Envie esta página a um amigo!

segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

0

114º Entrevista do FLAMES: ÁTOA (Respostas por Rodrigo) #viverÁTOA


ATOA




Os ÁTOA têm dado passos de gigante. Começamos a segui-los no Tradiio, e rapidamente chamaram a atenção do público que os segue fervorosamente. Os ÁTOA foram a nossa 99º entrevista (podem ver aqui). 
"#viverÁTOA" é o espetáculo que estreiam em 2016, nome inspirado na canção "Viver à Toa", que faz parte do álbum de estreia "Idade dos Inquietos". A tournée já conta com mais de 30 datas confirmadas para 2016, e esta pareceu-nos a desculpa ideial para falarmos com eles. 

Nesta tourné vão presentear os vossos fãs com canções que marcam a vida da vossa banda. Como foi feita a selecção das músicas?

Foi bastante simples, reunimo-nos todos numa sala e começamos a pensar quais poderiam ser as músicas que o público gostasse mais. 

Estar em tourné vai permitir-vos actuar em locais muito distintos para públicos bastante diferentes. O que distinguirá as vossas actuações de cidade para cidade?

Cada concerto é único, e nós temos sempre o cuidado de os tentar adaptar não só ao público alvo, mas também ao local onde tocamos. É normal que dependendo do público as coisas mudem, e uns concertos sejam mais divertidos ou outros mais calmos. 

Há algum sítio que vocês vão revisitar nesta tourné e que vos deixa mais empolgados?

Bom… sim… mas há deles que ainda não podemos revelar (risos). Temos algumas surpresas prontas... Mas pronto, há locais que estamos muito empolgados por voltar a ver claro, é o caso de Évora. Mas estamos empolgados com todos. 

Vocês têm mais de 30 datas confirmadas. Estar em tourné durante tanto tempo implicará viagens constantes e uma distância da família e amigos, temporárias. Como planeiam lidar com as saudades?

Desta vez as saudades vão apertar bem mais, mas devo dizer que já estamos todos um pouco habituados. Falando no meu caso específico, eu sou de Lisboa, tenho lá a minha família, e tenho de me deslocar muitas vezes a Évora. Por isso já estou mais habituado. Mas é claro que as saudades vão apertar mais desta vez. 

O que pretendem fazer nos vossos tempos livres, entre espetáculos? Vão querer descansar para recarregar "baterias" ou querem visitar os vários lugares por onde vão passar?

Isso vai depender muito do nosso estado de espírito e do cansaço que poderemos ter na altura. No entanto, temos sempre o hábito de descansar no hotel um bocadinho antes do concerto. 

Que novidades podem esperar para esta tourné os fãs que já tiveram a oportunidade de vos ver actuar ao vivo noutras ocasiões?

Vamos ter surpresas (risos) mas desta vez vamos estar mais profissionais porque temos outras pessoas connosco. Por exemplo, antes não tínhamos um produtor de luz e desta vez vamos ter. Mas temos surpresas preparadas (risos). Há musicas que vamos tocar e que antes não tínhamos tocados por exemplo…

Vocês costumam aproveitar os bocadinhos entre as tournés para criar outras coisas? Eventualmente outras músicas?

Às vezes acontece… mas não é uma coisa muito habitual. Mas sim, por vezes pode surgir algo com o qual iremos trabalhar no futuro.

Vocês têm pelo menos uma data fora do país… como é que vêm esta vossa aventura lá fora?

Vai ser uma experiência nova e estamos bastante empolgados… Posso-te dizer que o Mário até está bastante contente porque nunca andou de avião (risos). Vai ser a nossa primeira internacionalização e estamos muito contentes com isso. 


Ok, as próximas perguntas são uma surpresa para uma fã vossa na verdade...
Ok...

Nós tivemos a oportunidade de estar com vocês na Universal, no Magusto dos Inquietos (vejam aqui)… E na altura levamos 2 fãs connosco. Uma dela foi a Mariana, e eu perguntei-lhe o que é que ela gostaria de vos perguntar se tivesse essa oportunidade. Mas ela não fazia ideia que vos íamos entrevistar. Então a primeira pergunta é: 

Em que é que vocês se inspiram para criar as vossas músicas. 

Só vou poder falar por mim, porque não estou na cabeça do João nem da do Guilherme (risos). Eu na verdade estou mais ligado à parte instrumental das músicas… e não me inspiro em mais nada a não ser na própria música. Às vezes sinto que é quase a música que começo a criar que me impele a continuar a criá-la. Não sei se dá para perceber, mas é a própria música que me inspira. É complicado de explicar.

Qual foi a música mais difícil de fazer e a mais fácil. 

Penso que a mais difícil tenha sido a “Segue o teu caminho”, o que no entanto não teve um mau resultado... Mas na verdade ela foi escrita um pouco à pressão e é nesse sentido que sinto que tenha sido a mais difícil. A mais fácil foi o “Distância”. Eu estava na cave com o João e as coisas foram acontecendo. Ele começou a criar e eu disse-lhe para ele continuar… fomos juntando ideias, fazendo coisas, e assim surgiu a música. Foi mas fácil porque se criou de forma mais orgânica.

E qual é a tua música preferida!

Para mim é a "Distância", porque me identifico bastante com ela.


Quero aproveitar aos ATOA para agradecer por esta oportunidade, ao Rodrigo pela sua simpatia e disponibilidade para responder às minhas questões, à Mariana por ser uma fã tão devota e ter colaborado na entrevista sem sequer saber… 

Continuem o bom trabalho rapazes!

Datas tournée "#viverÁTOA" 2016:
29 Janeiro - Amiais de Baixo - Festas Religiosas
14 Fevereiro - Alcobaça - Jardim do Amor
5 Março - Monchique - Feira dos Enchidos
18 Março - Costa da Caparica - Caparica Primavera Surf Fest
19 Março - A anunciar
22 Março - Espanha - Roquetas de Mar - WAY (viagem de finalistas)
1 Abril - Braga - Agro 2016
22 Abril - Oliveira de Azeméis - Semana Académica
23 Abril - A anunciar
20 Maio - Evento privado
24 Maio - Mira - Encontro Nacional de Enfermagem
11 Junho - A anunciar
19 Junho - A anunciar
14 Julho - A anunciar
16 Julho - Ponte da Barca - Barca Jovem
17 Julho - A anunciar
20 Julho - A anunciar
1 Agosto - A anunciar
5 Agosto - A anunciar
6 Agosto - A anunciar
11 Agosto - Esposende - Festival da Juventude
12 Agosto - A anunciar
13 Agosto - Ferrel
14 Agosto - Góis - Festas da Cidade
15 Agosto - Ourique - Festas da Cidade
20 Agosto - A anunciar
25 Agosto - A anunciar
26 Agosto - A anunciar
27 Agosto - São Pedro do Corval
28 Agosto - Nevogilde - Lousada
3 Setembro - Leiria - Festas da Barosa

Mais datas a anunciar brevemente.


0

Evento: À conversa com Mário Cláudio (Livraria Arquivo - Leiria)


À conversa com Mário Cláudio (Livraria Arquivo - Leiria) 


No passado dia 20 de Fevereiro de 2016 a livraria Arquivo de Leiria teve, à conversa, Mário Cláudio (pseudónimo do escritor português Rui Manuel Pinto Barbot Costa). 
O mote do encontro era a apresentação do novo livro, Astronomia. No entanto, foi muito mais enriquecedor. 

Mário Cláudio falou sobre a questão da pedofilia  que é um dos temas abordados no seu novo livro. Abordou a questão também sobre o ponto de vista da mediatização e da importância de ensinarmos as crianças a se defender sem, no entanto, dramatizarmos demasiado, o que pode levar a que a criança não tenha um desenvolvimento feliz.

Falou ainda da importância da compaixão que é totalmente diferente da complacência.

Também deu a conhecer o seu interesse pela Astronomia e o facto curioso de tantos signos comuns terem características comuns.

Houve ainda tempo para se relembrar Humberco Eco, recentemente falecido, e que falava no facto de as notícias que constantemente se focam num determinado parâmetro de notícias e que massivamente tratam alguns dos temas mais polémicos e que conseguirão trazer mais audiências, relegando outras notícias importantes para segundo plano.

"Nós todos somos um bicho muito cruel, e a forma como tratamos os animais, por exemplo, é indiciário da nossa crueldade". 

E tomando esta frase como mote, acabou por referir a perversidade das touradas.

No entanto, isto foi muito mais do que uma apresentação. Como vos disse, foi uma conversa, e o que mais gosto destes encontros é a interacção que se cria entre os leitores e o autor convidado. Um dos leitores, por exemplo, pergunto ao escritor qual o livro que mais o marcou. A resposta? "Em busca do tempo perdido" de Marcel Proust, um escritor dos escritores.

Relativamente à obra Astronomia, trata-se de uma obra com um percurso de vida. Um livro composto de 3 partes. É a história de um homem que analisa a sua vida como se analisasse o firmamento. 

sábado, 27 de fevereiro de 2016

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

0

Livro: Nós os Dois


Título Original: The Two of Us
Ano de edição: 2016
Género: Romance, Comédia, Drama
Autor: Andy Jones
Editora: Penguin Random House



Ri. Ri muito com este livro mas também me comovi. Afinal, não é todos os dias que nos cruzamos com uma história simultaneamente divertida e comovente!


Sinopse:
“Fisher e Ivy vivem uma relação idílica durante dezanove dias, durante a qual são inseparáveis. Os dois sentem intimamente que estão destinados a ficar ligados para sempre. E facto de saberem tão pouco sobre o outro é apenas um pormenor. Nos doze meses seguintes, período em que as suas vidas mudam radicalmente, Fisher e Ivy vão perceber que apaixonar-se é uma coisa, mas manter uma relação é outra completamente diferente.
“Nós os dois” é um romance muito honesto e transparente sobre vida, amor e a importância de não se tomar nada nem ninguém por garantido.”


Opinião:
Em “Nós os dois” acompanhamos um casal que fez tudo ao contrário: começaram por uma gravidez imprevista e a partir daí decidiram conhecer-se realmente. Assim, ao longo do livro acompanhamos os percalços típicos de qualquer casal recente mas que, neste caso, tem a particularidade de saber que estão ligados para o resto das suas vidas através do seu filho.
Tudo isto é-nos descrito com um sentido de humor brilhante que me trouxe, literalmente, lágrimas aos olhos de tanto rir. Fisher não só é um personagem inteligente como consegue apresentar o seu ponto de vista de uma forma divertida mas com um tom profundo.

Contudo, não se pense que Andy Jones se contentou com uma trama cómica e romântica, pois ao longo do seu livro vamos percebendo que há várias camadas a descobrir nesta história e que as personagens são muito mais complexas e interessantes do que possam parecer à primeira vista.
Em particular gostei muito de El, um homem na casa dos 30 que se vê a braços com uma doença incurável: a doença de Huntington. Adorei ficar a perceber o ponto de vista de alguém que sabe não ter muito tempo de vida mas que, mesmo assim, consegue dar verdadeiras lições de vida a quem o rodeia e muitas vezes acaba por ser ele mesmo a fonte de apoio emocional dos seus amigos.

Relativamente ao casal, confesso que a minha preferência recaiu sobre Fisher: carismático, sonhador e lutador. Já Ivy revelou-se, para minha frustração em alguns momentos, uma mulher algo egoísta. Sei que o autor apresenta as suas justificações para estas atitudes da sua protagonista feminina, mas mesmo assim não consegui gostar dela da mesma forma que gostei do carismático Fisher.
Ao aproximar-me do final do livro, fui surpreendida por Andy Jones que decidiu dar um passo arriscado e jogar uma carta mais dramática. Se acho que fez bem? Provavelmente muitos leitores acharão que esse detalhe tornará esta história mais marcante, mas da minha parte tenho de confessar que este acontecimento surgiu de uma maneira algo intrusa nesta obra. De alguma forma, parece-me que esse final não combinou muito bem com o resto do livro e acabei por estranhar esta decisão do autor.


Em jeito de conclusão, no geral esta foi uma leitura interessante em que o sentido de humor anda o tempo todo de mãos dadas com um romance, no mínimo, caricato. É um livro de descobertas, que tem como ponto central as relações humanas e a forma como cada um de nós pode e deve estar em relação ao outro. Uma leitura que aconselho a quem não dispensa um bom romance com um conteúdo profundo e um sentido de humor presente ao virar de cada página.


Por Mariana Oliveira

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

0

113ª Entrevista do FLAMES: Deolinda (banda portuguesa)


Deolinda


Os Deolinda são Ana Bacalhau, Luís José Martins, Pedro da Silva Martins e Zé Pedro Leitão. Durante vários anos dominaram os tops de vendas com os multi-platinados “Canção ao Lado” e “Dois Selos e um Carimbo” acumulando diversas distinções tais como 2 Globos de Ouro, um prémio Amália Rodrigues, um Prémio José Afonso e um Songlines Music Award. Depois do grande sucesso “Mundo Pequenino”, produzido pelo britânico Jerry Boys e pela própria banda, regressam aos palcos com o seu mais recente trabalho "Outras Histórias".

(fonte: http://deolinda.com.pt/)

A todos os artistas o FLAMES pergunta... 

Como é que se conheceram e decidiram formar os Deolinda? 
Somos todos família, crescemos juntos. O Pedro e o Luís são irmãos e primos da Ana. E eu sou casado com a Ana. Um dia o Pedro apareceu com umas quatro canções que começámos a tocar e gostámos de como as coisas estavam a correr. Foi assim que começámos, de uma forma não intencional. 

Porque escolheram este nome para a banda?
Tínhamos um concerto agendado e precisávamos de um nome para o grupo com urgência. O Luís lembrou-se de Ivone e eu repliquei “Deolinda”. Gostámos todos e ficou. 

Lembram-se da primeira vez que ensaiaram juntos? Como foi? 
O primeiro ensaio que tivemos foi depois de um almoço num dia quente de Agosto. Estávamos ao ar livre e fomos tocando as músicas que o Pedro nos tinha mostrado.

Quais são os artistas que vos inspiram?
Todos nós temos um grande gosto pela música portuguesa, em geral. O meu primeiro concerto foi do Rui Veloso. E o primeiro concerto a que assisti com os meus amigos foi dos GNR. Portanto as nossas influências são, de uma forma geral, música portuguesa que pode estar mais ou menos ligada à tradição portuguesa. Eu pessoalmente estudei muito jazz, e também ouvi muito rock na minha adolescência e princípio da idade adulta. E continuo a ouvir. Temos um grande misto de influências para a nossa música. 

Quem é normalmente o responsável pela composição das vossas letras?
O Pedro é o responsável pelas nossas letras, quase sempre. 

Há algum local onde gostariam de tocar e ainda não tiveram oportunidade de fazê-lo? 
Sim, ainda não tocámos na Austrália. Aliás, ainda não actuámos em nenhuma parte da Oceânia e gostávamos de o fazer, porque já estivemos em quatro continentes e já só nos falta este. Pode ser que o consigamos com este novo álbum! 

Que cartaz ou mensagem em particular gostariam de ver a ser erguida num concerto vosso? 
Nada assim em específico. E isto porque os nossos fãs são sempre tão originais e as mensagens que partilham são mensagens pessoais, que eles querem que nós leiamos. Portanto, continuem a surpreender-nos! [risos] 

Lembram-se de alguma situação caricata que já vos tenha acontecido concerto? 
Sim, já nos aconteceram diversas situações caricatas. Por exemplo, na nossa primeira tour, tínhamos um candeeiro de tecto que levámos para todos os concertos. Num deles, em Aveiro, as velas estavam acesas e uma delas começou a pingar em cima de mim. A parte mais engraçada é que eu só me apercebi do que estava a acontecer muito mais tarde, tinha já a camisa arruinada. [risos] 

                                        Aos Deolinda o FLAMES pergunta... 

Decidiram chamar “Outras Histórias” ao vosso novo disco. Que histórias são essas que nos vão contar e onde se inspiraram para criá-las?
São sobretudo histórias do nosso dia-a-dia, do quotidiano. Especialmente em Portugal, mas não só. Representam o que é viver em 2016, a nossa vida actual. 

Existe algum fio condutor entre as várias histórias ou são narrativas individuais?
Se tiver de responder sim ou não, diria que não. Mas a verdade é que às vezes as pessoas podem ver pontes de contacto entre várias canções que nós não fizemos de forma intencional. 

Neste álbum convergem influências de vários géneros musicais. Isso é consequência natural das vossas diferentes origens enquanto músicos ou era um objectivo propositado para este 4º disco? 
Não foi propositado. Depois de ouvirmos as músicas fomo-nos lembrando de artistas que podiam trabalhar connosco que, de alguma forma, pudessem enriquecer o álbum. Por exemplo, achámos que o Riot dos Buraka Som Sistema se encaixaria perfeitamente na música “A velha e o DJ”. Foi algo que foi acontecendo assim com os outros artistas que trabalharam connosco também. 

Qual é o vosso critério na escolha desses nomes e com que outros artistas gostariam de trabalhar no futuro?
São artistas dos quais somos fãs, cujo trabalho nós gostamos e que façam sentido no nosso trabalho, pelo menos para nós. E têm de ser artistas que percebam o nosso trabalho também. Estamos muito felizes com as colaborações que fizemos neste álbum. 

O vídeo do primeiro single foi gravado no Museu de Arte Moderna. Porque optaram por este cenário para apresentar o tema “Corzinha de Verão”?
Este videoclip representa o eterno problema que enfrentamos quando estamos de férias ou temos um dia de folga e queremos, obviamente, ir para a praia, mas o tempo não ajuda. Lembramo-nos assim desta ideia, de levarmos a praia para o Museu de Arte Moderna que tem peças que marcam a cultura portuguesa e não só. E estamos muito gratos por eles terem aceite esta proposta! 

O “Outras Histórias” vem celebrar uma década de existência dos Deolinda. No início imaginaram que viriam a ter todo este reconhecimento e sucesso?
A nossa expectativa inicial era só fazermos música juntos. Mas depressa percebemos que os nossos concertos estavam a ter uma afluência considerável. O que é formidável! Eu próprio já toquei em bandas que não tinham muito público, portanto consigo perceber o quão bom é quando as pessoas reconhecem o nosso trabalho e gostam de nos ver actuar. 

Nestes 10 anos vocês conquistaram imensos prémios e um grande e merecido reconhecimento. O que é que ainda vos falta alcançar? 
O desafio é sempre ultrapassar os nossos próprios limites, dar sempre o máximo que conseguimos e superarmo-nos a nós próprios. E nós olhamos à volta e vemos que o mundo tem tantos países e tantas histórias para contar! Queremos continuar a fazer o que fazemos, porque sentimos que ainda há caminho a percorrer.

Obrigada Zé Pedro pela disponibilidade e Cátia pela ajuda na realização da entrevista!
0

Entretenimento: Novidades no mundo da música



DEOLINDA
Anunciada digressão de apresentação de "Outras Histórias"

Os Deolinda anunciaram a digressão do novo álbum "Outras Histórias". A partir deste mês, as canções de "Outras Histórias" vão ganhar vida em vários palcos nacionais e internacionais. A estreia acontece uma semana após o lançamento do álbum, nos dias 26 e 27 de fevereiro, em dose dupla, na Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão. 
Em Lisboa o concerto de apresentação do disco está marcado para o dia 22 de abril, no Teatro Tivoli e no Porto, para o dia 6 de maio, na Casa da Música. A nova digressão será ainda apresentada fora de portas, com os primeiros concertos já anunciados, em Espanha e na Bélgica. 

O vídeo de "Corzinha de Verão", o novo single da banda que já se encontra a passar nas rádios nacionais.


Este novo trabalho, gravado em co-produção com João Bessa, traça alguns caminhos que ainda não haviam sido explorados no repertório da banda. Destaque para as participações de Manel Cruz (Ornatos Violeta), no tema "Desavindos", e de Riot (Buraka Som Sistema) em "A Velha e o DJ". A Orquestra Sinfonietta de Lisboa, conduzida pelo Maestro Vasco Pearce de Azevedo, com os arranjos para cordas escritos por Filipe Melo, é outra das presenças no disco.

DIGRESSÃO "OUTRAS HISTÓRIAS"
26 Fev - Vila Nova de Famalicão - Casa das Artes
27 Fev - Vila Nova de Famalicão - Casa das Artes
18 Mar - Póvoa do Varzim - Casinoda Póvoa
19 Mar - Beja - Pax Júlia
23 Mar - Bragança - Teatro Municipal
26 Mar - Albergaria-A-Velha - Cineteatro Alba
31 Mar - Leiria - Teatro José Lúcio da Silva
8 Abr - Castelo Branco - Cine Teatro Avenida
22 Abr - Lisboa - Teatro Tivoli
4 Abr - Bilbao, Espanha - V Noites de Fado
6 Mai - Porto - Casa da Música
19 Mai - Heist od Berg, Bélgica - CC Zwaneberg 
20 Mai - Bruxelas, Bélgica - Palais de Beaux Arts
21 Mai - Beveren, Bélgica - CC Ter vesten Beveren
28 Mai - Santa Maria da Feira - Cine Teatro António Lamoso
4 Jun - Loulé - Cineteatro Louletano
2 Jul - São Miguel, Açores - Teatro Micaelense
11 Ago - Ovar - Concertos de Verão
29 Out - Viana do Castelo - Centro Cultural


RIHANNA

Faz sucesso com álbum surpresa, "Anti"

Para surpresa de todos, na passada madrugada de 28 de janeiro Rihanna revelou ao mundo o seu muito aguardado novo álbum de estúdio, "Anti", quase quatro anos depois do seu último disco, "Unapologetic", disponibilizando-o de forma gratuita na plataforma de streaming Tidal. Entretanto o álbum já se encontra disponível nas lojas.

"Anti" foi lançado poucos dias depois de ter sido revelado o primeiro cartão-de-visita deste que é o oitavo álbum de estúdio da cantora, "Work", que conta com a participação de Drake. Além do rapper canadiano, Rihanna colaborou ainda com uma mão cheia de outros nomes sonantes, como o produtor Timbaland (que trabalhou consigo no tema "Yeah I Said It"), The Weeknd, The-Dream eTravis Scott (na canção "Woo") ou a cantora de r&b SZA (no tema de abertura, "Consideration"). O disco conta ainda com uma surpresa da cantora, nomeadamente uma versão de "Same Ol’ Mistakes", do grupo australianoTame Impala.
"Anti" reflecte também uma viragem no percurso de Rihanna, o que já mereceu vários elogios por parte da crítica especializada. A revista "Time" escreveu que este álbum é "um trabalho de uma subtileza inesperada de uma artista que raramente foi associada com essa palavra".

"Work", o primeiro single deste "Anti" está a fazer sucesso no mercado norte-americano, tendo alcançado o nono lugar do top Billboard Hot 100 e o primeiro lugar da tabela de canções vendidas em lojas digitais. Já "Anti" entrou diretamente para o 27.º lugar do top Billboard 200.

THE LUMINEERS
Lançam novo álbum, “Cleopatra”, a 8 de abril

O multiplatinado trio de Denver, The Lumineers, anunciou hoje o lançamento do muito aguardado segundo álbum de estúdio, "Cleopatra", sucessor do álbum de estreia, homónimo, nomeado para vários Grammys. Com este novo disco o grupo levará ainda a cabo uma nova digressão por palcos britânicos.

A banda acaba também de revelar hoje o primeiro single, "Ophelia", imediatamente reconhecido como uma canção dos The Lumineers, com o seu piano sincopado e um refrão forte.

Depois de terem surpreendido tudo e todos com o irrepreensível "Ho Hey" e, depois, com o tema "Stubborn Love" (que recentemente fez parte da playlist de Spotify do presidente dos EUA, Barack Obama), os The Lumineers passaram três anos em digressão por seis dos sete continentes. Nesse período, a banda viu-se nomeada para os prémios Grammy (Artista Revelação e Melhor Álbum Americana), contribuíram com duas canções para a banda sonora da saga "The Hunger Games" (incluindo o êxito "The Hanging Tree", uma colaboração entre Jennifer Lawrence e James Newton Howard) e venderam três milhões de álbuns em todo o mundo.

"Cleopatra" junta os membros originais da banda, Wesley Schultz e Jeremiah Fraites, que formaram a banda em 2002, à cantora e violoncelista Neyla Pekarek e prova que o grupo não toma por garantido a sua boa sorte nem se senta sobre os louros conquistados.

Com a ajuda do produtor Simone Felice (The Felice Brothers, The Avett Brothers), a banda fechou-se no Clubhouse, um estúdio que fica no topo de uma montanha na zona rural de Rhineback, não muito longe de Woodstock. A partir daí começaram a dar um sentido musical à grande aventura que viveram nos últimos três anos.

ÁTOA

Tour com mais de 30 datas já confirmadas em 2016

"#viverÁTOA" é o espetáculo que os ÁTOA estreiam em 2016, nome inspirado na canção "Viver à Toa", que faz parte do álbum de estreia "Idade dos Inquietos", considerada pela banda o seu hino.
A tournée já conta com mais de 30 datas confirmadas para 2016, e mais serão fechadas em breve.
Neste espectáculo vão ser ouvidas todas as canções que fazem parte do disco "Idade dos Inquietos", como os hits "Distância", "Falar a Dois" e "Pouco de Sol", alguns inéditos e também versões de canções que marcam a vida da banda.
Em palco os ÁTOA terão a seguinte formação: Guilherme Alface na voz, guitarra elétrica e acústica, piano e ukelele; João Direitinho na guitarra acústica e elétrica, voz e harmónica; Rodrigo Liaça na bateria, voz e piano; Mário Monginho no baixo e guitarra acústica.
Descobertos pela Universal Music Portugal, após terem vencido um desafio da plataforma online Tradiio, os ÁTOA não param de conquistar o público desde que lançaram o primeiro single em Abril de 2015.
"Distância" já foi visto perto de 1 milhão e 800 mil vezes no YouTube e foi durante semanas a música portuguesa mais procurada no Shazam. O single de estreia "Falar a Dois" conta com perto de 800.000 visualizações e faz parte da banda sonora da novela "Coração D’Ouro", enquanto "Pouco de Sol", o mais recente single, faz parte da banda sonora da novela "Poderosas".

Datas tournée "#viverÁTOA" 2016:

29 Janeiro - Amiais de Baixo - Festas Religiosas
14 Fevereiro - Alcobaça - Jardim do Amor
5 Março - Monchique - Feira dos Enchidos
18 Março - Costa da Caparica - Caparica Primavera Surf Fest
19 Março - A anunciar
22 Março - Espanha - Roquetas de Mar - WAY (viagem de finalistas)
1 Abril - Braga - Agro 2016
22 Abril - Oliveira de Azeméis - Semana Académica
23 Abril - A anunciar
20 Maio - Evento privado
24 Maio - Mira - Encontro Nacional de Enfermagem
11 Junho - A anunciar
19 Junho - A anunciar
14 Julho - A anunciar
16 Julho - Ponte da Barca - Barca Jovem
17 Julho - A anunciar
20 Julho - A anunciar
1 Agosto - A anunciar
5 Agosto - A anunciar
6 Agosto - A anunciar
11 Agosto - Esposende - Festival da Juventude
12 Agosto - A anunciar
13 Agosto - Ferrel
14 Agosto - Góis - Festas da Cidade
15 Agosto - Ourique - Festas da Cidade
20 Agosto - A anunciar
25 Agosto - A anunciar
26 Agosto - A anunciar
27 Agosto - São Pedro do Corval
28 Agosto - Nevogilde - Lousada
3 Setembro - Leiria - Festas da Barosa

Mais datas a anunciar brevemente.


DAVID FONSECA

Estreia vídeo de "Deixa Ser", com Márcia
David Fonseca estreou nas suas plataformas sociais o vídeo da canção "Deixa Ser" incluída no seu mais recente disco, "Futuro Eu". O tema, recordamos, conta com participação da cantautora Márcia e tem sido um dos temas que mais atenção tem merecido por parte dos fãs.

"Há mistérios na composição de uma canção que nunca conseguirei desvendar. Quando escrevi "Deixa Ser", foi como se a canção já viesse agarrada à voz daMárcia, mesmo sem saber se ela aceitaria fazer parte dela. Felizmente aceitou e ajudou-me a construir uma das minhas canções favoritas de "Futuro eu"", refere David.

Apaixonado por duetos clássicos rapaz/rapariga – desde a formação dos Silence 4, passando pelos duetos nos últimos anos com Rita Redshoes, Mallu Magalhães, Luísa Sobral ou Catarina Salinas – David Fonseca tem nesta parceria comMárcia, um momento particularmente feliz nesse diálogo musical, uma canção que aborda esse fenómeno comum a todos e que nos assalta frequentes vezes: a saudade.

Também a estética que David escolheu para o vídeo reforça a intensidade da canção – dois planos fixos, o ecrã dividido e uma iluminação dura e directa remetem o espectador para a complexidade emocional que a saudade sempre impõe. Para este momento visual recorreu uma equipa pequena constituída por si na realização, por Ricardo Magalhães na direcção de fotografia e Sandra Pinto no make-up num set em que a exiguidade impera.

A publicação de "Deixa Ser" acontece num momento em que David Fonseca se encontra na estrada a apresentar "Futuro Eu".

12 MAR / Cine Teatro Caracas / Oliveira de Azeméis / 21H30
18 MAR / Centro Cultural Olga Cadaval / Sintra / 22H00
19 MAR / Teatro Municipal / Guarda / 21H30
24 MAR / Auditório Municipal / Olhão / 21H30


SHAWN MENDES

Digressão de Shawn Mendes esgota em minutos.

Cantor atua na Sala Tejo da MEO Arena a 8 de maio.

A lista de concertos de Shawn Mendes esgotados continua a crescer. Depois do single "Stitches" ter chegado ao topo das tabelas de vendas um pouco por todo o mundo, Shawn anunciou a sua primeira digressão mundial, um total de 39 datas entre Estados Unidos, Canadá e Europa. Todos os bilhetes disponíveis para os fãs em pré-venda esgotaram-se em menos de um minuto e os restantes voaram pouco depois de terem sido colocados à venda. A digressão mundial de Shawn Mendes arranca no Radio City Music Hall, em Nova Iorque, seguindo depois para a Europa, estreando-se em Portugal, com um concerto esgotado na Sala Tejo da MEO Arena, em Lisboa.

O single "Stitches" já alcançou o top oficial de singles britânico, além do top de iTunes, a tabela de airplay na rádio e o top diário do Spotify. No último mês Shawn Mendes atuou nos People’s Choice Awards, levando para casa o troféu de Artista Revelação. O cantor também já foi nomeado pela "Forbes" uma das 30 personalidades com menos de 30 anos mais prestigiadas, e eleito pela revista "Time", pelo segundo ano consecutivo, um dos adolescentes mais influentes do ano, além de ter sido nomeado na categoria de Artista do Ano pelos Juno Awards, os mais importantes prémios da indústria discográfica do seu país natal.

Shawn Mendes foi descoberto depois de colocar uma série de vídeos online. Mendes acabou por assinar um contrato discográfico com a Island Records, nos Estados Unidos, e rapidamente se tornou num dos mais bem-sucedidos novos artistas da América do Norte. O cantor também já atuou nalguns dos mais populares programas televisivos dos EUA, incluindo o "The Tonight Show with Jimmy Fallon", além de ter alcançado o top 5 da tabela Billboard Hot 100 e o 1.º lugar de airplay de canções pop. 

Em Portugal, o seu álbum de estreia, "Handwritten", entrou no top 5 de vendas e alcançou o top 5 no Spotify, iTunes e MEO Music.


DIOGO PIÇARRA

Anuncia concerto no Theatro Circo em Braga dia 12 de março

Lisboa - CCB - 10 de Março | Porto - Casa da Música - 13 de Março

Diogo Piçarra tem marcado para o próximo mês de março a comemoração de um ano de sucesso, após a edição do seu álbum de estreia "Espelho". Às salas já anunciadas - o Grande Auditório do CCB, em Lisboa, dia 10 e a Sala Suggia da Casa da Música, no Porto, no dia 13 – junta-se agora o concerto no igualmente emblemático Theatro Circo de Braga, a 12 de março. 

Bilhetes à venda aqui.

Antes disso, ainda este mês, Diogo Piçarra irá apresentar o livro "Diogo Piçarra em Pessoa", um projeto criativo de descoberta, reinvenção e reconstrução da obra de Fernando Pessoa e seus heterónimos, da autoria do músico. As apresentações serão feitas dias 17 de fevereiro em Braga, às 14h30 no Auditório do Parque de Exposições de Braga, dia 18 em Lisboa, às 11h30 no Auditório da Escola Secundária Eça de Queiroz nos Olivais e dia 19, em Faro, às 14h30, no Teatro das Figuras. 

Mais informações em: www.facebook.com/diogopicarraempessoa.


SILVIA PÉREZ CRUZ


A cantora passa por Lisboa e Braga a 30 e 31 de Março

"Domus" é o nome do mais recente trabalho da catalã Silvia Pérez Cruz, que hoje chega às lojas e plataformas digitais.

O novo álbum nasce da banda sonora de "Cerca de Tu Casa", o filme do realizador Eduard Cortés que a própria protagonizou. O tema central da película, os despejos, um dos mais importantes dramas da sociedade contemporânea, acabaram por dar uma nova vida às canções de Silvia.

Silvia Pérez Cruz já trabalhou em música para diversos filmes e peças de teatro, para além de ter ganho 10 Prémios Goya em 2013, incluíndo Melhor Canção Original.

A cantora vai ser recebida na Gulbenkian, em Lisboa, a 30 de Março, e no Theatro Circo, em Braga, no dia seguinte, para dois concertos que celebram "11 de Novembre", o seu álbum de estreia de 2012, editado em Portugal com a participação especial de António Zambujo. A fusão entre a música tradicional da Galiza e da Catalunha, e uma visão própria do flamenco, do jazz e dos sons sul-americanos valeram-lhe a aclamação do público e da crítica. "Granada", em 2014, foi o disco sucessor, assinado em duo com Raul Fernández Miró.

Silvia, que em Portugal já actuou também com Cuca Roseta e Julio Resende, é dona de "uma poderosíssima voz", segundo o El País, "afinada e lindíssima", diz, do outro lado do Atlântico, o Diário de São Paulo.
0

Entretenimento: CD Deolinda - Outras Histórias



Trata-se do quarto álbum de originais dos Deolinda e chama-se "Outras histórias", um álbum que veio re-afirmar o papel que o grupo tem no panorama nacional e que é lançado numa altura importante (10 anos de carreira). 

É um álbum dos Deolinda, mas que encerra grandes participações, como é o caso de Manel Cruz, dos Ornatos Violeta que aparece a fazer um dueto com Ana Bacalhau em "Desavindos". Também conta com a participação de Riot (Buraka Som Sistema), na música "A velha e o DJ".


Não preciso de ser eu a falar-vos da qualidade do álbum, basta verem que este entrou directamente para o Nº1 do "iTunes" e tem já digressão marcada com 25 concertos agendados!
É interessante que como CD é, a meu ver, um re-encontrar dos Deolinda, uma vez que não se afasta do estilos que lhes é próprio, ao mesmo tempo que se afasta explorando outros caminhos não antes trilhados. Confusos? A verdade é que algumas músicas são diferentes do habitual, no entanto, assim que a música começa, facilmente conseguimos perceber que está música só pode ser dos Deolinda. A identidade musical está lá.. muda apenas um pouco a roupagem. 

E depois claro, temos a voz inconfundível de Ana Bacalhau que, no entanto, se apresenta neste álbum mais madura. 


A crítica mas, sobretudo, a ironia e os inúmeros retratos societais que traçam também estão presentes nas músicas.


Um album para ouvir e ouvir e ouvir... e prometo que as músicas não vos vão sair da cabeça :)

As 3 palavras que melhor descrevem este álbum são:
Alegre
Jovial
Inteligente

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

0

Unboxing + Review: My Own Portugal - Box Castelos e Muralhas do Mondego (Janeiro 2016)




Box Castelos e Muralhas do Mondego


Da Serra da Lousã às salinas da Figueira da Foz, esta Box vai lhe dar vontade não só de conquistar Castelos, mas sim o mundo, com sabores bem portugueses que lhe vão dar a energia suficiente para manter todas as suas boas resoluções de Ano Novo! Enfim quase todas… porque a dieta essa só começa Segunda-Feira. Desfrute aqui - http://www.myownportugal.com/box-castelos-e-muralhas-mondego/



O POSTAL

Nunca dá para se ficar indiferente às ilustrações das Box's da My Own Portugal. Criadas pelo ilustrador Jorge Morgado, este em específico representa muito bem o tema das Muralhas do Mondego e, como sempre, é linda de morrer.

O ROTEIRO

E graças ao roteiro vão poder ficar a conhecer melhor a zona e visitar alguns tesouros bem escondidos. Nem nos passa pela cabeça que algumas destas zonas ligadas à muralha e as castelos, estão tão à vista de todos nós, como é o caso da Torre de Almedina em Coimbra ou o castelo de Pombal. 

Crackers de Queijo Rabaçal



Opinião: Nem sei o que dizer sobre estas bolachas. Estão a ver aquelas batatas fritas viciantes que, simplesmente, não conseguimos parar de comer? Pois, foi mesmo isto que senti com estas bolachas. O seu sabor a queijo é inconfundível, por isso se não apreciarem o sabor, não apreciarão estas bolachas, mas eu fiquei absolutamente viciada (e se virem o video do unboxing vão compreender). Como é que uma pessoa se consegue controlar para não acabar o pacote? São muito estaladiças e o sabor a queijo... meu Deus! Estou a imaginar-me no verão a ver os jogos olímpicos ou um jogo de futebol acompanhada dos meus amigos e familiares, uns queijinhos, os crackers, uma cerveja ou um copo de vinho e, para quem ainda come carne, uns enchidos ou umas fatias de presunto... ou, quem sabe, umas bebidas com Licor Beirão.

A empresa: Criada em 2010, a Amor de Biscoito é um sonho tornado realidade. Nasce em Ansião, com o desígnio de oferecer ao mercado produtos diferenciados. Mais do que uma fábrica é um berço de sabores sublimes. Os produtos de Amor de Biscoito são confecionados a pensar naqueles que apreciam o verdadeiro sabor caseiro das receitas tradicionais. O “segredo” da avó, a seleção cuidada dos ingredientes e muito carinho à mstura, despertam genuínos momentos de prazer a quem os saboreia.


Colecção de Ímanes


Opinião: Estes ímans têm um estilo bem vintage e de certo que farão uma excelente decoração em qualquer cozinha. Excelentes para aquelas pessoas que os coleccionam, que os gostam de ter nas cozinhas ou que simplesmente gostam de dar um cunho pessoal a um lugar. 

Livro de Receitas



Opinião: Acabou! Agora não faço mais figuras tristes quando alguém vai lá a casa e não sei que lhes dar para beber. Agora estou munida. Com este livrinho de receitas super prático vou meter toda a gente de boca aberta. Ai Verão quando chegas? Este livrinho, para além de toda a diversidade de receitas que são, literalmente, feitas para todos os gostos, ainda é super prático porque tem um tamanho muito portátil, uma argola que permite o fácil manuseamento e a possibilidade de deixar em qualquer lado, e ainda tem as "folhas" feitas num material plastificado, o que permite que a pessoa vá fazendo as bebidas e vá espreitando os ingredientes e o modo de preparação. Excelente! 

Chocolates com Licor Beirão



Opinião: Muita gente é fã de licor beirão. E agora, para os fãs do licor e de chocolates, a marca criou estas especialidades, prontas para serem comidas a qualquer altura do dia para nos tirar aquela vontade de algo de doce e especial. Vá, renda-se ao pecado, e comece a dieta só segunda! Ora leiam em baixo a história da empresa que é deveras interessante

A empresa
O Licor Beirão nasceu num mundo mágico e misterioso, de sentimentos doces e fórmulas secretas, que continuam a fascinar gerações, século após século. A empresa J. Carranca Redondo, Lda, produtora do Licor Beirão, nasceu em 1940, mas a história deste licor é bastante mais velha. Ainda sem o apelido de Beirão, o licor já se fabricava, na vila da Lousã, numa farmácia, há mais de um século. Mas a história conta-se assim: em finais do século XIX, um caixeiro-viajante de vinhos do Porto, de passagem pela Lousã, apaixonou-se pela filha de um farmacêutico, acabando o namoro em casamento.
Na farmácia, para além dos medicamentos habituais, eram comercializados “licores naturais” segundo fórmulas antigas mantidas em segredo. Entretanto entra em vigor uma lei que proíbe a atribuição de propriedades medicinais às bebidas alcoólicas. Aproveitando a oportunidade, o jovem vindo do norte leva a cabo a autonomização da produção dos néctares, pelos mesmos processos artesanais, numa pequena fabriqueta.
Mas o nome do Licor Beirão não aparece por acaso. Em 1929 realizou-se um Congresso Beirão em Castelo Branco e o licor foi assim baptizado em homenagem ao encontro. São as dificuldades trazidas pela 2ª Guerra Mundial que fazem com que a fábrica seja vendida, em 1940, a um jovem, natural da Lousã, José Carranca Redondo que ali trabalhou durante algum tempo. Com pouco mais de vinte anos e entretanto casado, decide investir as suas poupanças comprando a casa e o segredo, dedicando-se de corpo e alma ao licor que passou a ser fabricado pela mulher. Desde então as vendas não pararam de crescer, tornando-se, na actualidade, num licor de grande sucesso.


Site: http://www.licorbeirao.com/pt/idade-legal/?redirectUrl=/pt/

Flor de Sal

Opinião: Quando soube que o roteiro tinha a Figueira da Foz pensei logo - SAL, pois claro, o sal! A Flor de Sal é um verdadeiro tesouro, e há quem defenda que se deva utilizar este em vez do sal "normal".  Aliás, se pudessem substituir o sal que usamos pela flor de sal, teríamos pratos muito mais saudáveis. Para além do mais, podemos utilizar menos quantidade de flor de sal e teremos o mesmo sabor e uma duração mais prolongada. A flor de sal também não passa pelos típicos processos de industrialização que lhes retiram nutrientes essenciais. Por tudo isto, e correndo o risco de me tornar chata, fiquei muito feliz por ver este produto na box deste mês. 

A empresa
Casa do Sal é um projecto que pretende contribuir para a revitalização da Salinicultura da Figueira da Foz. Vemos as Salinas como um espaço muito diverso. O sal, a flora, a fauna, a paisagem, a cultura, são os elementos que, conjugados, nos permitem criar novos produtos: alimentares e de lazer. Assim, a Câmara Municipal da Figueira da Foz reconheceu publicamente, em Julho de 2005, o trabalho de inovação da Salina Eiras Largas.
A Casa do Sal permite a visita as salinas onde pretendemos que fique a conhecer o ciclo da água, desde o mar até aos talhos onde criataliza o Sal e a Flor de Sal. Também gostamos que conheça a nossa permacultura, onde temos salicórnia, sarcocórnia, gramata, celgas bravas, etc. Tudo plantas comestíveis que também poderá degustar nas visitas.

Site: http://www.casadosal.pt/

Mel de Urze



Opinião: Sou daquelas pessoas que, em pequenas, odiava mel. Só o cheiro me metia impressão. Agora não sei viver sem ele e substituo muitas vezes o açúcar por mel. Por vezes até tenho vontade de o espalmar no pão. Mas são as suas propriedades benéficas que mais me chama à atenção. De facto, o mel de urze tem uma forte acção anti-inflamatória e antioxidante e previne o envelhecimento e as doenças degenerativas. A consistência é mais densa que o mel tradicional, daí também a sua cor mais escura. O sabor também é mais forte, mas o que gosto mais é o travo mais acidulado e bem menos enjoativo que caracteriza o mel tradicional. 


A empresa
A Apimel é uma empresa familiar, fundada por Fernando Ventura em 1981, na Lousã. A apicultura contava já com uma tradição de várias gerações na família quando em inícios dos anos 70 o seu fundador, decide dar os primeiros passos no sentido da profissionalização. As poucas colmeias que inicialmente constituíam um hobby foram-se multiplicando e a sua profunda paixão pela cultura e geografia da região montanhosa do centro do país. 30 anos volvidos desde a sua origem a Apimel conserva a matriz familiar numa colaboração que reúne o fundador e os seus dois filhos, assumindo-se como o maior produtor de mel da Serra da Lousã, seu principal produto e imagem de marca.
A Apimel tem apesar disso, desde a sua origem, sabido diversificar a sua oferta tirando partido das características florais da região, mantendo colheitas variadas de mel que representam as principais tipologias da Região das Beiras.


Sitehttp://www.apimel.pt/
Crachá

Livro D. Sesnando Davides – O Herói Improvável

Opinião: O crachá é mesmo fofinho, mas o livro está fantástico. De forma simples e bonita (as imagens são mesmo giras) conhecemos uma personagem portuguesa da qual nunca tinha ouvido falar (tirando no site da My Own Portugal). Não vos quero contar a história, mas quero deixar-vos um presente aí em baixo. Vejam o vídeo e descubram mais sobre este herói improvável. 


A empresa
A Rede dos Castelos e Muralhas do Mondego procura dignificar o que foi a Linha Defensiva do Mondego e criar a partir do património histórico e cultural um produto turístico de excelência. Hoje, doze parceiros sentam-se à mesma mesa para defender a Herança legada por D. Sesnando: Direção Regional de Cultura do Centro• Entidade Regional de Turismo do Centro de Portugal
• Instituto Pedro Nunes
• Municípios de Coimbra, da Figueira da Foz, da Lousã, de Miranda do Corvo, de Montemor-o-Velho, de Penela, de Pombal e de Soure
• Universidade de Coimbra
• Juntos, dão vida à Agência para o Desenvolvimento dos Castelos e Muralhas Medievais do Mondego.
A campanha que agora empreendemos é longa e desafiante. Todos somos convidados a recuperar a nossa história! Parta à reconquista connosco!


Site: http://www.castelosemuralhasdomondego.pt/website/index.php

Ocorreu um erro neste dispositivo

1%

1%