Envie esta página a um amigo!

quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

0

TOP 5 CD'S de 2014


Esta foi para mim uma escolha MUITO difícil... nem imaginam a quantidade de outros CD'S fantásticos ouvi este ano, e gostava mesmo de os ter incluído... fiquem aqui com o meu sofrido  TOP 5!





72ª Entrevista FLAMES: Nice Weather for Ducks - No Fusing Culture Experience 2014 - http://flamesmr.blogspot.pt/2014/08/72-entrevista-flames-nice-weather-for.html

69ª Entrevista FLAMES: First Breath After Coma - No Festival Fusing Culture Experience 2014 - http://flamesmr.blogspot.pt/2014/08/69-entrevista-flames-first-breath-after.html

Evento: Leiria Calling em Coimbra dias 8 e 9 de Agosto de 2014 - http://flamesmr.blogspot.pt/2014/08/evento-leiria-calling-em-coimbra-dias-8.html 



Entretenimento: FRANKIE CHAVEZ - "HEART and SPINE" - http://flamesmr.blogspot.pt/2014/04/entretenimentoeventosespectaculos.html

Evento: Showcase Fnac + 47ª Entrevista: Frankie Chavez (músico português) - http://flamesmr.blogspot.pt/2014/05/eventos-showcase-fanc-47-entrevista.html




87ª Entrevista do FLAMES: the LOYD (banda rock portuguesa) - respostas dadas pelo vocalista Jou Maia -
http://flamesmr.blogspot.pt/2014/10/87-entrevista-do-flames-loyd-banda-rock.html

0

Entretenimento: ANTÓNIO ZAMBUJO; HOZIER; EXPENSIVE SOUL; SKILLS & THE BUNNY CREW; DAVID FONSECA; IMAGINE DRAGONS; MADONNA


Novidades no Mundo da Música

ANTÓNIO ZAMBUJO - Em dose dupla no Coliseu de Lisboa - António Zambujo prova que afinal deve voltar-se onde se foi feliz, não uma mas muitas vezes: ao primeiro concerto anunciado para o Coliseu dos Recreios (Lisboa), que terá lugar a 19 Fevereiro de 2015, junta-se uma segunda actuação, no dia seguinte, rumando depois a Norte, para uma terceira apresentação no Coliseu do Porto, a 21 de Fevereiro. O mote para estes concertos nos Coliseus é o recém-editado 6º álbum de originais, "Rua da Emenda", verdadeira avenida do mundo onde coabitam as sonoridades do Brasil, França, Uruguai e do continente africano trazidas, para a dimensão portuguesa. Os bilhetes já se encontram à venda. Pica do 7, o primeiro single, é o reencontro entre Zambujo e um dos seus mais antigos parceiros, Miguel Araújo. Juntos, desenham o cenário do eléctrico e romantizam a típica figura do revisor. Outros são os colaboradores habituais que marcam presença em Rua da Emenda, – de João Monge a Maria do Rosário Pedreira, de José Eduardo Agualusa a Pedro da Silva Martins, entre outros – uma festa onde ainda há espaço para novos encontros, como acontece com Samuel Úria e José Fialho Gouveia, para citar alguns. Nos 15 temas que completam Rua da Emenda cabem também emocionantes tributos aos talentos imortais de Noel Rosa (confirmando a paixão de António Zambujo pela música brasileira) , Serge Gainsbourg (com La Chanson de Prévert reinventada pela magia da guitarra portuguesa), Jorge Drexler (o uruguaio que já ganhou um Oscar), Rodrigo Maranhão e Pedro Luís (mais dois brasileiros da linha da frente). Ao vivo, António Zambujo enche o espaço e pára o tempo com a sua voz e guitarra, cheias de recantos e subtilezas, na companhia de músicos de excepção, dirigidos pelo seu contrabaixista e director musical, Ricardo Cruz. O publico é convidado a participar para que, a uma só voz, ecoem as emoções dos protagonistas e sentimentos universais, a que Zambujo sabe dar vida de forma ímpar, nas suas canções. Locais de Venda: Coliseu de Lisboa | Coliseu do Porto | FNAC | Ticketline | BilheteiraOnline | El Corte Inglés | Balcões dos CTT | Agência ABEP | Agência Abreu | Worten | Dolce Vita


"Rua da Emenda" já é disco de ouro - O novo disco de António Zambujo atingiu já o galardão de disco de ouro. O novo disco de António Zambujo foi antecedido pelo single "Pica do 7", reencontro do músico e um dos seus mais antigos parceiros, Miguel Araújo. "Rua da Emenda" dispensa os condicionamentos de trânsito, porque, guiados pelo sinaleiro que canta, todos têm lugar. Não há sequer problemas de estacionamento: aos lugares reservados para os colaboradores habituais - de João Monge a Maria do Rosário Pedreira, de Ricardo Cruz a José Eduardo Agualusa, entre outros - juntam-se espaços novos e amplos para quem chega e é recebido em festa - Samuel Úria, José Fialho Gouveia, para citar alguns - como acontece sempre que a voz de António Zambujo é o destino. Nos 15 temas que completam "Rua da Emenda" cabem também emocionantes tributos aos talentos imortais de Noel Rosa (confirmando a paixão de António Zambujo pela música brasileira), Serge Gainsbourg (com "La Chanson de Prévert" reinventada pela magia da guitarra portuguesa), Jorge Drexler (o uruguaio que já ganhou um Oscar), Rodrigo Maranhão e Pedro Luís (mais dois brasileiros da linha da frente). Ao vivo, António Zambujo enche o espaço e pára o tempo com a sua voz e guitarra, cheias de recantos e subtilezas, na companhia de músicos de exceção, dirigidos pelo seu contrabaixista e diretor musical, Ricardo Cruz. 

HOZIER "Take me to Church" é a canção mais viral de 2014 para o Spotify - Videoclip tem mais de 40 milhões de visualizações no YouTube. "Take me to Church", do irlandês Hozier, foi a canção mais partilhada do ano pelos utilizadores da plataforma Spotify, revelou o serviço de ‘streaming’. O tema, que integra o homónimo álbum de estreia do músico, foi escutado mais de 87 milhões de vezes no Spotify, marca que confere a Hozier o estatuto de maior revelação de 2014. O single em questão está também no n.º 1 da tabela mundial do serviço Shazam e o seu teledisco superou já a marca das 40 milhões de visualizações no YouTube. A revista Clash comparou-o a Jeff Buckley. O Sunday Times definiu-o como um poderoso intérprete e compositor. Hozier, músico irlandês de 24 anos, estreou-se em Março de 2014, com o EP "From Eden", o qual lhe abriu as portas para o Reino Unido. O homónimo álbum de estreia, esse, surgiu, em setembro. O disco inclui o tema "Take Me To The Church", o qual tem levado o nome Hozier a todo o mundo. O ano de 2014 foi recheado de feitos para o irlandês: este mês, por exemplo, foi nomeado para um prémio Grammy, na categoria de canção do ano, e o seu álbum de estreia chegou ao segundo lugar na tabela norte-americana da Billboard, ao quinto posto no Reino Unido, e está há semanas consecutivas no número um das vendas no seu país natal. Hozier atuou este verão em festivais importantes como o Glastonbury, Latitude ou Longitude. O músico tem agora duas datas marcadas em janeiro para o mítico Shepherds Bush Empire, em Londres, pouco mais de um ano volvido sobre atuações para cem pessoas na mesma cidade, no Troubador. As músicas de Hozier são intemporais mas contemporâneas na forma como juntam o melhor de uma voz rica e crua a influências instrumentais próximas do blues e de alguma soul. Tão íntimas quanto vastas e para grandes audiências, são canções que começaram por ser elogiadas em blogues de referência até chegarem às rádios e televisões. É impossível comparar Hozier a um qualquer nome do presente – comparações, a existirem, só podem ser feitas com os vultos maiores do passado.

Vejam o vídeo clicando AQUI


EXPENSIVE SOUL pela primeira vez ao vivo nos Coliseus Lisboa 18 Abril | Porto 2 Maio
Desde 1999, diz o logotipo e a história dos Expensive Soul. Estamos em 2014 a caminho de 2015 e, fazendo as contas, já são mais de 15 anos de carreira. Tempo em que o duo de Leça da Palmeira soube pacientemente lançar os alicerces e cimentar uma carreira irrepreensível traduzida em centenas de concertos e no DVD “Symphonic Experience”. Pacientemente, porque não se iludiu com o sucesso retumbante de canções como “Eu Não Sei”, “Brilho”, “13 Mulheres”, “O Amor É Mágico” ou as mais recentes “Cupido” e “Que Saudade”. Os Expensive Soul preferiram manter os pés bem assentes na terra antes de anunciarem que é, finalmente, em 2015 que vão atuar nos Coliseus. Dia 18 de Abril em Lisboa e 2 de Maio no Porto. E se há anos que Demo e New Max levam para a estrada espetáculos do mais alto nível, com pelo menos 12 músicos em palco e cenografias simples mas eficazes, 6 meses é o que vão investir na conceção e produção dos concertos dos Coliseus. Já não surpreende. Tempo é algo que os Expensive Soul prezam e que têm agora, passada a azáfama do lançamento do 4º álbum, “Sonhador”. Porque o que está a ser preparado vai, mais uma vez, encher a alma. A deles e a nossa.
Preços dos Bilhetes: de 20€ a 27,50€
Bilhetes à venda:
Coliseu de Lisboa os bilhetes estão à venda na www.bilheteiraonline.pt e locais habituais
Coliseu do Porto os bilhetes estão à venda em www.ticketline.sapo.pt e locais habituais


SKILLS and THE BUNNY CREW APRESENTAM NOVO VÍDEO 
Depois de um verão intenso com a tour do lançamento do primeiro álbum da banda Musa de Guerra, os Skills and The Bunny Crew avançam agora com a apresentação do novo vídeo que vem dar vida à Luz do Poeta.

https://www.youtube.com/watch?v=YYWxlbbw68M 

Umas imagens de arquivo de miúdos a andar de skate e longboard fizeram o click, é um bom ponto de partida para outra ideia, pensaram. Meses depois tornou-se claro, o imaginário do mundo do skate é algo dissociado da imagem dos Skills and The Bunny Crew, era a surpresa perfeita para todos os que acompanham a banda, um cartão de visita cheio de força, daquela que só a juventude tem, e de sentimento para os que ainda estão para a conhecer. Com estas imagens simples e carregadas de memórias procuraram fazer jus à poesia da música e, com estas caras desconhecidas e distantes das quais não sabem a história, convidam todos os que vejam o clip a imaginar-se ali, naqueles túneis, estradas e parques, uma viagem de liberdade sob os acordes da Luz do Poeta. Afinal de contas, a cada um a sua musa - a bela rapariga loira que cai no skate em câmara lenta ou o rapaz que abre a viseira do seu capacete numa descida para sentir o ar que corre contra ele. No fim da viagem, cada um sai do túnel com aqueles miúdos, com uma história diferente para contar, fica o desafio: soltem as amarras e juntem-se a eles. O álbum Musa de Guerra tem 10 temas que ilustram um trabalho maturado ao longo dos últimos 6 anos. É um disco feito de muitas cores, de equilíbrios e desequilíbrios, que procura trazer a si a energia que caracteriza a banda em palco. Para quem ouve, este trabalho é um convite à viagem por diferentes emoções ao longo dos temas que o compõem. Luz do Poeta é a faixa 9 do disco que está disponível em todas as plataformas digitais e à venda online em http://www.elburro.pt/ .


DAVID FONSECA Sings "Oh Xmas Tree" CD exclusivo de clube de fãs com Luísa Sobral, Nirvana e NIN - Os últimos dias de David Fonseca bem que poderão ser resumidos a algo como "Em busca do pinheiro de Natal" tal foi a azáfama para a produção do vídeo de Natal que anualmente divulga nas redes sociais. O tema escolhido para este ano foi "Oh Christmas Tree" e o resultado é absolutamente surpreendente - David Fonseca parte em busca do pinheiro de Natal literalmente vestido de … pinheiro de Natal! Talvez a mais divertida abordagem feita a este período do ano por David, isto depois de no passado ter versionado temas como "Last Christmas", "Little Drummer Boy", "Do They Know It’S Christmas?", "Merry Xmas (War Is Over)", "Amazing Grace" ou "Oh Come All Ye Faithfull". Também a propósito das festividades, David Fonseca produziu para o Amazing Cats Club o CD "Christmas 2014" que inclui registos inéditos ao vivo. Este ano, o destaque conta é dado à colaboração de Luísa Sobral que surge em dois temas - "It Shall Pass" e "Not There Yet", um tema do primeiro álbum da compositora. Momentos captados quando da passagem da "Seasons Tour" pelos Coliseus em Março de 2013. O tema "What Life Is For" surge em formato acústico, numa dimensão bem distinta da original, havendo ainda espaço para duas versões - "Hurt", original de Trent Reznor imortalizado por Johnny Cash; e "Lithium", dos Nirvana que chegou ao palco dos Coliseus por escolha do público numa votação ocorrida à epoca via facebook. Este é o presente anual que David Fonseca distribui aos membros do Amazing Cats Club, a comunidade online criada em 2009 que permite o acesso a conteúdos exclusivos, descontos e concertos especiais. Toda a informação no site oficial.

IMAGINE DRAGONS NOVO ÁLBUM "SMOKE + MIRRORS" EDITADO A 16 FEVEREIRO - Pré-venda do disco já está activa no iTunes com o single "I Bet My Life" e a nova faixa "Gold" Os Imagine Dragons prometem abalar 2015 com seu novo disco "Smoke + Mirrors", cuja data de saída já está marcada para dia 16 de Fevereiro. O novo disco terá 13 faixas na sua edição standard, estando também disponível numa versão deluxe que, para além de 4 temas extra, inclui um cover art exclusivo. A edição deluxe traz um booklet especial e ainda uma gravura para cada tema do disco, desenhadas pelo artista Tim Cantor. A pré-venda do disco já está disponível no iTunes, através deste link. Na compra da versão deluxe, os fãs recebem imediatamente as faixas "Gold", "I Bet My Life" e "Warriors". "Smoke + Mirrors" foi gravado no estúdio caseiro dos Imagine Dragons e é, segundo os próprios, um disco influenciado pela vida que a banda teve na estrada. Dan Reynolds, Wayne Sermon, Ben McKee e Daniel Platzman lançaram em Novembro o primeiro tema deste novo trabalho, "I Bet My Life". O vídeo, que já pode ser visto online, foi realizado pelo canadiano Jodeb e conta com a participação do actor Dane DeHaan, conhecido por integrar os novos filmes do Homem-Aranha. Vencedores do Grammy de "Melhor Canção Rock", "Melhor Grupo" e "Melhor Performance Rock", os Imagine Dragons passaram pelo nosso país na última edição do NOS Alive, já depois de terem esgotado o Coliseu dos Recreios em nome próprio. O disco de estreia "Night Visions" foi disco de ouro em Portugal e desvendou uma série de singles de sucesso como "Radioactive", "Top Of The World", que tornaram a banda num verdadeiro fenómeno global vendendo mais de 4 milhões de cópias.

MADONNA - De surpresa, Madonna regressa ao topo das tabelas com "Rebel Heart" Madonna está desde o fim de semana no número 1 do iTunes em Portugal e noutros 43 países. O álbum "Rebel Heart" será lançado em Março de 2015 através da Interscope Records, mas a cantora lançou uma pré venda com 6 canções – Living for Love, Devil Pray, Ghosttown, Unapologetic Bitch, Illuminati e Bitch, I’m Madonna (com Nicki Minaj) – e todas elas estão no Top 10 do iTunes em Portugal. "Prefiro que os fãs ouçam as versões completas em vez das demos que estavam ainda em progresso e que têm circulado pela internet. Considerem estas seis canções como um presente de Natal antecipado!", comentou a artista. O primeiro single, Living for Love, está agora a chegar às rádios e aos serviços de streaming. Gravado em Londres, Los Angeles e Nova Iorque, o álbum conta com a produção de Diplo, Kanye West, Billboard, DJ Dahi e Blood Diamonds. "Rebel Heart" está previsto para 9 de Março.

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

0

Anime: Bakuman (Série 1, 2 & 3)




Nº de Séries: 3
Escrito por: Tsugumi Ohba
Desenhado por: Takeshi Obata
Nº de episódios: Cada série (são 3) é constituído por 25 episódios.

Imaginem que uma das vossas séries favoritas é uma série de terror. Imaginaram? Ok. Agora, imaginem que os criadores dessa fantástica série que vos arrepia tanto e vos agrada tanto, decidiam fazer uma série cómica e romântica. Pois é, foi um pouco o que aconteceu aqui. 
Os criadores do meu anime favorito Death Note (vejam a opinião aqui) decidiram fazer este anime que, adesar de me ter deliciado, não conseguiu ser tão genial como Death Note. 
Obviamente que as duas séries não têm comparação possível. São dois estilos totalmente distintos. 

Neste anime seguimos cerca de 10 anos das personagens principais: Moritaka Mashiro e Akito Takagi. Ambos se encontram no 9º ano e Mashiro não faz qualquer ideia do que quer fazer no futuro. Por sua vez, Takagi tem o sonho de se tornar num escritor de mangas. O problema é que não sabe desenhar, e precisa de alguém com muito jeito. Assim, um dia por acaso, descobre que Mashiro desenha de forma exemplar e propõe-lhe juntarem-se e formarem uma dupla de mangakás*! E assim, vamos acompanhando a vida destas duas personagens enquanto crescem, erram e aprendem. Uma história incrível, onde nos conseguimos ligar com todas as personagens. Estas são bastantes reais, e durante todas as séries damos por nós a odiá-las e a amá-las. A minha personagem favorita, por exemplo, foi uma personagem que odiei durante cerca de 3 ou 4 episódios, sendo que depois passou a inspirar-me e a ser a personagem com quem mais me consegui ligar: Niizuma Eiji.

Um Anime para verdadeiros amantes de Animes e Mangas, em que os autores nos apresentam situações caricatas, assuntos mais sérios que nos fazem reflectir, um rol de personagens apaixonantes e uma série de referência a grandes mangas e animes conhecidos pelo público.

Site oficial: http://www9.nhk.or.jp/anime/bakuman/

*mangakás = desenhadores de mangas

Roberta Frontini

domingo, 28 de dezembro de 2014

0

Deixava de dormir por... : novidades do mês de Novembro


O mês de Novembro já lá vai há algum tempo mas contemplar as obras que viram a luz do dia nessa altura nunca é demais. Aqui fica a lista dos livros que, por certo, nos tirariam o sono:



"A jornalista Marisa Moura mergulhou em textos de pensadores portugueses e estrangeiros de hoje e de outros tempos, analisou estatísticas, estudou comportamentos e questionou especialistas 4eypara tentar encontrar uma resposta para esta incómoda pergunta. O que é que os portugueses têm na cabeça? Haverá características comuns a todos nós, habitantes deste país com nove séculos de história, recordista no consumo de antidepressivos? (...) Marisa Moura fala-nos, num tom bem-humorado e acutilante, de todas estas características, reunindo exemplos concretos da nossa história passada e presente, numa tentativa de organizar ideias e ilustrar a nossa (in)consciência coletiva."



"Guardo as minhas cartas numa caixa de chapéu verde-azulada que a minha mãe me trouxe de uma
loja de antiguidades da Baixa. Não são cartas de amor que alguém me enviou. Não tenho dessas. São cartas que eu escrevi. Há uma por cada rapaz que amei ? cinco, ao todo. Quando escrevo, não escondo nada. Escrevo como se ele nunca a fosse ler. Porque na verdade não vai. Exponho nessa carta todos os meus pensamentos secretos, todas as observações cautelosas, tudo o que guardei dentro de mim. Quando acabo de a escrever, fecho-a, endereço-a e depois guardo-a na minha caixa de chapéu verde-azulada. Não são cartas de amor no sentido estrito da palavra. As minhas cartas são para quando já não quero estar apaixonada. São para despedidas. Porque, depois de escrever a minha carta, já não sou consumida por esse amor devorador. Se o amor é como uma possessão, talvez as minhas cartas sejam o meu exorcismo. As minhas cartas libertam-me. Ou pelo menos era para isso que deveriam servir."


 
"Em Janeiro de 2014, dois homens tiveram uma ideia: um programa de televisão. Nascia o «28 Minutos e 7 Segundos de Vida». Uma conversa entre Manuel Forjaz e José Alberto Carvalho sobre a vida. A nossa. A dos outros. A do nosso país. Ao longo de dez semanas ouvimos falar de assuntos tão diversos como economia, religião, prazer, morte. Não foram os temas escolhidos que convenceram quem assistiu aos programas, mas a sim a forma inquietante como os dois homens discutiam as temáticas e a mensagem que sempre conseguiam transmitir: obrigar-nos e ensinar-nos a pensar. De uma ideia de dois amigos criou-se um espaço de discussão, e por isso logo luminoso, na televisão nacional e na memória de quem acompanhou estes dois homens da comunicação. 28 Minutos e 7 Segundos de Vida é um livro que faz perdurar a memória de Manuel Forjaz, cumpre um desejo e deixa-nos uma mensagem a que devemos, muitas vezes, voltar."


 
"Este é o primeiro romance biográfico de Fernando Pessoa, o poeta que foi muitos poetas. Órfão de pai aos cinco anos de idade, cedo perde a atenção da mãe quando esta volta a casar. Forçado a partir para a distante África do Sul, onde o nascimento de irmãos o isolam ainda mais, refugia-se em si mesmo e aí cria novos mundos. No fim da adolescência regressa a Lisboa, na vã tentativa de resgatar os poucos momentos da vida em que fora feliz. Aí conhece personalidades do mundo das artes e da literatura, como Almada Negreiros, Mário de Sá-Carneiro ou Adolfo Casais Monteiro. É um dos fundadores da Orpheu, uma revista artística que foi recebida com escândalo pela crítica. Correspondente comercial, inventor, tradutor, editor, publicitário e astrólogo, Fernando Pessoa procurou várias formas de ganhar a vida. E até o amor lhe bateu à porta quando conheceu Ophélia Queiroz. Fernando Pessoa, O Romance é uma obra magnífica, fruto de uma pesquisa meticulosa, e uma verdadeira homenagem ao maior poeta da língua portuguesa. Um poeta que Sónia Louro consegue dissecar, desvendando os seus segredos, medos, sonhos e, mais importante, a sua humanidade."
 
 
 
"Abigail Campano chega a casa e entra num cenário de pesadelo. Uma janela partida, uma pegada de sangue na escada e, a visão mais devastadora de todas, a sua filha adolescente morta no chão. Sobre ela está um homem com uma faca ensanguentada na mão. A luta que se segue vai mudar a vida de Abigail para sempre. Quando a polícia local comete um erro que não só ameaça a investigação mas também coloca em perigo a vida de uma jovem, o caso é entregue ao agente especial Will Trent do Georgia Bureau of Investigation. Will terá como parceira a detetive Faith Mitchell, do Departamento de Polícia de Atlanta, que logo no primeiro encontro lhe mostra que não é a sua maior fã. Sob o calor implacável do verão de Atlanta, Will e Faith percebem que só trabalhando juntos conseguirão travar o homicida brutal que tem como alvo uma das comunidades mais ricas e privilegiadas da cidade. Antes que seja tarde demais."
 
 
 
"Quando Tansy Poole herda uma sapataria decrépita escondida na aldeia de Sticklepond, nasce a Cinderella’s Slippers – que fornece calçado capaz de fazer qualquer casamento de conto de fadas
tornar-se realidade... Tendo todos os sapatos em que uma noiva gostaria de percorrer o caminho até ao altar, a loja de Tansy logo se expande para vender outros produtos relacionados com a temática… e até deliciosos sapatinhos de chocolate. É o destino de sonho para qualquer amante de sapatos! Se tudo na sua vida pessoal pudesse ser igualmente celestial - mas com um noivo a tentar fazê-la caber num vestido de noiva tamanho 36, para não mencionar a recente descoberta de revelações perturbadoras na família, Tansy refugia-se no sucesso da loja. Há porém um homem que não está entusiasmado com o fluxo de clientes que enche a Cinderella’s Slippers... O ator Ivo Hawksley, morador na casa ao lado da loja, vive atormentado por um segredo sombrio do seu passado e chegou a Sticklepond para curar o seu próprio coração destroçado. No entanto, Ivo percebe que ele e Tansy tem uma ligação no passado e, em breve, descobrem como os segredos partilhados podem formar uma ligação realmente forte..."

quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

3

Anime: Dragon Ball Z - Battle of Gods


 


Ano: 2013
Género: Acção, Humor
Realizador: Masahiro Hosoda
 
Na década de 90 praticamente ninguém escapou incólume à febre do “Dragon Ball” e do “Dragon Ball Z”. Basicamente, este foi o anime que lançou o Japão para as bocas do mundo e que conquistou fãs por todo o mundo. Foram episódios de emoção, de muita acção e também algum humor que marcaram a minha infância e adolescência. Por isso mesmo, foi com um misto de nostalgia e de emotividade que decidi ver o anime “Dragon Ball Z: Battle of Gods”, o mais recente filme desta saga.
 
A história decorre 5 anos depois da mítica batalha com o Bubu. Tudo na Terra está calmo e em paz até que o Lord Beerus, o mais forte guerreiro que o nosso universo alguma vez conheceu, desperta do seu sono de mais de 3 décadas disposto a encontrar um lutador que lhe faça frente. Em tempos, ele ouviu falar de um deus Super Guerreiro, por isso mesmo decide visitar o nosso planeta para comprovar por ele mesmo a existência de tão poderoso guerreiro. É aí que se cruza com Songoku e restantes companheiros que tudo farão para impedi-lo de destruir o nosso mundo.
 
 O primeiro pensamento que me ocorreu ao ver os primeiros minutos deste anime foi: por muito má que possa vir a ser a história, em termos gráficos está excepcional. Os tempos são outro e as tecnologias evoluíram tanto que parecia que nem estava a ver as mesmas personagens tal era a qualidade da imagem. As cenas de luta, então, foram um verdadeiro regalo para os olhos!
  
Agora relativamente à história…
Confesso que esteve muito longe dos episódios emocionantes a que “Dragon Ball Z” habituou os seus fãs no que ao entusiasmo e envolvimento do espectador diz respeito. Neste anime o humor é um dos grandes destaques, sendo que em alguns momentos me ri a bom rir e senti uma enorme nostalgia ao recordar-me das cenas caricatas a que algumas personagens nos tinham habituado. Contudo, houve situações em que acho que exageraram na vertente humorística e estupidificaram demasiado algumas partes.
Em relação à parte da acção, as famosas lutas, apenas não gostei da sua duração: foi demasiado curta, deixando um sentimento de insatisfação no final. Enquanto a luta decorria, senti-me viajar no tempo e voltei a ser a menina que me sentava todos os dias em frente à TV para acompanhar o meu herói favorito, mas, infelizmente, rapidamente esta terminou e voltei ao presente com uma sensação de saudade.
  
Em suma, “Dragon Ball Z: Battle of Gods” é um bom anime para os apaixonados pelo “Dragon Ball” que queiram rever muitas das suas personagens preferidas. Contudo, não estejam à espera da qualidade a que os episódios do anime nos habituaram. Aqui estamos a falar de uma história criada para simplesmente nos recordar do quão fantástico este anime foi e sempre será. Não importa o quanto a tecnologia evolua e quantos animes surjam, “Dragon Ball” e “Dragon Ball Z” serão para sempre uma referência para milhões de pessoas em todo o mundo, um grupo onde orgulhosamente me incluo!
 
 
Por Mariana Oliveira

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

4

Livro: Outlander - Nas Asas do Tempo - Volume 1


NOTA: Amantes de Outlander NÃO leiam este post, ou se o fizerem, não me matem no final! Obrigada!




Título: Nas Asas do Tempo Outlander - Volume 1
Autora: Diana Gabaldon
Edição/reimpressão: 2010
Páginas: 774
Editor: Casa das Letras

Sinopse - ATENÇÃO que esta sinopse dá imensos spoilers, mas a culpa não é minha! 
Claire leva uma vida dupla. Tem um marido num século e um amante noutro… Em 1945, Claire Randall, ex-enfermeira do Exército, regressa da guerra e está com o marido numa segunda lua-de-mel quando inocentemente toca num rochedo de um antigo círculo de pedras. De súbito, é transportada para o ano de 1743, para o centro de uma escaramuça entre ingleses e escoceses. Confundida com uma prostituta pelo capitão inglês Black Jack Randall, um antepassado e sósia do seu marido, é a seguir sequestrada pelo poderoso clã MacKenzie. Estes julgam-na espia ou feiticeira, mas com a sua experiência em enfermagem, Claire passa por curandeira e ganha o respeito dos guerreiros. No entanto, como corre perigo de vida a solução é tornar-se membro do clã, casando com o guerreiro Jamie Fraser, que lhe demonstra uma paixão tão avassaladora e um amor tão absoluto que Claire se sente dividida entre a fidelidade e o desejo… e entre dois homens completamente diferentes em duas vidas irreconciliáveis. Vive-se um período excepcionalmente conturbado nas Terras Altas da Escócia, que culminará com a quase extinção dos clãs na batalha de Culloden, entre ingleses e escoceses. Catapultada para um mundo de intrigas e espiões que pode pôr em risco a sua vida, uma pergunta insistente martela os pensamentos de Claire: o que fazer quando se conhece o futuro? Um misto de ficção romântica e histórica, Outlander - Nas Asas do Tempo já foi publicado em 24 países.

Opinião
Depois de tanto ouvi falar sobre Outlander e porque me disponibilizaram os 2 primeiros livros, decidi dar uma oportunidade a esta obra. Sou fã incondicional de romances históricos e os livros têm capas tão bonitas que me senti logo tentada a tê-los. Felizmente antes de os comprar decidi ler o primeiro e digo-vos que se os tivesse comprado eu teria chorado cada cêntimos que gastei, pois este foi dos piores livros que já li em toda a minha vida, e tenho tantas coisas más a dizer sobre ele, que nem sei por onde começar (e nem vou dizer metade porque não quero spoilar). 
Apesar de eu adorar romances históricos, as minhas expectativas quanto ao livro não eram grandes. Se por um lado eu via muitas pessoas a dizer bem dele, por outro torcia o nariz, pois livros com viagens no tempo não são, de todo, apreciados por mim. Por isso mesmo acho que entrei para a leitura com o espírito certo: alguma curiosidade mas algum cepticismo. 
No entanto, se inicialmente o livro apresentava algumas cenas de erotismo tolerável, a verdade é que com o decorrer da leitura me apercebi que Outlander não é um romance histórico, mas um livro sobre SEXO, com SEXO e sadomasoquismo, com um pouco de história e.. mais cenas de SEXO. Para piorar, as cenas de sexo são acompanhadas de diálogos "sem sal" (e porcos). Como pode um homem que diz tanto amar uma mulher obrigá-la a ter relações com eles apesar dos pedidos insistentes para não ter? E mais, se a rapariga diz que "não quer" e ele a obriga a ter, como pode ela no final ficar satisfeita? É só a mim que isto mete confusão? Como pode um homem que ama tanto uma mulher espancá-la só porque ele lhe tinha avisado que o faria caso ela não se comportasse como era esperado? No fundo no fundo, gostaria de saber como pode um homem violar a própria mulher que diz tanto amar. Sim, porque para mim isso aconteceu aqui!

As personagens deste livros são, ainda, atrozes. Personagens sem qualquer tipo de personalidade. A Claire é inconstante, tem um marido que ama, mas que passados pouco tempo já trai sem quase nenhum remorso. Trai com um homem que praticamente não conhece. O Jaime é um tipo sem qualquer personalidade, um sonso sadomasoquista que permaneceu virgem até ao casamento e que depois só está bem a ter relações sexuais com a mulher e a tratá-la mal (mas ama-a muito... a sério?). E que deve ter um fetiche qualquer pelo marido da Claire já que está constantemente a pedir-lhe para ela lhe falar nele.. (sem comentários). Nem vou falar do Randall!! Querem o típico cliché de um vilão? Apresento-vos o Randall. Só faltou a autora mête-lo a dar risadas cavernosas e diabólicas (e agora que penso nisso.. acho que também o fez!).

Depois, já vos falei nos diálogos durante o sexo, mas muito dos diálogos ao longo de todo o livro são atrozes e descabidos. Nunca vi uma coisa assim. Para não falar que a Claire quando desvenda que vem do futuro recebe do seu Jaime um: Ok, acredito em ti. Sem perguntas, sem espantos.. mas o que é isto? Isto tem algum realismo por acaso?

Relativamente ao enredo? Para além do sexo o que encontramos? Uma série de peripécias clichés, com desfechos previsíveis e das quais a heroina se safa sempre (oh.. quem diria) de forma estapafúrdia.

Em termos de edição do livro (que nunca influência as minhas classificações finais) tenho a dizer-vos que acho muito mal um livro que custa 20€ ter a quantidade de erros e gralhas que tem. Não há ninguém a trabalhar na editora que reveja estas coisas? Ainda para mais o livro acabou de ser re-editado. É péssimo para o comprador. 

O trabalho histórico por parte da autora está lá, sim, só é pena é que aquilo de história tenha pouco. Ah, e até me esquecia do facto da personagem principal ser enfermeira e estar constantemente a dizer que é médica. Cada macaco no seu galho! 

Este foi um livro a que dei 1 estrela no goodreads porque não se podia dar 0. E acreditem que se não quisesse contar mais spoilers, muitas mais coisas teria eu a dizer...

Roberta Frontini

domingo, 21 de dezembro de 2014

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

2

Filme: Maze Runner - Correr ou Morrer



Título Original: The Maze Runner
Ano: 2014
Género: Ficção Científica, Acção, Mistério 
Realizador: Wes Ball


 
Tive o prazer de ler a obra que inspirou este filme na altura em que foi editada e já aí pressenti que esta história tinha tudo para dar origem a um filme. Pois bem, foi preciso esperar um pouco mas o tão aguardado filme acabou por sair!
 
 
Sinopse:
A história decorre no futuro, num mundo pós-apocalíptico, tendo como pano de fundo uma clareira. A esse local todos os meses chega um novo rapaz cuja única memória que tem do seu passado é o seu nome, juntando-se, assim, ao grupo de rapazes que lá vivem. A única forma de descobrir uma saída da clareira é decifrando o gigantesco labirinto que a rodeia. Contudo, outras questões assaltam estes jovens. Quem os meteu lá e com que propósito? E porque é que existem uns monstros horríveis no interior do labirinto prontos a matá-los?
 
 
Um filme que suceda o livro tem sempre a tarefa ingrata de nos fazer apreciá-lo sem o compararmos constantemente com a obra. Pois bem, nesta caso isso para mim foi impossível. Isso porque a leitura de "Maze Runner - Correr ou Morrer" foi muito intensa para mim e, por isso mesmo, ainda tinha bem presente na minha memória os detalhes desta história.
Relativamente ao filme: penso que no geral o realizador conseguiu transmitir o essencial da história, com as inevitáveis variações para poder encaixar em 2 horas todo o conteúdo de um livro. Contudo, para mim houve um importante detalhe que deixou algo a desejar: a qualidade do elenco. A maioria dos actores (obviamente jovens) foram bastante insípidos e falharam em transmitir-me as suas emoções. Durante todo o filme não senti qualquer tipo de empatia com nenhum deles e isso acabou por tornar o filme algo aborrecido, pois já que conhecia a história ao menos tinha esperança de que os actores trouxessem um elemento novo e interessante.
Relativamente aos efeitos especiais, como seria de esperar de uma grande produção americana estes estiveram muito bons.
Concluindo, creio que este é um filme que agradará muito mais a quem nunca leu o livro do que a quem o fez pois a obra consegue estar a léguas distância em termos de qualidade.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

0

Filme: Grand Budapest Hotel (2014)



Título Original: "The Grand Budapest Hotel"
Ano: 2014
Cast:
Ralph Fiennes ... M. Gustave
F. Murray Abraham ... Mr. Moustafa
Mathieu Amalric ... Serge X.
Adrien Brody ... Dmitri
Willem Dafoe ... Jopling
Jeff Goldblum ... Deputy Kovacs
Harvey Keitel ... Ludwig
Jude Law ... Young Writer
Bill Murray ... M. Ivan
Edward Norton ... Henckels
Saoirse Ronan ... Agatha
Jason Schwartzman ... M. Jean
Léa Seydoux ... Clotilde
Tilda Swinton ... Madame D.
Tom Wilkinson ... Author

Duração: 100 min

História:
No Grand Budapest Hotel somos imersos na história de Gustave H., um empregado do famigerado hotel. Tudo se passa na época da guerra e, juntamente com um dos nomes mais importantes do Hotel, viverão aventuras inesquecíveis, cheias de adrenalina e muito humor. Durante estas aventuras, ambos se cruzarão com imensas personagens peculiares. Porque será a morte de uma velhinha tão cansativo, e um quadro algo de tão procurado?

Opinião:
Este filme foi uma enorme surpresa para mim.
Adorei-o.
Ía com elevadas expectativas e não foi capaz de me desiludir.
Com um elenco fabuloso e uma história hilariante, este filme proporcionou-me uns momentos muito bem passados.
Gostaria que todas as pessoas que queiram dar uma oportunidade a este filme, o fizessem com uma mente aberta porque este filme é sem dúvida fora do comum.
Fora do comum é, não só o enredo, como a ligação das personagens, e o próprio cenário. Posso afirmar que este foi dos filmes mais originais e bem conseguidos que vi nos últimos tempos.
Se entrarmos no filme com uma mente aberta, o riso está garantido, assim como a sensação de que queremos que o mesmo nunca mais acabe.
Um filme que aconselho sem dúvida!


Roberta Frontini

domingo, 14 de dezembro de 2014

0

Entretenimento: Novo CD comemorativo dos 20 anos de Pedro Abrunhosa e Bandemónio - Primeiras Impressões



 
Quando me chegou às mãos o CD comemorativo dos 20 anos de carreira de Pedro Abrunhosa a minha primeira reacção foi: NÃO POSSO ACREDITAR QUE JÁ PASSARAM 20 ANOS! É absolutamente inacreditável como o tempo voou, era capaz de jurar que há 2 ou 3 anos estas canções estavam a passar dia e noite na rádio, como de facto aconteceu em 1994.
O nome do álbum é "Viagens" e foi uma incrível viagem que Pedro Abrunhosa percorreu ao longo de duas décadas, passando de um ilustre desconhecido a ter o título de um dos mais conhecidos e admirados músicos portugueses.
 
Este álbum comemorativo não só está perfeito a nível estético (com imensas fotografias daquela época) como serviu para, com um misto de nostalgia e contentamento, relembrar as míticas músicas "Não posso +", "É preciso ter calma", "Socorro", "Tudo o que eu te dou" e a célebre música "Talvez Foder". Em 1994 não se ouvia outra coisa na rádio e todos os portugueses andavam com estas letras na ponta da língua.
Contudo, 20 anos são uma data realmente especial, por isso mesmo este novo álbum tem direito a um DVD! Este contém um documentário com o título "Viagens 20 anos" e os videoclipes que tanto furor fizeram na TV portuguesa da altura (sim, porque na altura não havia youtube ou coisa que se pareça!): "Não posso +", "Socorro", "Tudo o que eu te dou" e "Talvez Foder".
 
 
Agora, olhando para trás, não posso deixar de admirar Pedro Abrunhosa por tudo o que conseguiu conquistar no difícil mercado que é a música portuguesa. Começou como um excêntrico e irreverente artista para se tornar num músico respeitado e admirado pelos seus colegas de profissão e pelos portugueses que apreciam as suas letras profundas, inteligentes e perspicazes.
 
 
As 3 palavras que, para mim, fazem jus a esta celebração de uma incrível carreira são:
 
Nostálgico
Corajoso
Histórico
0

Entretenimento: CD + Meet The Vamps Live Concert - Primeiras Impressões

 
 
A primeira vez que ouvi esta jovem banda foi em mais um dos meus dias em que estava, calmamente, em casa com o canal VH1 ligado. Nessa altura, fiquei a conhecer o seu primeiro single, "Can We Dance", e percebi que iriam ter sucesso muito rapidamente. Pois bem, passadas poucas semanas o seu álbum de estreia, "Meet The Vamps", foi editado em Portugal e parece que as jovens adolescentes portuguesas se renderam a estes quatro talentosos britânicos que não só cantam como também são eles próprios quem toca os seus instrumentos em palco.
 
Agora, com o aproximar do Natal, os The Vamps tiveram uma interessante ideia: editar novamente o seu álbum mas em versão natalícia, ou seja, temos direito a todas as músicas do disco anterior mas também somos brindados com músicas de Natal.
 
 
Inicialmente pensei que a banda iria pegar em clássicos de Natal e fazer o seu próprio arranjo, mas na verdade eles foram muito para além disso, pois criaram eles próprios (letra e instrumental) algumas músicas natalícias, são elas: "Sleighing In The Snow" e "Hoping For Snow".
Contudo, o meu grande destaque vai para uma música que é um clássico e que não me canso de ouvir seja qual for a sua versão. A letra é do mítico Leonard Cohen e o tema é, claro está, "Hallelujah". Uma música perfeita que foi muito bem interpretada pelo vocalista dos The Vamps, Brad Simpson, com um arranjo instrumental minimalista dando especial destaque à lindíssima letra.
 
 
Em suma, esta é uma banda nova que promete continuar a conquistar jovens fãs um pouco por todo o mundo. O facto de tocarem os seus instrumentos e contribuírem na criação das suas canções torna-os numa verdadeira promessa para os anos vindouros.

As 3 palavras que penso que melhor descrevem este álbum são:

Jovial 
Alegre
Natalício
 
 
 
E como se não fosse suficiente ter produzido um segundo álbum, a banda decidiu editar também um DVD, o "Meet The Vamps Live In Concert DVD".
O concerto gravado em Birmingham no dia 5 de Outubro demonstra o à vontade que estes quatro músicos apresentam em palco, não obstante a sua tenra idade.
É sempre interessante comparar o trabalho ao vivo de uma banda com a sua performance no álbum de estúdio pois as músicas sofrem sempre arranjos novos em palco e os temas ficam com uma nova roupagem e é quase como se um novo disco surgisse ali mesmo ao vivo.


Este é um DVD que traduz bem o espírito que move os "The Vamps" e que pode ser resumido em 3 palavras:

Profissional
Bem-disposto
Intenso
0

Entretenimento: ARIANA GRANDE; ABBA; U2; GENTLEMAN; GNR; PRIMITIVE REASON; NÁSTIO MOSQUITO; SAM SMITH; THE STONE WOLF BAND


Novidades no mundo da música


ARIANA GRANDE - Novo single de natal "Santa Tell Me" está já disponível nas lojas digitais. Ariana Grande, atriz e cantora de 21 anos, acaba de anunciar um novo single: "Santa Tell Me", já disponível nas lojas digitais, estreou-se no primeiro lugar na tabela norte-americana do iTunes dedicada às músicas sobre a época natalícia. "Espero que todos gostem", disse Ariana Grande na sua página no Twitter quando anunciou o lançamento da faixa. Já no ano passado a cantora havia assinalado a época do Natal com o lançamento de um EP de quatro faixas inteiramente dedicadas à época festiva. Ariana Grande está a viver um ano de sonho. Este ano editou o seu segundo álbum de originais, "My Everything", disco que foi antecedido pelo tema "Problem", com a participação de Iggy Azalea. A canção atingiu o primeiro lugar nas vendas digitais pelo iTunes em 47 países, incluindo Estados Unidos da América, Canadá e Austrália, bem como diversos outros em territórios na Escandinávia, Ásia ou América Latina. "Love Me Harder", gravado com The Weeknd, é o mais recente single do álbum e é também um sucesso: o tema chegou ao top 10 da tabela de novidades da Billboard, fazendo de Ariana Grande a primeira artista de 2014 a lograr chegar com cinco temas à lista de dez temas mais palpitantes da prestigiada tabela norte-americana. "My Everything" inclui participações de nomes sonantes como Iggy Azalea, Zedd, Big Sean, Cashmere Cat, Childish Gambino, The Weeknd e ASAP Ferg. A edição ‘deluxe’ do álbum junta os 12 temas da edição convencional a três faixas extra: "Only 1", "You Don’t Know Me" e "Bang Bang", faixa repartida com as cantoras Nicki Minaj e Jessie J. Com Ariana Grande e a sua canção "Santa Tell Me", agora revelada, o Natal deste ano chegou definitivamente mais cedo.

ABBA - Este Natal é possível jogar monopólio com os ABBA Clássico jogo de tabuleiro alia-se a uma das bandas mais famosas de sempre O jogo Monopólio, um dos mais populares desafios de tabuleiro de sempre, aliou-se a outro fenómeno de massas da cultura popular para este Natal: ABBA Monopoly, que alia o jogo ao icónico quarteto, é agora lançado numa edição especial dedicada à banda sueca. Os princípios básicos são mesmos de sempre, desde que o Monopólio foi lançado na década de 1930: tudo tem que ver com a compra e venda de propriedades e bens. Nesta edição especial, contudo, em vez de se comprarem ruas, compram-se discos, e em vez de se comprarem casas compram-se estúdios de gravação. Esta edição especial do jogo inclui ainda seis símbolos ligados aos ABBA: o chapéu de Napoleão (referente ao single "Waterloo"), um disco de vinil, um saco de dinheiro (que se liga ao clássico tema "Money, Money, Money"), um telefone (quem não se recorda de "Ring Ring"?), uma bota para utilizar na plataforma do jogo e uma guitarra em forma de estrela como a utilizada pelo músico Björn Ulvaeus no festival Eurovisão de 1974, por exemplo. Todas as cópias do ABBA Monopoly serão lançadas em sueco e inglês, e o jogo é uma prenda essencial para os fãs da banda jogarem com as suas famílias. O jogo chega às lojas a 08 de dezembro e pode ser adquirido aqui. Os ABBA formaram-se em 1972, em Estocolmo, por Björn Ulvaeus, Benny Andersson, Agnetha Fältskog e Anni-Frid Lyngstad (Frida), tendo vendido, até ao momento, mais de 400 milhões de discos, entre álbuns e singles.

U2 - Anunciam "iNNOCENCE + eXPERIENCE" As datas para a próxima digressão dos U2 foram já reveladas. "iNNOCENCE + eXPERIENCE", assim se chama a digressão, verá os irlandeses a tocar em espaços fechados pela primeira vez em dez anos, atuando em 19 cidades de todo o mundo em 2015. A primeira leva de concertos, dedicada à América do Norte, arranca a 14 de maio e prolonga-se até 23 de julho. Os U2 atuarão em nove cidades entre o Canadá e os Estados Unidos, tocando duas noites em cada cidade, aparte de Los Angeles e Nova Iorque, que serão palco de quatro concertos do grupo liderado por Bono Vox. Em setembro arranca a manga europeia da digressão: Turim (Itália), Amesterdão (Holanda), Estocolmo (Suécia), Berlim e Colónia (Alemanha), Barcelona (Espanha), Antuérpia (Bélgica), Londres e Glasgow (Reino Unido) e Paris (França) são as cidades que recebem os U2 até 11 de novembro. Em cada cidade o grupo dará dois concertos, com exceção para Londres, onde os U2 tocarão quatro noites no final de outubro de 2015. Os bilhetes para a digressão começam a ser vendidos na próxima segunda-feira. Ao mesmo tempo, pode também ser já revelado que estão a ser programados concertos especiais para Dublin, cidade-natal da banda, no final do próximo ano. "Vamos tentar mudar completamente de sensações da primeira para a segunda noite em cada cidade", diz Bono sobre "iNNOCENCE + eXPERIENCE", acrescentando que haverá elementos cénicos que jogam com "a ideia de inocência e experiência", nome dado à digressão. O novo álbum dos U2, "Songs of Innocence", que serve de mote para os próximos concertos, foi editado oficialmente no passado dia 13 de outubro e teve entrada direta para o primeiro lugar da tabela de vendas em Portugal.

GENTLEMAN - "MTV UNPLUGGED" JÁ ESTÁ NAS LOJAS.  É a primeira vez que o reggae passa pelo histórico programa da MTV. Gentleman, o artista alemão de reggae já bem conhecido pelos portugueses, acaba de lançar "MTV Unplugged", o registo em CD do concerto acústico gravado em Colónia, na Alemanha. Entre os convidados estão Shaggy, Ky Mani Marley, Milky Chance ou Marlon Roudette (antigo integrante dos Mattafix, que fizeram sucesso com "Big City Life"). Gentleman re-interpreta os seus grandes sucessos, como "Superior" ou "Intoxication", numa actuação que é um marco histórico: é a primeira passagem de um artista de reggae pelo aclamado programa da MTV, a cumprir agora 25 anos de existência, e onde já estiveram artistas como Nirvana, Thirty Seconds to Mars, Maroon 5, Adele, Bjork, Mary J Blige, Alicia Keys ou Lauryn Hill. Esta é a 10ª edição do alemão e suc
ede a "New Day Dawn", de 2013, o álbum de onde saiu o single "Heart of a Rub a Dub" e que o trouxe à Zambujeira do Mar este Verão, para um elogiado concerto no MEO SW.

GNR - Os GNR estão de regresso com o tema CADEIRA ELÉCTRICA e com um novo vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=dqK6lI8Lpuw ​Os GNR de Jorge Romão, Rui Reininho e Toli César Machado estão de regresso às edições com o tema "Cadeira Eléctrica", já em rotação nas principais rádios nacionais. "Cadeira Eléctrica" é uma canção com música de Tóli César Machado e letra de Rui Reininho, a dupla responsável pelos grandes sucessos da banda. O tema foi gravado e produzido por Mário Barreiros que também assina a produção do álbum a editar no primeiro trimestre de 2015. Realizado por André Tentúgal, retrata um universo de magia, onde tudo acontece de forma inesperada e surpreendente. Durante o vídeo, assistimos a um dia “normal” na vida da personagem principal, com todas as peripécias que a pontuam e lhe dão um carácter único e especial mas, no fundo, o regresso à realidade é inevitável. "Cadeira Eléctrica" é o primeiro tema editado pela IndieFada, o novo selo editorial independente dos GNR. Com mais de 30 anos de carreira, a banda decidiu avançar, agora, com a edição dos seus próprios temas através de um selo independente que representa a sua essência.
Mais informações:
Vídeo Cadeira Eléctrica: https://www.youtube.com/watch?v=dqK6lI8Lpuw
Ficha Técnica:
Realizador: André Tentugal
Assistente Realização: Vasco Mendes
Produção: Ana Matos e João Nuno Brochado
Make-up: Maria Zeza
Actor: Tiago Barbosa
Participação especial: Jorge Romão, Rui Reininho, Toli César Machado
Twitter IndieFada - https://twitter.com/Indiefada 
Facebook GNR - https://www.facebook.com/osgnr

PRIMITIVE REASON AO VIVO NO MUSICBOX LISBOA CONCERTO ANUAL DEDICADO À PRIMITIVE TRIBE -

19 DE DEZEMBRO – 23H00 15€ COM OFERTA DE EP DIGITAL EXCLUSIVO “CELEBRATION” 

Os Primitive Reason convidam a sua tribo de fãs e amigos a celebrar o final do ano, como já é habitual, com um concerto muito especial dedicado à Primitive Tribe mas de portas abertas a todos os que queiram participar desta festa. O espetáculo acontece no Musicbox em Lisboa no dia 19 de Dezembro, sexta-feira, e os bilhetes, já disponíveis, custam 15€ com oferta de um EP digital exclusivo com 5 faixas gravadas ao vivo no concerto "Celebration" que encheu o Cinema S. Jorge em Março deste ano. ​Como tem sido hábito nos espetáculos dos Primitive Reason, também este concerto conta com alguns convidados a anunciar brevemente no Facebook da banda.​ ​Após um ano de celebração dos 20 anos de carreira, cheio de concertos, os Primitive Reason estão já a preparar o ano de 2015 que trará algumas novidades, nomeadamente, o lançamentos de novos temas, o primeiro dos quais será apresentado, em exclusivo, no dia 19 de Dezembro no Musicbox. 
Mais informação: Primitive Reason Website: www.primitivereason.net 
Informação concerto: 19 de Dezembro, 6a feira Musicbox Lisboa – Cais do Sodré 23h00 | €15

NÁSTIO MOSQUITO VENCE FUTURE GENERATION ART PRIZE 2014 E REGRESSA A PORTUGAL EM DEZEMBRO
O artista apresenta SE EU FOSSE ANGOLANO em Lisboa e na Maia acompanhado do vídeo-artista VIC PEREIRÓ

11 de Dezembro - Espaço Espelho d’Água, Lisboa - 22h00

12 de Dezembro - Tertúlia Castelense, Maia - 23h00
Nástio Mosquito é um dos dois vencedores do prémio principal da 3ª edição do Future Generation Art Prize, juntamente com o artista colombiano Carlos Motta. Os vencedores foram anunciados ontem, dia 6 de Dezembro, por um júri internacional na cerimónia de entrega de prémios no PinchukArtCentre, Kiev, Ucrânia. Os dois artistas vão partilhar o prémio de $100,000 ($60,000 em dinheiro e $40,000 para a produção de novos trabalhos). Future Generation Art Prize é o primeiro prémio de arte global para artistas até aos 35 anos fundado pela Victor Pinchuk Foundation em 2009 com o objetivo de divulgar o trabalho dos jovens artistas e dar apoio continuado a esta geração futura de artitas, independentemente do sítio onde vivem e desenvolvem o seu trabalho. Os vencedores foram escolhidos por um conceituado júri internacional que inclui Francesco Bonami – Curador e Diretor da 50th Biennale di Venezia (Italy); Jan Fabre – Artista (Bélgica); Doris Salcedo – Artista (Colômbia); Eckhard Schneider – Diretor Geral do PinchukArtCentre (Ucrânia); Bisi Silva – Curador Independente, Diretor do Centro de Arte Contemporânea de Lagos (Nigéria); Adam Szymczyk – Diretor Artístico da documenta 14 (Polónia) e Philip Tinari – Diretor do Ullens Center for Contemporary Art em Beijing (China). Carlos Motta e Nástio Mosquito, enquanto vencedores do Future Generation Art Prize, vão apresentar as suas exposições a solo no PinchukArtCentre em Kiev no Outono de 2015. No seguimento da edição do CD duplo "Se Eu Fosse Angolano / S.E.F.A. Fast Food" na primavera deste ano, Nástio Mosquito está de regresso a Portugal, acompanhado do vídeo-artista Vic Pereiró, para dois concertos únicos: no dia 11 de Dezembro no Espaço Espelho d’Água em Belém (Lisboa) e 12 de Dezembro na Tertúlia Castelense, na Maia (Porto).
O concerto na Tertúlia Castelense será um concerto disco-bilhete, ou seja, na compra do CD duplo nas lojas CDV-Tubitek, CDV-Outlet, ou www.cdgo.pt, a entrada para o espetáculo é gratuita, mediante apresentação do comprovativo de compra à entrada da sala. Os concertos de Nástio Mosquito em Portugal em Dezembro têm também o apoio da empresa de arte contemporânea JAHMEK.
Mais informações:
:: Espaço Espelho d’Água Av Brasilia Edif Espelho d'Água 1400-038 Lisboa 22h00 - 10€ https://www.facebook.com/espacoespelhodagua
:: Tertúlia Castelense Rua Augusto Nogueira da Silva, n779. Castêlo da Maia – Maia – Porto 23h00 - Disco bilhete comprado nas lojas CDV-Tubitek (Praça D. João, nº31), CDV-Outlet ( Avenida Fonte Cova, nº 400, Loja 129, Vila do Conde) ou www.cdgo.pt https://www.facebook.com/TCastelense http://www.nastiomosquito.com/ http://lamaquina.com.pt/ www.jahmekonline.com

SAM SMITH - Nomeado para seis Grammy - Cantor britânico soma recordes com álbum "In The Lonely Hour". O músico britânico Sam Smith foi nomeado para seis prémios Grammy, fazendo história por ser o primeiro artista masculino em 34 anos a ser nomeado para as quatro categorias principais e o primeiro artista britânico a lograr tal feito. As categorias principais são as de melhor álbum ("In The Lonely Hour"), gravação e canção do ano (ambas com "Stay With Me") e melhor novo artista. Para além disso, Sam Smith foi também nomeado para melhor álbum de pop vocalizada e melhor performance pop, com o disco "In The Lonely Hour" e "Stay With Me", respetivamente álbum de estreia e single de destaque do músico. A 57.ª edição dos míticos prémios Grammy decorre a 08 de fevereiro de 2015 no Staples Center, em Los Angeles, sendo que Sam Smith no mês anterior, janeiro, uma digressão por salas e arenas em território norte-americano. O álbum de estreia de Sam Smith, "In The Lonely Hour", chegou recentemente à marca de dois milhões de cópias vendidas em todo o mundo. Nos Estados Unidos, Smith fez história com o disco, tendo vendido mais cópias na primeira semana do que qualquer outro primeiro álbum de um artista britânico em mais de 20 anos. O autor de "Stay With Me" anunciou já alguns concertos para a primavera de 2015, que se seguem às atuações nos Estados Unidos: as datas agendadas para o Reino Unido, por exemplo, esgotaram em poucos minutos. Glasgow, Manchester, Wolverhampton e Londres, com três datas na mítica 02 Academy, em Brixton, receberão o músico em março do próximo ano. Nos últimos dias Sam Smith viu o seu álbum de estreia voltar ao número um de discos mais vendidos no Reino Unido. O músico, de 22 anos, deu recentemente em Portugal um concerto marcante na edição deste ano do NOS Alive, momento que o consolidou junto do público nacional. "In the Lonely Hour" é composto por dez faixas. O álbum saiu depois de Sam Smith ter estado nos tops da BBC e de ter vencido o BRIT Critics Choice Award. Este ano o músico foi já distinguido também nos American Music Awards, nos prémios da revista Q e no canal televisivo VH1, por exemplo. No decorrer das gravações do disco, Sam Smith colaborou com outros artistas: Fraser T Smith, Two Inch Punch, Eg White, Disclosure, Zane Lowe, Tourist e Jimmy Napes, o seu parceiro de composição de longa-data, foram alguns dos parceiros musicais recentes do britânico. Sam Smith é também conhecido por dar voz a "Latch", um dos temas mais populares dos Disclosure e a "La La La" de Naughty Boy.

THE STONE WOLF BAND - Pessoal!! Estão todos convidados pois vão ser duas noites em grande! Dia 19 de Dezembro no Sabotage Club, com convidados especiais - os Soul & Reggae Sessions, de Orlando Santos! A noite começa ás 22h... Dia 27 de Dezembro venham ver-nos no Festival Académico do Fundão! Vamos tocar com o nosso bom amigo e especial convidado Mr Fast Eddie Nelson!


quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

0

Livro: Para Sempre, Talvez


 


Título Original: Where Rainbows End
Ano de Edição: 2010
Género: Romance
Autora: Cecelia Ahern
Editora: Editorial Presença

 
Já por várias vezes me tinha cruzado com o nome Cecelia Ahern mas foi só com “Para Sempre, Talvez” que me estreei com esta autora, mundialmente famosa pela conhecidíssima obra “P.S. – Eu Amo-te”.
 
Sinopse:
“Cecelia Ahern volta a surpreender-nos com o seu segundo livro - "Para Sempre, Talvez". Com grande perspicácia e originalidade, Ahern conta-nos a história envolvente de um amor contrariado por um destino que teima em brincar com os seus dois protagonistas. Alex e Rosie atravessaram a infância e a adolescência juntos, mas quando chega o momento de começarem a descobrir as alegrias das noites na cidade e das primeiras aventuras amorosas, o destino resolve pregar-lhes uma partida ao colocar entre os dois a vastidão do oceano Atlântico, quebrando, assim, a evolução natural e espontânea de uma relação de amizade para algo mais profundo. Mas poderão o tempo, a distância e o próprio destino ser mais fortes que um grande amor?”
 
Bem, deixem-me encontrar a palavra ideal para descrever este romance… que tal FENOMENAL?!! Fui completamente surpreendida pela imaginação e sentido de humor desta escritora.
Esta foi, sem dúvida, a leitura mais divertida que tive este ano! Cada página tinha sempre, pelo menos, um detalhe humorístico e dei por mim a evitar ler este livro em público para que não pensassem que tinha enlouquecido com o riso que me assaltava a cada instante.
Contudo, não pensem que por ser tão engraçada esta história perde a sua profundidade, muito pelo contrário! Muitas vezes parei para questionar-me sobre a experiência de vida da autora pois sendo tão jovem (tem apenas 33 anos) apresenta neste livro conclusões e pensamentos sobre a vida que só consigo associar a quem já tenha vivido muitas décadas e tenha passado por várias vicissitudes. Esses parágrafos mais sérios e maduros tiveram em mim um efeito de reflexão pois comecei a transpor para a minha própria vida muitas das conclusões da autora.
A história em si mesma é leve, descomprometida mas muito interessante. Os contratempos e voltas do destino são uma constante por isso como leitora não pude deixar de voltar a página para perceber onde é que esta trama me iria conduzir no fim.
No entanto, deixei o melhor desta opinião para o fim pois ainda não revelei o que me deixou completamente boquiaberta com “Para Sempre, Talvez”. É que a autora escolheu escrever toda a obra sob a forma de mensagens. Sim, leram bem! Toda a narrativa é feita através de cartas, e-mails e postais. Um desafio impossível para muitos autores mas que para Cecelia Ahern foi como cortar manteiga com uma faca quente. Não posso deixar de admirar a mestria, talento e imaginação desta autora que me permitiu terminar o ano com uma leitura alegre, ligeira e que me animou os dias. Um livro que recomendo sem pensar duas vezes!

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

2

Livro: A Sombra do Vento (Carlos Ruiz Zafón) - Opinião dupla!




Título Original: La Sombra Del Viento
Ano: 2004
Género: Mistério, Romance, Drama
Autor: Carlos Ruiz Zafón

Há livros que causam um burburinho tal que se torna impossível escapar-lhes. A obra "A Sombra do Vento" entra nessa categoria de obras obrigatórias. Depois de ouvirmos dezenas de pessoas a gabar este livro não resistimos e, sem que tivéssemos combinado, decidimos começar a ler esta história as duas mais ou menos na mesma altura. Em quase 5 anos de vida do FLAMES nunca tal tinha acontecido, e as honras de tal casualidade calharam à obra suprema de um dos maiores escritores espanhóis da actualidade - Carlos Ruiz Zafón. 

Sinopse: "A Sombra do Vento" é um mistério literário passado na Barcelona da primeira metade do século XX, desde os últimos esplendores do Modernismo até às trevas do pós-guerra. Um inesquecível relato sobre os segredos do coração e o feitiço dos livros, num crescendo de suspense que se mantém até à última página. Numa manhã de 1945 um rapaz é conduzido pelo pai a um lugar misterioso, oculto no coração da cidade velha: o Cemitério dos Livros Esquecidos. Aí, Daniel Sempere encontra um livro maldito que muda o rumo da sua vida e o arrasta para um labirinto de intrigas e segredos enterrados na alma obscura de Barcelona. Juntando as técnicas do relato de intriga e suspense, o romance histórico e a comédia de costumes, "A Sombra do Vento" é sobretudo uma trágica história de amor cujo o eco se projecta através do tempo. Com uma grande força narrativa, o autor entrelaça tramas e enigmas ao modo de bonecas russas num inesquecível relato sobre os segredos do coração e o feitiço dos livros, numa intriga que se mantém até à última página."


Mariana

Falar deste livro é, simultaneamente, um prazer e uma frustração. Um prazer pois é, indiscutivelmente, uma das melhores obras que já li em toda a minha vida; uma frustração pois sei que, por mais que me esforce, não encontrarei palavras para descrever o quão fantástico este livro é.
Bem... resta-me tentar!
As primeiras páginas de "A Sombra do Vento" não me surpreenderam: estava a ser mais uma obra relativamente interessante que apenas valia pela sua escrita soberba. Contudo, a partir de determinada altura, vi-me embrenhada nesta trama e completamente rendida às suas personagens, mistérios e peripécias. Carlos Ruiz Zafón é um verdadeiro mestre na arte de contar histórias e criou, com este livro, uma história de tal forma envolvente que ainda estou para conhecer a primeira pessoa que não tenha, simplesmente, adorado este livro!
Está tudo incrivelmente perfeito: a descrição da cidade de Barcelona na primeira metade do século passado e toda a aura de fascínio que a envolve; as personagens encontram todas o seu devido lugar nesta obra e contribuem para o adensar da componente emocional do livro; os mistérios criados por Zafón criam um tal suspense e tensão que me vi, inúmeras vezes, simplesmente frustrada quando tinha que interromper a minha leitura para regressar ao mundo real. É-me impossível apontar algo que esteja errado nesta obra, a não ser que o facto de o livro ter um final possa ser considerado um defeito!
No fim, ficou uma paixão louca por esta história e uma sede imensa de ler mais livros deste autor soberbo.
Concluo dizendo, com alguma ousadia, que um verdadeiro amante de livros tem de ler esta obra para poder dizer que já teve o privilégio de ler uma das melhores histórias de sempre!

Roberta

A Sombra ao Vento foi, sem dúvida, dos melhores livros que li em 2014. Peço desculpa, vou reformular. A Sombra ao Vento foi, sem dúvida, dos melhores livros que li na minha vida. 
Tenho este livro há 10 anos na minha estante. Foi editado em Setembro de 2004 e tenho-o na estante desde então. Apesar das criticas positivas, foi um livro que nunca me atraiu e nunca consegui entender o porquê. Não gosto de ler sinopses por isso não fazia a mínima ideia do que tratava. Este ano, um conjunto de pessoas começou a visitar o nosso blogue e a “queixar-se” de uma lacuna: nunca nem eu nem a Mariana tínhamos falado de um livro do Carlos Ruiz Zafón. Era, realmente, uma falha grave. Ainda por cima tendo eu o livro na estante, e por isso mesmo, não adiei mais. 

O livro está absolutamente genial. Desde as primeiras páginas que me senti totalmente agarrada. De início pensei que a história iria enveredar por um caminho, mas depois compreendi que não. O autor arrebatou-me completamente com uma história fantástica. Várias foram as vezes que me senti completamente arrepiada (e eu não sou uma pessoa sugestionável), mas a forma como o escritor nos apresenta algumas personagens (e algumas passagens) está absolutamente brilhante, e fez-me sentir um rol de emoções que, ainda hoje, não consigo descrever. Foi muito difícil pousar o livro durante a sua leitura. Queria só ler “mais um pouquinho…” e “mais um bocadinho”, mas nunca chegava, e a vontade de chegar ao fim tornava-se insuportável. Já nos últimos capítulos, senti um murro no estômago com algumas da revelações apresentadas. Este é um livro que, sem dúvida, aconselho. 

As personagens são muito coesas, muito bem construídas e muito reais. Daniel, uma das pesonagens principais por exemplo, é um herói imperfeito, o que o torna bastante real. Mas as minhas duas personagens favoritas foram Fermín e Isaac com as suas intervenções irónicas, divertidas e bem humoradas. Isaac, por exemplo, poucas vezes aparece, mas sempre que era referido fazia-me soltar verdadeiras gargalhadas de prazer. 

Enfim, é um livro absolutamente fenomenal, bem escrito, bem pensado que me fez voltar a reler os primeiros capítulos completamente boquiaberta. QUERO LER TODOS OS LIVROS DO MESMO AUTOR!
Ocorreu um erro neste dispositivo

1%

1%