texto lírico e apaixonante que ainda hoje emociona o Brasil.” 


Opinião:
Ler uma peça de teatro é uma experiência completamente diferente de qualquer outro tipo de literatura. No teatro, é a acção que surge em primeiro lugar e o texto apenas existe para complementá-la. Por isso mesmo, um autor de peças de teatro tem de preocupar-se não só com o diálogo das suas personagens mas também com a toda a acção envolvente. 
É neste segundo aspecto que destaco “Orfeu da Conceição”, pois Vinicius de Moraes preocupou-se em deixar bem claro quais considerava serem os cenários adequados, as entradas e saídas das personagens e as suas movimentações em palco. Embora pessoalmente prefira trabalhar um texto que não me dite com tanto rigor quais as acções que devo levar a cabo, deixando espaço para a minha criatividade, tratando-se de um texto cuja única intenção que tinha era a de lê-lo, “Orfeu da Conceição” acabou por me transmitir uma sensação muito vívida daquilo que deverá ter sido o espectáculo original apresentado na década de 50 no Rio de Janeiro. 

Baseada na mitologia grega, um universo que por si só me fascina desde criança, esta história transporta-nos para o mundo das favelas, um mundo repleto de pobreza mas onde a sede de viver impera. Dizer isto assim pode parecer de pouca monta, contudo se tivermos sempre em mente que esta peça foi estreada na década de 50 e que ao palco apenas subiram actores negros, facilmente percebemos o impacto que esta produção teve na altura e o porquê de ter alcançado um estatuto de evento histórico. 

O único aspecto que eu mudaria no livro está relacionado com o facto de num texto introdutório, com o objectivo de explicar ao leitor de que forma é que Vinicius adaptou a história grega para o universo de uma favela brasileira, acabarem por referir a forma como a história termina. Para quem, como eu, não conhecia o mito grego acabou por revelar a grande reviravolta cedo demais bem como o seu final. Contudo, mesmo assim apreciei bastante este texto que, pelos seus contornos trágicos e tom místico, me deixou agradavelmente sobressaltada e com a certeza de que se tivesse estado num daqueles bancos de uma sala de teatro no Rio de Janeiro em 1956, certamente teria assistido a um dos espectáculos de teatro mais marcantes da minha vida!

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

5

248º Passatempo do FLAMES (em parceria com o autor Nuno Nepomuceno)


Há algumas semanas a ansiada nova obra do autor Nuno Nepomuceno viu a luz do dia! Para alívio dos seus fãs que esperavam por voltar a ler algo do talentoso escritor. Por isso mesmo, é com grande prazer que, em parceria com o próprio autor, temos um exemplar do livro "A Célula Adormecida" para oferecer:




Sinopse:
"Em plena noite eleitoral, o novo primeiro-ministro português é encontrado morto. Ao mesmo tempo, em Istambul, na Turquia, uma reputada jornalista vive uma experiência transcendente. E em Lisboa, o pânico instala-se quando um autocarro é feito refém no centro da cidade. O autoproclamado Estado Islâmico reivindica o ataque e mostra toda a sua força com uma mensagem arrepiante. O país desperta para o terror e o medo cresce na sociedade. Um grande evento de dimensão mundial aproxima-se e há claros indícios de que uma célula terrorista se encontra entre nós. Todas as pistas são importantes para o SIS, sobretudo, quando Afonso Catalão, um conhecido especialista em Ciência Poltica e Estudos Orientais, é implicado. De antecedentes obscuros, o professor vê-se subitamente envolvido numa estranha sucessão de acontecimentos. E eis que uma modesta família muçulmana refugiada em Portugal surge em cena. A luta contra o tempo começa e a Afonso só é dada uma hipótese para se ilibar: confrontar o passado e reviver o amor por uma mulher que já antes o conduziu ao limiar da própria destruição. Com uma escrita elegante e o seu já tão característico estilo intimista e sofisticado, inspirado em acontecimentos verídicos, Nuno Nepomuceno dá-nos a conhecer "A Célula Adormecida". Passado durante os 30 dias do mês do Ramadão, este é um romance contemporâneo, onde ficção e realidade se confundem num estranho mundo novo e aterrador que a todos nos perturba. Um thriller psicológico de leitura compulsiva, inquietante, negro e inquestionavelmente atual."


Passatempo Terminado

Vencedor: Ana Ester Rodrigues

4

Livro: Cartas por um sonho




Título Original: El Invierno que tomamos cartas en el asunto 
Ano de Edição: 2016
Género: Romance, Drama
Autora: Ángeles Doñate
Editora: Suma de Letras


* Por Mariana Oliveira *

Há seis anos inscrevi-me no Postcrossing, uma plataforma de troca de postais de que já falei aqui no blogue. Desde essa altura que fiquei fascinada com a profissão de carteiro. De alguma forma, acho fascinante o poder que as cartas e os postais têm. São mensagens que ficam para a posterioridade, guardadas numa gaveta para, muitos anos mais tarde, nos trazerem à memória alguns dos momentos mais preciosos da nossa vida. Por tudo isso, é para mim extremamente triste verificar o quão pouco se escrevem cartas e postais nos dias de hoje. A internet, essa amiga de todos os dias, tornou a necessidade e a vontade em trocar correspondência em papel algo obsoleto. Assim, “Cartas por um sonho” é, a meu ver, um dos maiores hinos ao tipo de correio que a Humanidade utilizou durante séculos! 


Sinopse
“O Inverno chega a Porvenir e traz com ele uma má notícia: a estação de correios vai fechar e o pessoal vai ser transferido para a cidade. Quem precisa de um carteiro num mundo onde já não se escrevem cartas? A comunicação virtual chegou às montanhas e até Sara, a única carteira da aldeia, tem um namorado virtual. Rosa, vizinha e amiga de Sara, uma mulher de oitenta anos, vai arquitectar um plano para evitar que a carteira e os seus três filhos passem pelo sofrimento de se mudarem para a grande cidade. Vai criar uma corrente de cartas, em que todos os intervenientes são um elo muito importante, para provar que a estação de correios continua a ser muito importante para a aldeia. "Cartas por um Sonho" é um livro comovente, encantador e cheio de ternura, onde, através da corrente de cartas, vão desfilando personagens do nosso quotidiano, todas elas com os seus sonhos, a sua história, mais ou menos triste, as suas frustrações.” 


Opinião
Esta história transportou-me para um dos meus cenários favoritos: uma pequena aldeia onde todos se conhecem e vivem em constante contacto com a Natureza. É nestes locais onde parece que o tempo passa mais devagar e as preocupações do mundo não chegam que ambiciono poder vir a viver um dia. Até lá, são histórias como esta que me apresentam comunidades onde valores como a amizade ainda são de suma importância. 

Em “Cartas por um sonho” ficamos a conhecer várias personagens com igual destaque. Isto porque, para mim, não há um único protagonista neste livro, uma vez que todas elas têm o seu espaço nesta obra para nos apresentar as suas fragilidades, os seus medos e as suas esperanças.
A corrente de cartas iniciada pela idosa Rosa despoleta um número de episódios curiosos, em que pessoas recebem uma carta de um desconhecido a falar-lhe dos seus segredos mais íntimos e em que também elas decidem escrever a alguém expondo-lhes o seu coração. Assim, nós leitores acompanhamos pequenas histórias de pessoas que não tiveram uma existência fácil e que buscam uma forma de se redimir e endireitar o rumo das suas vidas. 

Mais do que a componente de romance que surge neste livro, que não me chamou particularmente à atenção, aquilo que mais me agradou foi a forma interessante como Ángeles Doñate conseguiu entrelaçar todas estas vidas, criando uma obra repleta de pequenos detalhes em que, ao se cruzarem todos os fios desta trama, obtemos uma história de redenção e segundas oportunidades.
Tudo isto, recorrendo ao poder das cartas e a uma outra forma de escrita que pretendo explorar mais no futuro: a poesia! Sim, porque é óbvio neste livro o quão apaixonada a autora é pela poesia e assim somos inundados por poemas e versos de alguns dos maiores nomes deste género literário. No que a mim diz respeito, anotei alguns nomes para mais tarde poder ficar a conhecer melhor as suas obras! 

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

1

Livro: Papá, só mais uma...


Título: Papá, Só Mais Uma...
Autores: Vários
ISBN: 9789898745613
Edição ou reimpressão: 05-2016
Editor: Alfarroba
Idioma: Português
Dimensões: 211 x 215 x 8 mm
Encardenação: Capa dura
Páginas: 34
Tipo de Produto: Livro
Classificação Temática: Livros em Português; Infantojuvenil; Contos Fábulas e Narrativas; Infantil (até 6 anos)


Sinopse


Sair do trabalho, ir buscá-la, dar-lhe banho, vesti-la, fazer o jantar, dar-lhe o jantar, lavar-lhe os dentes, dizer-lhe que já chega de desenhos animados, levá-la para o quarto que já passa da hora, contar-lhe uma história e ainda não adormeceu, contar-lhe outra história e ainda não adormeceu, contar-lhe mais uma história e ela já fecha os olhos antes de dizer: «Papá, só mais uma...»
Fizemos um livro com histórias suficientes para ela adormecer. Vamos para a cama? Boa noite…

Opinião 
(por Roberta Frontini)

A minha admiração por livros infantis é notória, quer aqui no blogue, quer na minha biblioteca. Se a pudesse ver veriam como dou importância e destaque às obras para os mais pequenos. O mais giro é que, em miúda, não lhes dava grande valor. E também no meu dia-a-dia não tenho uma criança com o qual os partilhar. Assim, acompanhei de "perto" este percurso do livro "Papá só mais uma" que desde o seu começo achei delicioso. De facto, este é um livro de "contos"/"histórias" para crianças, escrito por vários autores. E os contos apresentados são os vencedores do concurso com o mesmo nome.

É de louvar este género de iniciativas, e por isso mesmo quero agradecer à Alfarroba por ter tomado este passo, fazendo vir a público um conjunto de histórias adequadas para os mais novos, bem escritas, de grande qualidade, e que de certo que farão as delicias dos mais novos (e de quem as ler também).

Posso dizer que não sou uma criança até 6 anos (apesar de por vezes parecer) :p mas a verdade é que me diverti imenso a ler estes contos antes de dormir (sim, experimente ler 1 por dia antes de dormir.. nem imagina como sabe bem!


sábado, 5 de novembro de 2016

0

Deixava de dormir por... : Novidades literárias do mês de Outubro


O final do ano aproxima-se a passos largos e juntamente com ele o frio. E que companhia melhor para uma noite de Outono do que um bom livro? Pois bem, fiquem com algumas sugestões que por certo nos aqueceriam durante as próximas semanas!


"Entre a ficção e a autobiografia, "Cheio de Vida" é contado na primeira pessoa por uma personagem chamada John Fante. O narrador é americano de ascendência italiana a viver em Los Angeles com a sua mulher, Joyce, que está grávida. Ao longo da gravidez, John vai acompanhando e relatando as drásticasmudanças de humor da mulher, o seu interesse crescente pela igreja católica (de que o próprio John já se tinha afastado) e a infestação de térmitas em sua casa. Tudo isto vem complicar ainda mais a já problemática relação de John com o pai, Nick, um assentador de tijolos reformado que não se coíbe nunca de opinar sobre a vida familiar do filho. É, de facto,um livro cheio de vida: uma mistura de comédia e drama povoado por personagens fortíssimos, como Nick Fante, o pai, teimoso e terno, dedicado à família e ao seu ofício. É um romance que leva a religião a sério, que formula o poder emocional e a natureza problemática da Igreja Católica Romana para muitos italo-americanos. E é ainda uma história forte e comovente sobre laços familiares que contribui de forma notável para a herança literária multiétnica dos Estados Unidos. «E, no entanto, as mulheres – as boas mulheres – assustavam-me porque, eventualmente, queriam a nossa alma. E eu queria manter o pouco que restava da minha."






"Orfeu da Conceição", uma tragédia carioca em 3 actos, é uma peça de teatro escrita por Vinicius de Moraes em 1954, baseada no drama da mitologia grega de Orfeu e Eurídice. A banda sonora foi lançada em 1956, com música escrita por António Carlos Jobim e letra de Vinicius. A actualização de um mito clássico numa favela do Rio de Janeiro, uma ode à contribuição da cultura africana para o Brasil. Um texto lírico e apaixonante que ainda hoje emociona o Brasil."






 



"Um retrato cómico de Portugal sob o olhar atento e sátiro de uma inglesa. "Como Não Morrer de Fome em Portugal" é quase um romance de costumes – dos portugueses, claro! Lucy Pepper, inglesa, conheceu Portugal nos anos de 1990 e foi amor à primeira vista. Casou com um português e mudou-se para cá. É amor também o que a une ao nosso país: a gente, os costumes, a gastronomia. E é acutilante, divertida, certeira, a capacidade que tem para nos descrever – sem nunca denegrir –, apontando sempre os nossos pontos fortes e o nosso enorme capital para melhorar enquanto povo e país."









"Yasmine Ajam deixou para trás o seu problemático bairro de Estocolmo por uma carreira ascendente em Nova York. Até que recebe a notícia de que os motins agitando os subúrbios da sua cidade podem ter conexão com o desaparecimento de seu irmão Fadi, que foi dado por morto ao lutar ao lado do Estado islâmicona Síria. "












“Estás satisfeito com a tua vida?” São as últimas palavras de que Jason Dessen se lembra antes de acordar num mundo estranho e que umhomem que antes nunca vira lhe diga “Bem-vindo de volta, meu amigo”. "Matéria Negra" tem um argumento brilhante. Uma história ao mesmo tempo abrangente e íntima, estranhamente excitante e profundamente humana. Um thriller surpreendente sobre escolhas, caminhos não seguidos e até onde somos capazes de chegar para conseguirmos a vida com que sonhamos."





"Num Japão antigo o artesão Itaro e o oleiro Saburo vivem uma vizinhança inimiga que, em avanços e recuos, lhes muda as prioridades e, sobretudo, a capacidade de se manterem boa gente. A inimizade, contudo, é coisa pequena diante da miséria comum e do destino. Conscientes da exuberância da natureza e da falha da sorte, o homem que faz leques e o homem que faz taças medem a sensatez e, sobretudo, os modos incondicionais de amarem suas distintas mulheres. Valter Hugo Mãe prossegue a sua poética ímpar. Uma humaníssima visão do mundo." 










"Mistral Vernati, o grande campeão de Fórmula Um, está em coma no hospital, depois de um terrível acidente na pista de Monza. Enquanto Mistral luta pela vida, uma pequena multidão de personagens move-se à sua volta, com motivações diversas e nem sempre confessáveis. Maria, a companheira, o seu primeiro e único amor; a mãe, que nunca conseguiu compreender as suas opções de vida, mas para quem ele era a sua razão de viver; Chantal, a mulher que nunca o libertou de um casamento falhado, e que mesmo naquele momento dramático só pensa em arruiná-lo; os filhos, Manuel e Fiamma. Entre recordações e segredos, descobriremos a verdadeira história de Mistral e Maria. Sveva Casati Modignani, apresenta-nos uma história tão romântica quanto dolorosa, dando vida a figuras inesquecíveis que animam a soberba intriga deste romance." 






"Audrey é uma adolescente cheia de vida, igual a tantas outras. Com 14 anos, estuda, discute com os irmãos, sonha muito e confia cegamente nas amigas. Até ao dia em que essa confiança é destruída… Vê-se obrigada a deixar a escola. Sente-se incapaz de sair casa. E esconde-se irreversivelmente atrás de um par de óculos de sol. Então, conhece Linus, um rapaz de sorriso simpático e comentários divertidos, que parece ser o raio de sol de que Audrey precisava. E a jovem acaba por descobrir que, mesmo quando pensamos que estamos perdidos, o amor consegue sempre encontrar-nos…" 












"Ricardo e o irmão mudam de casa e procuram, na nova cidade, um sítio onde jogar futebol. Há um clube com camadas jovens e uma boa escola de futebol, mas eles acabam a jogar num descampado com outros rapazes. Em liberdade. "E se fizéssemos um clube?", perguntou, um dia, o Ricardo. E tudo começou nesse momento. Eis, pois, a história contada por ele: uma equipa, um treinador, um nome, um equipamento, um clube: Os Indomáveis F. C. Lês e esqueces que estás a ler. Pensas que estás a jogar, a viver." 












"Descubra Malta e Gozo com a ajuda do guia CityPack: - Top 25 do que não pode perder - Propostas de passeios que lhe mostram o melhor do arquipélago - Os melhores lugares para fazer compras, comer, divertir-se e dormir, para todas as carteiras - Dicas para tirar o maior proveito da sua estadia Mapa de bolso desdobrável com todos os sítios de interesse Tudo o que precisa para uma viagem de sonho." 








"Com uma vida difícil desde criança e um passado no mundo dos negócios de que não se orgulha, Charlie Finn vive agora tranquilamente de trabalhos pouco transparentes que faz com o seu barco ao largo da costa de Miami. Charlie procura levar um dia de cada vez, sem grande agitação, no entanto, quando os seus atos têm consequências devastadoras para aqueles que mais ama, sente-se obrigado a reparar todo o mal que causou. Decidido a trazer para casa são e salvo o filho do seu melhor amigo, viaja para a América Central. A viagem leva-o inesperadamente até León, um lugar a que outrora virara costas pelas piores razões, onde reencontra aqueles que pagaram pelas decisões cegas do seu passado, entre eles Paulina e a filha. Poderá o confronto com o passado conceder a Charlie a redenção de todos os males que provocou e ajudá-lo a encontrar um amor como nunca julgou possível?"





"A história da ovelha Olívia descreve a aventura de uma pequena e fofa ovelha que, mesmo com muito sono, não tinha vontade de dormir. Desenvolvido com base na investigação científica mais atual, inclui, de forma subtil e harmoniosamente introduzidas na ação, técnicas de integração sensorial e relaxamento muscular progressivo que, através do imaginário, induzem estados emocionais destinados a organizar o sistema nervoso central e, assim, a acalmar a criança. Para além do cheiro a alfazema, um indutor natural do sono, este livro está repleto de pequenos segredos que ajudam as crianças a adormecerem com mais facilidade e, acima de tudo, a dormirem a noite toda! Inclui dicas e instruções de leitura para os pais."








"Gostaria de mudar de vida mas não sabe como nem quando? No seu novo livro, Mia Övén apresenta um conceito que nada tem que ver com programas de oito semanas, pensamento positivo ou outras técnicas rápidas. De uma forma direta, com simples mudanças na forma de olhar para a Vida, conseguirá perceber que está sempre tudo bem. Passando do Mindfulness ao Heartfulness, a autora também inaugura um método pessoal: o Miafulness. Eliminando os obstáculos que o impedem de alcançar o que mais deseja – felicidade, segurança e orientação –, ajuda-o a conectar-se com o seu coração e a viver sem esforço, com serenidade e coragem plena. Pare de correr atrás da Vida e viva intensamente, agora!"









"Harriet Manners sabe muitas coisas. - O cérebro humano regista 70 000 pensamentos por dia - As lagartas têm 4000 músculos - Em média, uma pessoa consome uma tonelada de comida por ano Mas é evidente que não percebe nada de rapazes. E, numa viagem supersónica a Tóquio, Harriet daria a roupa do corpo (mesmo a de marca) para saber que passo dar a seguir. Há dias em que a nossa geek parece andar completamente a nadar… Da autora bestseller de "Geek Girl - Agora Sou Chique!" uma aventura hilariante sobre o mundo da moda, sim, mas essencialmente sobre ser adolescente!"








"Já passou um mês desde que a inspectora da Policía Foral recuperou o filho e prendeu Berasategui.  Contudo, apesar de tanto a Guardia Civil como o juiz Markina darem Rosario como morta, Amaia sente que não está livre de perigo, um desassossego que só Jonan compreende. A morte súbita de uma menina em Elizondo é suspeita: o bebé apresenta marcas avermelhadas no rosto que indicam que existiu pressão digital e o pai da criança tenta roubar o cadáver. A bisavó da pequenita defende que a tragédia é obra de Inguma, o demónio que imobiliza os que dormem, que lhes bebe a respiração e lhes arrebata a vida durante o sono. No entanto, serão as análises forenses do doutor San Martín que convencem Amaia Salazar a investigar outras mortes de bebés, que depressa revelarão um rasto inaudito no vale. Berasategui morre, de forma inexplicável na cela, o que desencadeia uma trepidante investigação que levará Amaia à verdadeira origem dos acontecimentos que assolam o vale de Baztán. E entretanto, vinda do bosque, uma impressionante tempestade chega para sepultar a mais demolidora verdade." 






"Mia Saunders, a Rapariga do Calendário, percorreu um longo caminho. Termina a jornada de um ano em Hollywood, Nova Iorque e Aspen. Em Outubro, Mia começa a sua nova vida a trabalhar num programa de TV matutino em que faz uma rúbrica a respeito de viver em beleza. O seu homem lida com as sequelas do cativeiro, e juntos encontram maneira de fazer face a todas as tormentas. A seguir, Mia viaja até Nova Iorque para gravar um programa sobre as razões que as pessoas têm para dar graças. Todos os sonhos se estão a realizar... excepto um. Finalmente, em Dezembro, a nossa menina dá por si no País das Maravilhas invernal, Aspen, no Colorado, para filmar uma rúbrica sobre artistas locais. Só que as circunstâncias são muito peculiares. Prepare-se para uma surpresa quando a jornada de Mia se funde no fim que todos esperam." 






"A verdadeira e violenta história da colonização portuguesa, que não é contada nos livros escolares! "A Conquista do Brasil" conduz o leitor por uma das mais extraordinárias aventuras humanas, da épica aventura de Portugal pelo «Mar Tenebroso» à violenta ocupação nas terras então incógnitas do Novo Mundo. A partir de documentos originais, esta obra fundamental revê a História do Descobrimento do Brasil e os seus principais personagens. Entre eles estão João Ramalho, o desterrado que se adaptou à vida com os índios e fundou uma dinastia de mestiços caçadores de escravos; os jesuítas, que aplicaram as implacáveis directrizes da Inquisição contra uma coligação de «hereges» – os franceses protestantes e seus aliados canibais; e nativos como Cunhambebe, líder da resistência indígena, que apavorava os portugueses colonizadores porque, literalmente, devorava os inimigos."





"Pode um gato mudar a vida de uma menina autista? Iris Grace tem seis anos e autismo severo. Nos primeiros anos da sua vida, praticamente não comunicou – mal olhava para as outras pessoas, raramente sorria ou falava. A sua mãe, Arabella, desesperava – a menina parecia presa no seu próprio mundo, inalcançável. Então, um dia, a família arranjou uma gata – com quem Iris teve uma afinidade imediata. Iris comunicava com Thula como nunca antes tinha feito. Tornou-se mais confiante e começou a explorar o mundo à sua volta. Desabrochou. A ligação com a gata não é a única coisa que Iris tem de notável. Ela é também uma artista extraordinariamente dotada, que sente a natureza de um modo intenso. Com Thula ao lado, pinta durante horas, e as suas criações são impressionantes. Mas este livro não é sobre um pequeno génio ou uma criança prodígio (embora Iris o seja, certamente). Esta é a história de como a extraordinária relação entre uma gata e uma criança salvou uma família." 






"A edição deste ano vem inspirada mo Espaço pelo que encontraremos, entre outros, recordes relacionados com as missões espaciais e estreias cinematográficas de ficção-científica como Star Wars. Inclui entrevistas exclusivas com os astronautas Buzz Aldrin e Chris Hadfield. Além dos temas “na moda” (videojogos, youtube....) também encontrarás os clássicos actualizados (comida gigante, corpos espantosos, animais, veículos, robots, desportos extremos...). Inédito na edição deste ano: o capítulo de "Tente Isto em Casa": ideias de recordes fáceis de alcançar usando utensílios domésticos e outro que abrange recordes que definitivamente NÃO DEVEMOS TENTAR! Também novo na edição deste ano o resumo em 200 recordes da História do Universo: desde a maior explosão (Big Bang) até à primeira confirmação de descoberta de ondas gravitacionais em 2016."









"Faltam apenas cinco dias para que uma enorme serpente engula o Sol e destrua o Mundo. Depois será tudo escuridão... Com um estilo que agarra os leitores desde a primeira página, Rick Riordan consegue com este livro uma segunda parte extraordinária: deuses, magia, mitologia e muitas aventuras, tudo misturado para dar uma história que nos vai deixar à espera do terceiro livro!" 









  
"Um romance magistral de um autor diferente. Juan José Millás prova mais uma vez que é um mestre da escrita. Damián sente-se confuso desde que perdeu o emprego. Um dia comete um pequeno furto numa feira de antiquários e esconde-se dentro de um armário. Antes que consiga sair, o armário é vendido e enviado para o quarto de Lucía e Fede, onde Damián acaba instalado, como se fosse parte do móvel. A habilidade com que leva a bom porto, uma premissa impossível, mas plausível, ainda que inverosímil, confere a este romance uma tensão extraordinária. Assim do seu esconderijo, Damián observa a família. Consegue aproximar-se do coração de Lucía, dos seus temores e sonhos e, ao fazê-lo, sente-se por fim respeitado e apurará do que é capaz para se sentir vivo."







"Blake Landon é um homem que tem tudo – riqueza, bom aspecto e o amor de Erica Hathaway. O enérgico casal foi ao inferno e voltou, e quando a vida os separou, ambos comseguiram sempre encontrar o caminho de regresso um ao outro, mais apaixonados e fortes do que nunca. Erica nunca esteve tão pronta para dar o sim. À beira de assumir o compromisso supremo, descobre um capítulo desestabilizador da história de Blake. Ao mesmo tempo que faz as pazes com o seu passado e com a família que deixou para trás, pressiona Blake para que derrube as últimas barreiras que existem entre eles. Decidida a conhecer o homem que foi em tempos, abre uma porta para um mundo que ultrapassa a sua imaginação mais fantasiosa, um mundo que a leva a questionar os limites dos seus desejos. Quando o perigo espreita e segredos obscuros vêm a lume, conseguirá o passado destruir as promessas de amor eterno de ambos?" 










"Estamos no grande final. As Princesas estão prontas para enfrentar a Jamais Nomeada, a Feiticeira das Feiticeiras e cruel senhora da Magia sem Cor... "A Feiticeira das Feiticeiras" é o 13.º livro da feliz saga de fantasia Princesas do Reino da Fantasia, uma grande história de aventura e fantasia que já conquistou o coração de muitas jovens leitoras." 









"Somos, muitas vezes, mais hábeis a dizer umas verdades aos outros do que a exprimir-lhes simplesmente a verdade do que se passa connosco. Aliás, não aprendemos a tentar compreender o que se passa com eles. Aprendemos antes a sermos complacentes, a usarmos uma máscara, a desempenharmos um papel. Ganhámos o hábito de dissimular o que se passa em nós a fim de comprarmos o reconhecimento, a integração ou o conforto aparente, em vez de nos exprimirmos tal como somos. Aprendemos a cortar connosco para estarmos com os outros. A violência no dia-adia é desencadeada por este corte: a não escuta de si leva, mais cedo ou mais tarde, à não escuta do outro, o não respeito por si leva, mais cedo ou mais tarde, ao não respeito pelo outro. Este livro tem como objetivo despertar-nos da nossa inconsciência. É urgente sermos mais conscientes da nossa maneira de pensar e agir. Ilustrando os seus objetivos com exemplos duros, o autor explica como a nossa tendência para ignorarmos ou desconhecermos as nossas próprias necessidades nos incita a exercermos violência sobre nós e a repercutir essa violência nos outros. Para evitar resvalar para uma espiral de incompreensão, temos de reconhecer as nossas necessidades e sermos nós a cuidar delas, em vez de nos queixarmos do facto de ninguém lhes dar importância. Este livro é um convite a desmontar a mecânica da violência, onde ela se desencadeia diariamente: na consciência e no coração de cada um de nós."




"É mais fácil governar uma cidade ou um país do que educar uma criança. É mais fácil gerir uma empresa com milhares de funcionários do que formar um pensador. É mais fácil consertar milhares de máquinas supercomplexas do que transformar um ser humano impulsivo e impaciente em alguém tolerante e calmo. Quando nos tornamos pais, assumimos o compromisso de criar um indivíduo que levará a nossa herança para o mundo – não apenas a carga genética e os bens materiais, mas também, e principalmente, os nossos valores e a nossa cultura. Mas como podemos saber que estamos a fazer as escolhas certas na educação dos nossos filhos? A formação de sucessores é uma das áreas mais vitais da educação das mentes brilhantes. Neste livro, o prestigiado psiquiatra e psicoterapeuta Augusto Cury aborda dois conceitos que dizem muito sobre a nova geração e o futuro das nações: herdeiros e sucessores. Por herdeiros, o autor designa todos aqueles jovens que vivem num constante despesismo imediato; não enriquecem nem cultivam os bens e conhecimentos que adquiriram dos seus pais ou mestres. Já os sucessores são aqueles que sabem transformar o que lhes foi transmitido e pensam a médio e a longo prazo. Os herdeiros vivem à sombra dos outros; os sucessores constroem o seu próprio legado. Neste livro único e extremamente instrutivo, Augusto Cury apresenta um conjunto de técnicas para que pais, professores e líderes possam corrigir a rota da educação, se necessário, e saibam como preparar os jovens para serem sucessores, contribuindo para a construção de famílias e sociedades mais ricas e felizes."




"Este romance relata a vida de um médico alemão nazi, responsável por crimes de guerra, numa narrativa de cronologia invertida. Começa na América, onde Tod Friendly, aliás, Tod T. Friendly, vive. Mais tarde, este embarcará para Lisboa e daí seguirá para Auschwitz, onde será médico assistente de Mengele. Tod estranha este mundo que habita, em que as pessoas ficam mais jovens (ele inclusive), em que a seguir ao 2 de outubro vem o 1 de outubro, e até os diálogos começam do fim e se dirigem para o início. A sua consciência – a verdadeira narradora da história – é incapaz de alterar o comportamento de Tod ou de o fazer compreender as implicações dos seus atos. Tod tem, de facto, dificuldade em compreender tudo o que o rodeia, mas não faz grande coisa para mudar a situação. De vez em quando tem a visão de um homem de bata branca com botas pretas." 




"Sou um canalha e não me arrependo de o ser. Menti, enganei e manipulei à vontade, sem me importar com as consequências. Destruí sonhos e reputações, traí os que me foram leais, causei dor àqueles que me quiseram ajudar. Brinquei com as esperanças dos que pensaram que poderiam mudar quem eu sou. Thomas Spencer sabe como conseguir tudo o que quer. A saúde delicada é o preço que teve de pagar pelo seu estilo de vida, embora não se arrependa. No entanto, desde o seu último episódio cardíaco apoderou-se dele um sentimento estranho e, na solidão do seu luxuoso apartamento em Brooklyn, sucedem-se as noites em que não pode deixar de se perguntar como seria a vida que conscientemente optou por não viver. A memória dos momentos que o levaram a ter sucesso como consultor de relações-públicas e imagem, entre Londres e Nova Iorque nos anos oitenta e noventa, revela os mecanismos dúbios que os centros de poder por vezes empregam para alcançar os seus fins. Um mundo hostil governado por homens, onde as mulheres resistem a ter um papel secundário."




"Uma tribo de gente chamada o Nó Verdadeiro viaja à procura de sustento pelas autoestradas da América. Parecem inofensivos e são, sobretudo, velhos. Mas, tal como Dan Torrance bem sabe, e Abra Stone não tarda a descobrir, os membros do Nó Verdadeiro são quase imortais e vivem do «vapor» produzido pelas crianças com o «brilho» quando são lentamente torturadas até à morte. Assombrado pelos residentes do Hotel Overlook, onde passou um ano horrível da sua infância, Dan anda há décadas à deriva, tentando libertar-se do legado de desespero, alcoolismo e violência deixado pelo seu pai. Por fim, instala-se numa cidade de New Hampshire, numa comunidade de Alcoólicos Anónimos que o apoia e num trabalho num lar, onde o «brilho» que lhe resta oferece um derradeiro conforto aos moribundos. Com o auxílio de um gato presciente, torna-se o «Doutor Sono». E depois Dan conhece a evanescente Abra Stone, e é o espetacular dom dela, o brilho mais vivo que ele já viu, que dá novo alento aos fantasmas de Dan e o impulsiona para uma guerra épica entre o bem e o mal para salvar Abra e a sua alma." 


 
"Até onde se pode ir para salvar a vida de uma criança? Luke Anna não está doente, mas até parece estar. Aos treze anos, já fez inúmeras cirurgias e transfusões para que Kate, a sua irmã mais velha, possa combater a leucemia que a afeta desde a infância. Anna foi concebida para ser dadora de medula compatível com Kate, uma vida e um papel que ela nunca questionou...até agora. À semelhança da maior parte dos adolescentes, Anna começa a questionar quem realmente é. Mas, ao contrário da maioria dos adolescentes, sempre foi definida em função da irmã. E é então que Anna toma uma decisão impensável para a maioria das pessoas, uma decisão que faz com que a sua família desmorone e que pode ter consequências fatais para a irmã que ela adora. Para a Minha Irmã questiona o que significa ser um bom pai ou mãe, uma boa irmã, uma boa pessoa. Será moralmente defensável fazer qualquer coisa para salvar a vida de uma criança, mesmo que isso implique desrespeitar os direitos de outra? Valerá a pena tentar descobrir quem se é de facto, quando essa pergunta nos faz gostarmos menos de nós próprios? Deveremos seguir o nosso coração, ou deixar-nos conduzir por outros?" 



"À Luz do que Sabemos é um romance enciclopédico, mas é também um livro sobre tudo aquilo que não sabemos ou que não conseguimos saber. Numa manhã de setembro, um investidor da banca, a rondar os quarenta anos, com a carreira em colapso e o casamento em queda-livre, recebe uma visita-surpresa na sua moradia de Londres. Após a dificuldade inicial em identificar uma figura pobremente vestida e de mochila às costas, acaba por reconhecer nela o amigo dos tempos da faculdade, um tipo brilhante que desaparecera anos atrás em circunstâncias misteriosas. Ao longo dos dias que se seguirão, Zafar contará a sua história. À Luz do Que Sabemos é a epopeia de um homem e da sua desintegração psicológica – e uma peça extraordinária de uma nova literatura pós-colonial. Temas como a não pertença, o deslocamento, a emigração e a migração voluntária e económica – e também a política, a história, a religião e a matemática. Uma história repleta de histórias e de personagens em movimento, com ecos de W.G. Sebald e de Teju Cole. Uma ligação amorosa entre Zafar – o bem-sucedido filho de emigrantes do Bangladesh – e Emily, filha da elite aristocrática – atravessa toda a narrativa, que se desenrola entre Londres, Nova Iorque, Bangladesh e o Afeganistão." 



"Harry Clifton e a sua mulher, Emma, correm para o hospital para saber o destino do filho Sebastian,
envolvido num acidente fatal. Mas quem morreu? Sebastian ou o seu melhor amigo Bruno? Quando Ross Buchanan é obrigado a deixar a presidência da Barrington Shipping Company, Emma Clifton quer tomar o seu lugar. Mas Don Pedro Martinez tem a intenção de lá colocar o major Alex Fisher, um homem que ele manipula e controla, para destruir a empresa da família justamente quando se planeia construir um novo navio de luxo. Em Londres, a filha adotiva de Harry e Emma ganha uma bolsa de estudo para a conceituada Slade School, onde se irá apaixonar por um colega, Clive Bingham, que a pede em casamento. As duas famílias estão encantadas, até ao momento em que a futura sogra de Jessica recebe a visita de uma velha amiga, Lady Virginia Fenwick, ansiosa por destilar o seu veneno. E depois, inesperadamente, Cedric Hardcastle, de quem nunca se ouviu falar, passa a ocupar um lugar na direção de Barrington’s. A situação gera um tumulto que ninguém tinha previsto e mudará para sempre a vida de todos os membros das famílias Clifton e Barrington. A primeira decisão de Hardcastle será escolher se vai apoiar Emma Clifton ou o major Alex Fisher para a presidência. E com essa decisão, tudo mudará." 




"A ciência que prolonga a sua vida. "O Segredo da Longevidade" é o resultado de uma profunda pesquisa desenvolvida pelo jornalista sueco Henrik Ennart que analisa alguns dos principais fatores que nos possibilitam prolongar a vida com qualidade. É um trabalho surpreendente, que reúne a informação mais recente sobre o que pode ser feito para fazer aumentar a possibilidade de uma vida saudável, ativa e duradoura. Sublinha-se a importância da genética, da alimentação e do exercício, mas chama-se também a atenção para um conjunto alargado de outros fatores sem os quais dificilmente se conseguirá ter saúde, nomeadamente a importância de encontrar um equilíbrio saudável nas nossas vidas, que dê espaço tanto para o trabalho árduo como tempo para a família e os amigos." 





"Como acelerar o sucesso da sua equipa e da sua empresa. O trabalho de equipa é fundamental para o sucesso de qualquer empresa e, como ilustra o conferencista e autor de best-sellers Ron Clark nesta cativante parábola, o sucesso de uma equipa passa por compreender os seus membros. Imagine que a sua empresa é um autocarro cheio de pessoas que ou impedem ou facilitam a capacidade da equipa de o fazer avançar: alguns dão o seu melhor, outros dão o que podem, outros deixam-se levar... e alguém tem de se certificar de que estão todos a ir na mesma direção! Uma das funções de um líder é perceber em que categoria se insere cada um dos seus membros, e qual a melhor maneira de motivar, inspirar e trabalhar com cada um deles – para garantir que a empresa segue "Sempre em Frente"! Na tradição de grandes parábolas de gestão e liderança como "Quem Mexeu no Meu Queijo?", "Sempre em Frente!" apresenta estratégias práticas e acessíveis para compreender e otimizar o desempenho de cada membro da sua equipa. Estas técnicas fáceis de implementar vão inspirar todos os líderes e membros a trabalhar mais e melhor para conduzir a equipa até ao sucesso." 




"A história fascinante da origem da democracia europeia – e uma reflexão sobre o seu futuro. Maratona, 490 a. C.: Na véspera da batalha pela independência e pela sua recém-criada e revolucionária forma de governo (a que chamam “democracia”), os soldados atenienses conversam. Um deles, Leandro, conta aos camaradas como chegou até ali – como testemunhou os abusos dos velhos regimes tirânicos, a sua corrupção e brutalidade, e também a emergência de um novo sistema político que daria voz igual a todos os cidadão. Fala dos poderes estrangeiros que se imiscuem no governo da cidade-estado – como Esparta e a Pérsia – e da coragem de uma ideia capaz de mudar o mundo. Conseguiria esta ideia triunfar? A batalha do dia seguinte daria a resposta… Uma história cativante (com base nas fontes históricas clássicas) sobre as origens da Democracia – que tem muito a ensinar-nos sobre o seu futuro." 



"Otimize o seu metabolismo, ative as suas hormonas antigordura e acalme o corpo e a mente com os poderes incríveis e cientificamente comprovados de uma das bebidas mais antigas do mundo: o chá! A jornalista gastronómica e autora de best-sellers Kelly Choi apresenta aqui a ciência por trás dos poderes nutritivos e terapêuticos do chá, revelando como esta bebida milagrosa pode transformar o seu metabolismo – e a sua vida. O detox de 7 dias de "A Dieta do Chá" produz resultados rápidos, duradouros e impressionantes. Em apenas 1 semana, poderá: - perder até 4 kg de peso abdominal; - emagrecer e tonificar, sem exercício de alto impacto; - alterar o seu metabolismo para tornar a perda de peso duradoura e automática; - dormir melhor e ter mais energia; - reduzir os riscos de doença cardíaca e diabetes; - combater o stresse. Prepare-se para perder peso e ganhar saúde com A Dieta do Chá." 








"Uma coleção de contos de um dos maiores nomes da literatura mundial, todos eles protagonizados por animais. De salientar que alguns destes contos são completamente inéditos em Portugal, a maior parte deles traduzidos pelo seu tradutor «de marca», Álvaro Gonçalves." 










"Pearl tem a seu cargo o triste, o bom, o passado. Stasha fica com o divertido, o future, o mau. Corre o ano de 1944 quando as gémeas chegam a Auschwitz com a mãe e o avô. No seu novo mundo, Pearl e Stasha Zamorski refugiam-se nas suas naturezas idênticas, encontrando conforto na linguagem privada e nas brincadeiras partilhadas da infância. As meninas fazem parte da população de gémeos para experiências conhecida como o Zoo de Mengele e, como tal, conhecem privilégios e horrores desconhecidos dos outros. Começam a mudar, a ver-se extirpadas das personalidades que em tempos partilharam, as suas identidades são alteradas pelo peso da culpa e da dor. Nesse inverno, num concerto orquestrado por Mengele, Pearl desaparece. Stasha sofre a perda da irmã, mas agarra-se à possibilidade de que ela continue viva. Quando o campo é libertado pelo Exército Vermelho, ela e o companheiro Feliks – um rapaz que jurou vingança depois da morte do seu gémeo – atravessam a Polónia, um país agora destruído. Não os detêm a fome, os ferimentos e o caos que os rodeia, motivados como estão em igual medida pelo perigo e pela esperança. Encontram no seu caminho aldeões hostis, membros da resistência judaica e outros refugiados como eles, e continuam a sua viagem incentivados pela ideia de que Mengele pode ser apanhado e trazido à justiça. À medida que os jovens sobreviventes descobrem o que aconteceu ao mundo, tentam imaginar um futuro nele. Uma história extraordinária, contada numa voz que tem tanto de belo como de original, "Mischling" é um livro que desafia todas as expectativas, atravessando um dos momentos mais negros da história da humanidade para nos mostrar o caminho para a beleza, a ética e a esperança." 



"Um conjunto, conciso e representativo, de ensaios e palestras políticas de Noam Chomsky escritos entre 1969 e 2013. O tema unificador do livro é claro: quem são os Senhores do Mundo e como estabelecem e mantêm o seu domínio. Em grande parte, a resposta está na disseminação ativa da miopia intelectual e na distorção que é posta ao serviço da elite no poder. O regresso de uma das figuras mais influentes na reflexão política do nosso tempo num exame incisivo à natureza do poder do Estado e das ideologias reintroduzindo questões morais e legais que muitas vezes ignoramos e que vão do papel dos intelectuais até à sobrevivência da nossa civilização passando pela prática da democracia e pela conservação da natureza. Uma análise implacável que é feita aos mitos dos que protegem o poder e o privilégio de poucos contra os interesses e necessidades de muitos. Uma nova introdução escrita por Marcus Raskin contextualiza o lugar de Chomsky no pensamento da história moderna."




"Os cento e cinquenta e quatro (154) sonetos de William Shakespeare na sua versão integraltraduzidos pelo poeta, ensaísta e grande tradutor dos clássicos Vasco da Graça Moura. «Nos Sonetos, o tempo trai a beleza e as pompas, a velhice trai a juventude, o amigo trai o amigo, o homem trai a mulher, a mulher trai o homem, a tristeza e o desânimo traem a alegria, a decadência trai a pujança, a escassez trai a abundância, os sentimentos são traídos... Todas essas situações de falha e de carência são regeneradas pelo estro poético, erguido contra tudo e contra todos, contra o Tempo, contra a sociedade, contra o próprio eu que anima estes poemas nos vários subciclos que integram a série. Toda a panóplia maneirista se encontra presente, nos adereços, como o espelho, o relógio, o instrumento musical, no sentimento da voracidade do Tempo e na sensação de efemeridade e decadência de tudo, na melancolia humoral, na falta angustiada vivida pela ausência ou distância do ser amado, na presença da morte a recortar-se, nas alusões à doença e à sepultura, no dilaceramento de raiz misógina que não impede uma relação erótica fortíssima com a Dark Lady, na dialéctica entre verdadeiro e falso, fidelidade e perjúrio, beleza e fealdade, nas próprias variações e transições temáticas de uns sonetos para os outros. Esses tópicos combinam-se com uma textura muito rica do real, pelas comparações e metáforas, pelas notações concretas, pelo surpreender de um gesto, de um movimento, de uma atitude, e recorrem a um vocabulário ligado constantemente a experiência da vida, seja ele de matriz legal, contratual, económica, militar, arquitectónica, marítima, astronómica, mitológica, doméstica, artesanal, palaciana, etc." 



"Harry August não é um homem normal. Porque os homens normais, quando a morte chega, não regressam novamente ao dia em que nasceram, para voltarem a viver a mesma vida mas mantendo todo o conhecimento das vidas anteriores. Não interessa que feitos alcança, decisões toma ou erros comete, Harry já sabe que quando morrer irá tudo voltar ao início. Mas se este acumular de experiências e conhecimento podem fazer dele um quase semideus, algo continua a atormentar Harry: qual a origem do seu dom e será que há mais pessoas como ele? A resposta para ambas as perguntas parece chegar aquando da sua décima primeira morte, com a visita de uma menina que lhe traz uma mensagem: o fim do mundo aproxima-se. Esta é a história do que Harry faz a seguir, do que fez anteriormente, e ainda de como tenta salvar um passado que não consegue mudar e um futuro que não pode deixar que aconteça." 




 

"A jornalista e crítica de vinhos Maria João de Almeida quer fazer de qualquer pessoa um craque em vinho, por isso, criou este manual. Com uma linguagem acessível, descontraída e bem-humorada (e as divertidas ilustrações de Cristina Sampaio), esta obra vai permitir-lhe responder a todas as dúvidas: - A que temperaturas devemos servir o vinho? - Que tipo de copos utilizar? - Como fazer a análise sensorial? (visão, olfacto, paladar) - Como combinar comida e vinho? - Que utensílios devemos utilizar? - Como armazenar vinho em casa? "O Vinho na Ponta da Língua" tem todas as informações que precisa para tornar o seu paladar mais exigente. Leia, aprenda, divirta-se e seja um craque no maravilhoso mundo dos vinhos." 






"Sabia que o stress é a doença dos tempos modernos? - No ano novo comprometemo-nos com muitas mudanças. Mas depois fica tudo na mesma e lá vem a frustração e o stress. - As férias deviam ser relaxantes, mas só as despesas, a mudança de hábitos e o inevitável regresso deixam-nos cansados e stressados. - Todos tememos o regresso às aulas: com matrículas, despesas com livros escolares e horários apertados, é stress garantido. - O Natal devia ser paz e amor. Mas os compromissos e os afazeres são tantos que a maior prenda que recebemos é o stress. - O emprego está cada vez mais exigente. A crise cada vez mais aguda. Por vezes há doenças e, pior, morte na família. Como seguir em frente e ultrapassar o stress acumulado? Não desespere, o stress pode ser gerido e até eliminado. É isso que a psicóloga Isa Silvestre nos ajuda a fazer, recorrendo a estratégias comportamentais e mudança de hábitos. "Gerir 1 Ano de Stress" tem casos práticos, exemplos do dia-a-dia, orientações simples e o resultado só pode ser um: 365 dias sem stress e muito mais qualidade de vida." 




"Georgie McCool sabe que o seu casamento está por um fio. Ela ainda ama o marido, Neal, e o marido ainda a ama a ela – mas a química desapareceu. Dois dias antes de visitarem a família de Neal, Georgie informa-o de que não irá com ele. Ela é argumentista de televisão e o seu emprego exige a sua presença. Sabe que Neal irá ficar chateado mas nunca pensou que ele fizesse as malas e partisse sem ela. Atormentada pela sua decisão, Georgie pensa que deitou tudo a perder. Até que descobre uma forma de comunicar com a versão mais nova do marido… no passado. Não sendo exatamente uma viagem no tempo, Georgie sente que recebeu uma nova oportunidade de salvar o seu casamento ainda antes de ele começar. Mas será que é isso que ela realmente quer?" 





"A História está repleta de personagens malditas cujos nomes nunca mais serão esquecidos. Venha descobrir porquê. Dos líderes sanguinários como Hitler e Nero aos pensadores que chocaram os seus contemporâneos, como Sade e Nietzsche. Dos chefes militares cuja ambição não tinha limites, como Napoleão e Hernan Cortés aos fanáticos religiosos como Torquemada e Bin Laden. Mas ainda há espaço para algumas figuras maquiavélicas dos nossos dias, como George W. Bush, Saddam Hussein ou Kissinger. E, claro, a História de Portugal não poderia ficar de fora, com nomes amaldiçoados cujas ações se sentem ainda hoje: de D. Sebastião, ao Marquês de Pombal e Salazar. "As Personagens Malditas da História", mais do que uma galeria impressionante de homens e mulheres cujos nomes nunca mais serão esquecidos, é um reflexo da sociedade, cultura e violência dos tempos em que viveram. Uma história da Humanidade em forma de pequenas biografias tão apaixonantes como inesquecíveis."




"Procurar as nossas origens e descobrir quem foram ao certo os nossos antepassados é uma epopeia fascinante. Porém, quantas vezes recuar no tempo parece ser impossível, porque a informação se perdeu ou tornou-se incerta na memória dos nossos mais velhos? Quantas vezes desistimos, por não sabermos quais os pontos de partida, por esbarrarmos em documentos que nos parecem indecifráveis? Não se trata de uma tarefa impossível: a nossa história familiar está simplesmente escondida. Frequentemente, as respostas surgem nos lugares mais inesperados e em arquivos que nunca nos lembraríamos de consultar. É por tudo isto que, conduzindo-nos pelas veredas quase labirínticas da Genealogia, "Descubra As Suas Origens" vem responder às questões fundamentais de quem quer embarcar nesta aventura surpreendente: onde e como pesquisar o rasto dos antepassados? Como interpretar os dados recolhidos? Como organizá-los numa árvore genealógica, reconstituindo a saga da nossa família ao longo de várias gerações? Os autores, Francisco Queiroz e Cristina Moscatel, historiadores especialistas em Genealogia e Ciências Documentais, revelam também inúmeras dicas, facilitando a conclusão bem-sucedida desta missão, tão importante para compreendermos melhor aquilo que efectivamente somos."



"Em Setembro de 1276, Pedro Hispano foi aclamado papa, adoptando o nome de João XXI. Mas quem era afinal este homem que ficou para a História como o único português que alcançou o lugar mais alto da Igreja Católica? O historiador Armando Norte percorre a vida de João XXI nas suas três principais facetas: o homem, o intelectual e o pontífice. O seu nome de baptismo, Pedro Julião, convida-nos a olhar para as suas raízes, remetendo para os anos iniciais da sua vida e para o percurso que construiu, desde muito cedo, no interior da Igreja. Já a designação de Pedro Hispano, pela qual ficou conhecido nos meios intelectuais, liga-o de imediato ao cientista, ao académico e à autoridade incontestada que também foi. E, por fim, o seu nome apostólico, João XXI, evoca o seu pontificado e a curta carreira que protagonizou na Cúria Romana enquanto papa. Ele que foi o 187.º ocupante da Cadeira de São Pedro. Se há vidas excepcionais que merecem ser contadas, esta é uma delas. Uma vida que foi uma trajectória longa e improvável, quando se olha para um indivíduo originário de um reino ultraperiférico – sendo Portugal a periferia de uma periferia, chamada Península Ibérica – que parecia condenado à obscuridade, mas que se tornou papa. Uma obra essencial para resgatar do esquecimento a vida e a obra desta figura ímpar da História de Portugal." 



"Controle e previna a diabetes de uma forma saborosa e descontraída. A notícia de que temos diabetes vem acompanhada de um mar de dúvidas e inquietações sobre a alimentação. O que posso comer agora? Que quantidade de pão e batatas devo consumir? Há vegetais melhores que outros? Tenho de riscar as sobremesas da minha vida? Ter diabetes não significa estar condenado a uma dieta monótona e insípida. Joana Ramos Oliveira, dietista responsável pelos cursos de cozinha da Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal, apresentanos neste livro cerca de 100 receitas deliciosas e surpreendentes que são benéficas para quem tem esta doença e, ao mesmo tempo, recomendáveis para toda a família – até porque todos têm direito a uma alimentação tão saudável, equilibrada e saborosa como esta. Peru de Mostarda com Castanha, Creme de Feijão Branco e Tomate Seco, Bolo de Noz com Aroma a Baunilha, Bolachas de Amêndoa e Mirtilo, Granola de Coco ou Panquecas de Aveia são apenas algumas das sugestões originais, simples e fáceis de cozinhar que pode encontrar ao longo destas páginas cheias de cor, imaginação e, acima de tudo, rigor. Cada receita é acompanhada por uma descrição do valor nutricional e a indicação da porção de hidratos de carbono para que possa conjugar receitas e criar o seu próprio menu diário sem que os níveis de açúcar no sangue desçam ou subam para valores prejudiciais à sua saúde."



"À partida, nada parecia irmanar o filho do sapateiro georgiano, o primogénito do ferreiro italiano, o rebento do funcionário das alfândegas austríacas, o varão do feitor português e o descendente do intendente geral da Armada espanhola. Mas a História vai encarregar-se de juntar Estaline, Mussolini, Hitler, Salazar e Franco. Nascidos entre 1878 e 1892, todos, à excepção do Duce, crescem muito ligados às mães e com más ou frias relações com os pais. São homens solitários, que mesmo quando têm família, ou amantes, ou amigos, marginalizam os afectos e os bens materiais embora não dispensem a pompa da vida pública. E todos, uma vez no poder, tratam de controlar o instrumento que ali os levou, seja o Partido, o Exército, ou as “forças rebeldes”. Jaime Nogueira Pinto cruza as vidas destes cinco homens que marcaram os anos decisivos do princípio do século XX ajudando-nos a compreender o que os une e os separa, o que os levou ao poder e o rasto que deixaram nas Europas do presente, nos fantasmas que as assombram, nas ideias que as inspiram." 




 "Correr, aquela incrível sensação de bem-estar, de libertação do corpo e da mente, de superação dos nossos limites, de percorrer uma distância maior do que a do treino anterior, de melhorar o tempo da última prova... Mas, de repente, uma dor. O incómodo não desaparece após a corrida e, pior, passa a fazer parte do nosso dia a dia. A motivação cai a pique e a incerteza ganha terreno, porque não sabemos se vamos voltar a correr e a usufruir desse prazer imenso. As lesões podem ser altamente desmotivantes para quem corre e, por isso, a prevenção e o tratamento são fundamentais. Como é mais fácil prevenir do que tratar, Ernesto Ferreira, fisioterapeuta especialista em running, indica-nos o que devemos fazer – e não fazer – para evitar uma lesão, sublinhando, entre outros factores, a importância do aquecimento e dos alongamentos, o fortalecimento dos músculos, o planeamento do treino, a melhoria da técnica de corrida ou a escolha das sapatilhas certas. Além de nos ajudar a correr melhor, Ernesto Ferreira coloca-nos ao dispor a sua vasta experiência de mais de vinte anos nesta área para nos explicar também as causas, os sintomas e os tratamentos das lesões mais comuns provocadas pela corrida. Tudo para que possamos chegar cada vez mais longe." 




"Não consigo guardar só para mim os segredos que uso diariamente quando maquilho apresentadoras, modelos ou atrizes de televisão como a Cristina Ferreira ou a Sílvia Alberto. A vontade de partilhar esses truques, que acabam por fazer toda a diferença, é mais forte do que eu, porque acho que todas as mulheres têm o direito de se sentirem especiais, confiantes e lindas! Depois do "Guia Prático de Maquilhagem", decidi alargar horizontes. Para além da maquilhagem, que abordo neste livro com técnicas novas, resolvi também falar-vos de cabelos e das mais variadas formas de os usar. Já lhe aconteceu ser convidada para uma festa e não saber que penteado escolher ou qual a maquilhagem que mais se adequa a esse momento? E chegar a casa vinda do cabeleireiro e perceber que não era nada daquilo que queria? Ou olhar-se ao espelho de manhã e ver um cabelo rebelde, sem graça e um rosto a precisar de um milagre, mas não saber como resolver o problema? Já para não falar daquelas tentativas frustradas de fazer uns smoky eyes que terminam invariavelmente com algodão, desmaquilhante e muita irritação... Pois bem, este livro é mesmo para essas ocasiões. Ajuda-a a escolher o look certo para a altura certa como, e principalmente, a elaborálo em sua casa. Ao longo destas páginas explico-lhe todas as técnicas passo a passo, com ilustrações e fotografias, para que se sinta completamente segura e não lhe restem dúvidas. As maquilhagens têm a minha marca: arrojadas e sensuais, são explicadas da forma mais simples possível, mesmo as mais elaboradas, como já a habituei. Ensino-lhe uma série de técnicas diferentes – só tem de escolher as suas preferidas. Os penteados são modernos, alguns mais complexos (mas tão, tão fáceis de fazer), e complementam qualquer look. Espero, sinceramente, que este livro a ajude a sentir-se ainda mais bonita!" 



"Shawn Reilly, oficial da CIA, recruta oficiais de informações estrangeiros para espiarem para os Estados Unidos, e considera que o seu trabalho é como vender sonhos a pessoas que precisam de dinheiro, pretendem ver os seus egos enaltecidos ou desejam vingar-se dos seus chefes ou dos seus governos. Após passar muitos anos nos lugares mais infernais do Planeta, chega, no crepúsculo da sua carreira, a Lisboa, onde enfrenta um chefe «certinho», um casamento falhado e Boris, o diretor do serviço de informações russo em Portugal, que, por sua vez, também assentou a sua mira em Reilly. Ao mesmo tempo, os serviços de espionagem líbios tentam atrair para o seu país um especialista em armas químicas da Ásia Central e a agência russa anda napeugada desse cientista. Baseado nas experiências reais do autor neste mundo de sombras, O Mercador de Sonhos de Lisboa penetra nas mentes dos principais atores para explorar a psicologia da espionagem." 




"Pouco depois de se casar, a sorte do conde de Cerveira sofre um revés. Uma série de infortúnios deixam-no à beira da ruína financeira,e não demora muito para que comece a desconfiar dos intentos da estranha de beleza intrigante que desposou. Perante a dúvida, decide enviar Leonor Sanches para um exílio temporário junto do tio, que ensina na prestigiada Trinity College, em Dublim. Conforme a epidemia de cólera vai ceifando as vidas de cristãos e anglicanos na Irlanda, também o coração de Leonor Sanches se oferece à tragédia. Cinquenta anos depois de perder o seu bem mais precioso para as tropas de Napoleão, Mariana Turner sente que está a um passo de descobrir toda a verdade sobre os acontecimentos de Março de 1809. Novas revelações apontam para que a condessa de Cerveira, encarcerada no Porto, seja a chave para resolver o mistério. Munida de uma determinação inabalável, tudo fará para conseguir deslindar o passado de Leonor Sanches –fidalga e anjo caído." 



"É inverno nos bosques remotos e escuros do Wisconsin. Masos arrepios sentidos pelo xerife local nada têm que ver com o frio da estação. A extravagância do crime que tem em mãosé nova para ele: um homem, uma mulher, uma criança, assassinadoscom um machete; e as cinzas da casa queimada espalham-se sobre o gelo e a neve. Em desespero, o xerife recorreà ajuda de Lucas Davenport, um agente policial introvertidoque tem uma cabana nas redondezas. Davenport aceita o convitecom relutância, mas não tardará a ter motivos para lamentartal decisão. Ao perscrutar as cinzas do caso, emergemoutros crimes chocantes. Torna-se claro que o mal anda à soltanaqueles bosques, um mal que lhe é estranho mas que está, aomesmo tempo, mais perto do que ele imagina. O Homem do Gelo é o inimigo mais determinado que LucasDavenport alguma vez enfrentou –um serial killer decididoa cobrir com sangue o seu trilho implacável. Neste romance decortar a respiração, o escritor John Sandford volta a criar umsuspense quase insuportável, enquanto aguardamos pelo ataqueda faca afiada do Homem do Gelo." 



"Que relação existe entre uma mulher que envenena sucessivamente os seus maridos e um presidente da República apaixonado? Qual a ligação entre um simples e honesto marinheiro e um escroque internacional que vende bugigangas religiosas fabricadas na China? Por que milagre uma imagem de Santa Rita, padroeira das causas perdidas,assume o papel de guia misteriosa das suas existências? Todas estas personagens tiveram a possibilidade de se redimir, de escolhera luz em vez da sombra. A todas foi um dia oferecida a salvação. Algumas aceitaram-na, outras recusaram-na, outras ainda não souberam reconhecê-la. Quatro histórias com ligações entre si. Quatro histórias que atravessam o que de mais comum e mais extraordinário existe na nossa vida. Quatro histórias que exploram uma questão: somos livres ou estamos presos a um destino? Será que podemos mudar?" 





"Uma história divertida, comovente e original que irá fazer rir, pensar e chorar. Alex, o pai, de trinta e poucos anos: Embora ame a sua mulher, já não sabe como o demonstrar. Quer estar perto do filho, mas não consegue compreendê-lo. Algo tem de mudar. Mas a mudança terá de começar em si próprio. Sam, o filho, de oito anos: Cativante, surpreendente, autista. Para ele, o mundo é um enorme quebra-cabeças que não consegue resolver sozinho. Porém, quando Sam começa a jogar Minecraft, abre-se a porta para as descobertas que tanto o filho como o pai irão fazer acerca de si mesmos e da sua difícil relação. Pode uma família fragmentada voltar a ser construída, peça a peça, até se reunir outra vez? Inspirada pelas experiências do autor com o seu filho, "O Rapaz dos Blocos" é uma singular história de amor e resiliência, uma moderna epopeia familiar que já foi traduzida e publicada em mais de 20 países."






"Incapaz de chegar aos pedais, apalpou, agonizada, o volante que também se desfez no éter. As quatro rodas ganhavam balanço com o peso do carro que seguia voluntariamente em direção a uma ponte de altura vertiginosa. Pouco oxigénio restava a alimentar-lhe o cérebro e o coração batia de susto, enquanto o corpo se contorcia em busca de uma solução. O carro bateu com estrondo no rio agitado e afogou-a de medo. Silêncio e solidão." 














"Numa época em que no país se atravessa uma tremenda crise económica, António, um homem de cinquenta anos, vê-se de repente a braços com uma situação de desemprego permanente, que o arrasta para um buraco do qual não consegue sair. Sozinho e desiludido, com a vida a andar-lhe constantemente de flanco, ele sonha com um novo começo longe daquele sítio, que o viu nascer. É que uma história como a de António, ou as de outros tantos Antónios por esse mundo fora, jamais se fez num ápice." 












"Este livro é um tributo à causa que guia a APCOI (Associação Portuguesa Contra a Obesidade Infantil): incentivar as crianças a fazer as escolhas corretas para crescerem felizes e com saúde. Mas este livro é também um projeto solidário, em que a venda de cada exemplar contribui para a «Missão 1 Quilo de Ajuda», que permite à APCOI distribuir gratuitamente cabazes de fruta nas escolas, todas as semanas, proporcionando um lanche saudável aos alunos mais carenciados do país."







"Era uma vez, numa livraria de Londres em ruínas, uma rapariga chamada Posy Morland que passava a vida perdida nas páginas dos seus romances preferidos. Então, quando Lavinia, a excêntrica dona da Bookends, morre e deixa a loja a Posy, ela tem de largar os livros e entrar no mundo real, pois Posy não herdou apenas um negócio com problemas, mas também as atenções indesejadas do neto de Lavinia, Sebastian, também conhecido como «o homem mais rude de Londres». Posy tem um plano astuto e seis meses para transformar a Bookends na livraria dos seus sonhos – se ao menos Sebastian a deixasse em paz para conseguir trabalhar. Enquanto Posy e os amigos lutam para salvar a sua querida livraria, Posy é arrastada para uma batalha com Sebastian, com quem começou a ter algumas fantasias bastante escaldantes... Como as suas heroínas românticas preferidas, irá também ela ter o seu «felizes para sempre»?" 




"Uma amante nunca deve ter a ingenuidade de se apaixonar pelo seu protetor nem de lhe confiar o seu futuro financeiro. Mariah Desmond fez as duas coisas e o seu amado protetor morreu e deixou-a sem nada. Obrigada a procurar outro protetor, está decidida a agora guiar-se pelo instinto de sobrevivência e não pelo coração. Mas quando assiste a uma das escandalosas festas de Vivien Manning, o rosto familiar do melhor amigo do seu falecido amante apanha-a desprevenida. Um passado doloroso ensinou John Rycroft que não tem tendência para ser o príncipe encantado de ninguém. O seu fraco por Mariah – melhor dizendo, o seu forte – é precisamente o motivo por que se manteve à distância. Contudo, ao vê-la namoriscar com um enxame de homens que competem por se tornarem o seu próximo amante, algo dispara no seu íntimo. Quando John a arranca aos seus pretendentes, a indignação de Mariah derrete-se no calor da ardente química entre os dois. Mas rapidamente descobre que não é fácil navegar nas tempestuosas águas emocionais de John. Sobretudo quando a violenta perseguição do pai para recuperar o domínio do filho coloca a sua vida em perigo."




"Becky Bloom (agora Brandon) está mais feliz do que nunca. O seu casamento corre muito bem. Luke, o marido, encontra-se prestes a fechar o negócio mais importante da sua carreira, um negócio que irá torná-los milionários. Becky é personal shopper numa loja elegante, acabada de abrir em Londres e, mais importante, está grávida! Tudo deve ser perfeito para o nascimento do bebé. A nova família precisa de encontrar um lar adequado, possivelmente com uma cozinha equipada com máquina de sushi, um jardim com churrasqueira e um closet para os sapatos. E a seguir tem de lidar com todas as possíveis necessidades do futuro bebé Brandon. Mas Becky não desanima. No fundo, as compras ajudam-na a superar os enjoos matinais. E como se não bastasse, para enfrentar da forma mais responsável esta fase delicada de sua vida, a futura mãe não pode deixar de ter a Dr.ª Venetia Carter: é a ginecologista/obstetra das estrelas, a mais popular do momento, e só ela pode segui-la até ao parto com massagem tailandesa e flores de lótus. Becky tem de conseguir consulta a todo custo. Quando isso finalmente acontece e tudo parece controlado, começam os problemas. Os negócios de Luke estão a correr mal, a loja onde Becky trabalha não consegue ter sucesso e, acima de tudo, a extraordinária Venetia Carter não passa de uma ex-namorada do seu marido... e as coisas complicam-se." 



"1922. Londres vive dias de tensão. Os ex-militares estão desiludidos, os desempregados exigem mudança. E numa casa de gente bem-nascida no sul da cidade, cujos habitantes ainda não recuperaram das perdas devastadoras da Primeira Guerra Mundial, a vida está prestes a modificar-se. A senhora Wray, viúva, e a sua filha Frances - uma mulher com um passado interessante a caminho de se tornar uma solteirona - vêem-se obrigadas a alugar quartos. A chegada de Lilian e Leonard Barber, um jovem casal da «classe média» traz uma série de perturbações: a música do gramofone, o colorido, o divertimento. As portas abertas permitem a Frances conhecer os hábitos dos recém-chegados e tanto a escadaria como o patamar nunca lhe pareceram tão animados. À medida que ela e Lilian são empurradas para uma amizade inesperada, as lealdades começam a mudar. Confessam-se segredos, admitem-se desejos perigosos; a mais vulgar das vidas pode explodir de paixão e drama. Vivendo um affair secreto, as duas amantes são envolvidas num acto de violência e crime, que dá a "Os Hóspedes" o mistério e suspense, tão característico de Sarah Waters." 



"Haverá outras dimensões além das que conhecemos? Haverá portais que dão acesso a outros universos? O que aconteceu antes do primeiro dia da Criação? Estas são algumas questões que continuam no centro da actividade científica. De facto, muitos físicos acreditam na existência de outras dimensões para lá das quatro que formam o tecido do espaço-tempo e que se pode chegar a ter uma visão unificada das diferentes forças da natureza. A teoria do hiperespaço – e a sua derivação mais recente, a teoria das cordas – é a principal responsável por esta revolução científica. Neste livro, Michio Kaku revela-nos um panorama fascinante que mudará por completo a nossa visão do Cosmos, e leva-nos para uma viagem deslumbrante por novas dimensões. Do autor de "O Futuro da Mente", "A Física do Futuro", "A Física do Impossível" e "Mundos Paralelos".





"Bem-vindo ao Antigo Egipto no reinado de Ramsés, o Grande! Recue no tempo e viaje à terra dos faraós na época da sua maior glória. Calce as sandálias mais resistentes que tiver e comece a programar a viagem ao Egipto em 1250 a. C. Já deve ter ouvido os rumores: a cultura é desconcertante, a língua é impenetrável, não existem instalações para acolher os turistas e o país é governado por um faraó agressivo e egocêntrico. Não admira que o Egipto seja um destino de férias obrigatório nos próximos milénios! Portanto, não adie - visite-o agora, antes que cheguem as hordas de turistas romanos. Baseado em fontes da época e em anos de experiência de escavações no Egipto, o arqueólogo Donald P. Ryan guia o turista viajante no tempo numa subida do Nilo."
Ocorreu um erro neste dispositivo

1%

1%