Envie esta página a um amigo!

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

11

Série, Livro, Filme: Orgulho e Preconceito


Antes de vos da as 3 perspectivas, gostaría de vos fazer conhecer esta história deliciosa.

Tudo se inicia com a chegada de Mr. Bingley a Netherfield (onde se desenrola, maioritariamente, a história). Mr. Bingley é um jovem cavalheiro que, juntamente com a irmã Caroline e o amigo Mr. Darcy, aluga uma casa perto da família Bennet.
Para além de jovem e bonito é um óptimo partido pelo que, todas as jovens, se preparam para lhe captar a atenção.
Também a Sra Bennet está interessada que uma das suas filhas capte a sua atenção.
A família Bennet é o núcleo duro de toda a narrativa. É constituida por Mr. e Mrs Bennet e por:

Jane (a mais velha e bonita)
Elizabeth (a mais sensata e inteligente)
Lydia (a mais irreverente)
Mary (bondosa mas sem graça)
e Kitty (que faz tudo o que a irmã Lydia faz. Influênciável)

Mr. Bingley é muito bem recebido pela comunidade uma vez que é um rapaz afável e simpático (e RICO!). O mesmo não se pode dizer do seu melhor amigo, Mr. Darcy dado que, apesar de ainda ser mais rico e abastado que o amigo, não capta a atenção de ninguém pelo seu comportamento arrogante e de desprezo para com as pessoas de Netherfield.

Mas muitas outras personagens vão aparecer na história:

- Mr. Wickham, um lindo oficial que chama à atenção particularmente de Elizabeth
- Mr. Collins, um primo dos Bennet. Clérigo de profissão, apadrinhado por Lady Catherine de Bourh (tia de Mr. Darcy) e que pretende casar com uma das primas.
- Charlotte a melhor amiga de Elizabeth
- Georgiana (irmã de Mr. Darcy)...
- e muitas mais...

Livro



Autor: Jane Austen
País: Reino Unido
Género: Romance
Altura em que decorre o romance: Início do século XIX
Onde decorre: Inglaterra
Lançamento: 28 de Janeiro de 1813
Lançamento em Portugal: 1943

O livro foi o responsável pelo posterior aparecimento da Série e do filme. Escrito por Jane Austen é, talvez, dos melhores livros que já li na vida. e aconselho-o a todos. Apesar de ter sido publicado em 1813, teria sido terminado em 1797 (antes de a autora completar 21 anos) e, apesar de ter um nome tão conhecido, uma curiosidade do livro é que, o título original, teria sido First Impressions, tendo, depois, sido alterado para o nome do último capítulo "Pride and Prejudice".

É extremamente interessante ver como, naquela altura, era a educação, cultura, moral, casamento, sociedade, etc.

Actualmente o livro tem cerca de 20 milhões de cópias no mundo!


Curiosidades:

* Em 2003 a BBC conduziu uma votação para o "UK's Best-Loved Book", em que Pride and Prejudice ficou em 2º lugar, depois de The Lord of the Rings.

* Em 2008, entre mais de 15.000 leitores australianos, Pride and Prejudice ficou em 1º numa lista dos 101 melhores livros já escritos.



(mini)Série (pela BBC)

Infelizmente vi a série da BBC antes de ler o livro.
Apesar de tudo, a série está tão bem construída que a vontade de ler o livro logo a seguir foi inevitável. Esta é, para além do mais, das MELHORES adaptações para séries que alguma vez vi! Se preferirem não ler o livro, podem pelo menos ver esta série (Sim, eu disse isto!)
O livro é sempre melhor claro, mas a série está fielmente retratada.

Ano: 1995
Protagonistas:
Mr. Darcy - Colin Firth
Elizabeth - Jennifer Ehle

De destacar a brilhante interpretação de Colin Firth e de Jennifer Ehle...é impossível não os imaginar a eles como "os verdadeiros". A personagem que faz do primo Mr. Collins também está brilhante. Enfim, uma adaptação majestosa!.
Podem ver a série no youtube.



Filme
Do filme já não posso dizer o mesmo.
Odiei-o todo o tempo.
As personagens não se assemelham em nada ao livro e existem demasiadas coisas alteradas.
Não consegui sentir que aquela era a minha Elizabeth, e o Mr Darcy? Não.. definitivamente não estava nada bem!
Não gostei!



Não se esqueçam de comentar e de participar no nosso passatempo!

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

12

Filme: Tron - O Legado


Título original: Tron Legacy
Género: Ficção Científica, Acção
Ano: 2010
Ano de estreia em Portugal: 2011
Realizador: Joseph Kosinski


No passado fim-de-semana fomos ao cinema atraídas pela promessa de que iríamos assistir a um filme que, visto em 3D, seria uma experiência fantástica. Mesmo sem termos visto a versão original, de 1982, decidimos arriscar e…não nos desiludimos!

No filme ficamos a conhecer a história de Sam Flynn, um jovem de 27 anos filho de um conhecido designer virtual, Kevin Flynn, desaparecido há 20 anos sem que alguém soubesse algo acerca do seu paradeiro nem tão-pouco dos motivos que conduziram ao seu desaparecimento. Contudo, quando Sam recebe uma misteriosa mensagem do seu pai decide deslocar-se às antigas instalações de trabalho deste para descobrir a origem de tão inesperado contacto. Quando chega lá não faz ideia do que o espera: uma “viagem” ao interior do jogo a que o pai dedicara tanto tempo da sua vida – Tron – e uma luta pela sobrevivência ao mesmo tempo que tenta impedir que o nosso planeta seja invadido pelos habitantes desse jogo.

Se é verdade que a Disney não apresenta em “Tron – O Legado” a sua história mais original e interessante, também não é menos verdade que, no que diz respeito a efeitos especiais, este filme está ao nível dos melhores alguma vez feitos. Com cenas de acção simplesmente espectaculares, acompanhadas por uma boa banda sonora e pelo grande Jeff Bridges (nos papéis de Kevin Flynn e Clu), “Tron – O Legado” foi uma óptima surpresa! Contudo, apesar de o efeito 3D tornar a experiência interessante, não nos parece que fosse estritamente necessário para apreciar os efeitos do filme. No entanto, infelizmente, cada vez mais somos “obrigados” a optar pelo 3D pois não nos oferecem outra hipótese.

Nota: O filme está nomeado para Óscar de Best achievement in sound editing, entre outras nomeações e premiações.

Aqui fica o trailer (que fica muito aquém da qualidade do filme):


Não se esqueçam do passatempo! Se quiserem participar só têm que clicar aqui. Boa sorte!

domingo, 23 de janeiro de 2011

14

Entretenimento: Biggest Loser

Hello, hoje vamos falar-vos de um programa que ambas seguimos frequentemente. Trata-se de um programa televisivo que passa na Sic mulher e que se chama The Biggest Loser (e não Big Fat Loser como uma de nós pensava...lol. Mas por motivos óbvios vamos poupar a vergonha de dizer qual de nós era).

A proposta do programa é "simples": Entre no programa, perca a maior percentagem de peso e...ganhe 250 mil dólares!

Os participantes competem em provas que visam o emagrecimento sendo pesados regularmente. Confessamos que a primeira vez que vimos o programa ficamos muito impressionadas e com medo pelos próprios participantes: será que eles não teriam problemas por estar a perder tanto peso em tão pouco tempo? Mas a verdade é que os participantes contam com a assistência de uma vasta equipa médica, são controlados regularmente e aprendem  competências importantes como a alimentação saudável, exercício etc.
Para além do mais, contam com treinadores que os ajudam a exercitar. De entre os vários treinados que já passaram pelo programa, 2 deles (talvez por serem os nossos favoritos) merecem destaque: Bob e Jillian!

Deixamo-vos o site principal do programa: http://www.nbc.com/the-biggest-loser/
Deixamo-vos ainda algumas fotos (não vos dizemos se são vencedores ou não) para não deixar spoilers ;)


e deixamos aqui o trailer:



E já sabem, se quiseram participar no nosso PASSATEMPO basta clicar aqui. Boa sorte!

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

2

Filme: 1900

Filme: 1900
Titulo Original: Novecento
Ano: 1976
Director: Bernardo Bertolucci
Género: Drama, Histórico, Romance, Filme de Guerra
Actores:
Robert De Niro - Alfredo Berlinghieri
Gérard Depardieu - Olmo Dalcò
Donal Sutherland - Attila Mellanchini
Burt Lancaster - Alfredo's Grandfather
Dominique Sanda - Ada Fiastri Paulhan
Francesca Bertini - Sister Desolata
Laura Betti - Regina
Werner Bruhn - Ottavio Berlinghieri
Stefania Casini - Neve
Sterling Hayden - Leo Dalcò
Duração: 245 minutos ou 311 minutos
País: Itália

Ok, este é um post inédito uma vez que vamos comentar (de forma pejorativa) algo feito em Itália (era uma piadinha) e, por outro lado, um clássico.
Este foi, sem dúvida, dos piores filmes que vimos em toda a nossa vida e, ainda por cima, como se não bastasse, dura 245 minutos (na versão mais reduzida, a versão original dura 311minutos)...como é possível? Vejam só os minutos que perdemos das nossas vidas, a ver este filme...só porque era um clássico e andávamos numa de ver os clássicos (e para além do mais é um filme com bons actores, não poderia não ser bom)! E para quem se está a questionar, sim, vimos a versão de 311 minutos.
Conselho útil: antes de decidirem ver um filme, INFORMEM-SE não vão vocês perder tanto tempo num filme destes (Sim, estamos a bater muito nesta tecla).
Ora bem, estar aqui a dizer estas coisas, não faz muito sentido, se não for fundamentado que é, exactamente, o que iremos fazer ao mesmo tempo que vos contamos um pouco da infortunada história.
Este filme leva-nos à Itália do inicio do século XX até ao final da Segunda Guerra Mundial... nesse sentido, até entendemos a crueldade das imagens do filme uma vez que quer demonstrar o que se passava nessa época, no entanto, algumas imagens são perfeitamente desnecessárias (algumas fazem-nos mesmo sentir mal) não por ser muito explícito (até porque as imagens não são assim TÃO explicitas...existem piores) mas pelo que o filme nos faz imaginar (e nesse sentido até está bem conseguido). As duas personagens principais são Olmo (Gérard Depardieu), o filho bastardo de um camponês e que vive na miséria, e Alfredo (De Niro), herdeiro de uma família rica de latifundiários. Os dois passam uma infância "feliz" um com o outro, e são amigos (apesar das diferenças sociais das suas famílias) no entanto, a pouco e pouco, os dois amigos colocam-se em pólos políticos e ideológicos diferentes (enquanto Olmo se "vira" mais para a esquerda, Alfredo abraça a velha direita). Será que a amizade irá sobreviver a isto? E é neste cenário que nos vai ser revelada a vida política da altura, que todos nós bem conhecemos. No filme, existe uma outra personagem, a noiva de Alfredo. Sinceramente, não entendemos NADA do que a mulher dizia e fazia. E ficámos sempre à espera de uma fantástica revelação final (que nunca chegou)... Outra coisa, constatamos que muitos dos filmes do Robert De Niro desta altura mostravam o actor despido (até mais do que uma vez) pelo que decidimos criar a nossa teoria: Na altura, De Niro participava em filmes APENAS numa condição - que ele pudesse aparecer despido...ainda bem que com a idade a coisa lhe passou, não é um cenário muito agradável imaginar agora o actor despido...

De qualquer forma, neste filme os dois actores principais aparecem MUITO explicitamente despidos (e não contamos mais pormenores ou estrago a surpresa dos leitores que terão a infeliz ideia de o ir ver e, por outro lado, se contarmos mais teremos de colocar a bolinha vermelha no canto superior do blog).
Pontos a favor?: Só vemos um - a musica estonteante de Ennio Morricone! Ahhh, e é claro, apesar destas criticas toda, a verdade é que o filme se tornou num épico aclamado em todo o mundo e considerado, pela crítica internacional, como a obra principal de Bertolucci...

Bom, não se esqueçam de participar no nosso passatempo. Basta clicarem aqui. Nunca foi tão fácil ganhar um dvd :)

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

6

Evento: Globos de Ouro 2011

 


Ontem à noite decorreu mais uma cerimónia dos Globos de Ouro. Enquanto muitos destacam o humor audaz e provocador do apresentador deste ano, Ricky Gervais, nós preferimos voltar-nos para aquilo que realmente interessa – os vencedores. Num ano em que, na nossa opinião, se deu um maior destaque àquilo que "esteve na moda" do que propriamente àquilo que realmente apresentou elevados níveis de qualidade, "The Social Network" venceu a concorrência na categoria de filmes, enquanto nas séries foi "Glee" a grande vencedora deste ano. 


Aqui fica a lista dos vencedores:

FILMES

MELHOR DRAMA: The Social Network

MELHOR ACTOR (DRAMA): Colin Firth - The King’s Speech

MELHOR ACTRIZ (DRAMA): Natalie Portman - Black Swan

MELHOR MUSICAL OU COMÉDIA: The Kids Are All Right

MELHOR ACTOR (MUSICAL OU COMÉDIA): Paul Giamatti - Barney’s Version

MELHOR ACTRIZ (MUSICAL OU COMÉDIA): Annette Bening - The Kids Are All Right

MELHOR FILME ESTRANGEIRO: In a Better World (Dinamarca) – Susanne Bier

MELHOR FILME DE ANIMAÇÃO: Toy Story 3

MELHOR ACTOR SECUNDÁRIO: Christian Bale - The Fighter

MELHOR ACTRIZ SECUNDÁRIA: Melissa Leo - The Fighter

MELHOR REALIZADOR: David Fincher - The Social Network

MELHOR ARGUMENTO: Aaron Sorkin - The Social Network

MELHOR BANDA SONORA: Trent Reznor & Atticus Rose - The Social Network

MELHOR MÚSICA ORIGINAL: “You Haven’t Seen the Last of Me” - Burlesque


SÉRIES


MELHOR ACTOR (SÉRIE DE COMÉDIA): Jim Parsons - The Big Bang Theory

MELHOR ACTRIZ (SÉRIE DE COMÉDIA): Laura Linney - The Bic C

MELHOR SÉRIE (COMÉDIA): Glee

MELHOR ACTOR SECUNDÁRIO (SÉRIE, MINI-SÉRIE OU TELEFILME): Chris Colfer - Glee

MELHOR ACTRIZ SECUNDÁRIA (SÉRIE, MINI-SÉRIE OU TELEFILME): Jane Lynch - Glee

MELHOR ACTOR (TELEFILME OU MINI-SÉRIE): Al Pacino - You Don’t Know Jack

MELHOR ACTRIZ (TELEFILME OU MINI-SÉRIE): Claire Danes - Temple Grandin

MELHOR TELEFILME OU MINI-SÉRIE: Carlos

MELHOR ACTOR (SÉRIE DE DRAMA): Steve Buscemi - Boardwalk Empire

MELHOR ACTRIZ (SÉRIE DE DRAMA): Katey Sagal - Sons of Anarchy

MELHOR SÉRIE (DRAMA): Broadwalk Empire


Então? Concordam com os resultados? Ficaram surpreendidos? Queremos saber qual é a vossa opinião.


E NÃO SE ESQUEÇAM QUE AINDA PODEM PARTICIPAR NO NOSSO PASSATEMPO. Boa sorte!

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

6

Série: Sherlock


Ano: 2010
Género: Mistério
Realizadores: Steven Moffat e Mark Gatiss
Nº de episódios: 3 (90 min cada)
País de Origem: Inglaterra



Para nós esta foi a maior e melhor surpresa do ano passado. Sherlock é um mini-série de apenas 3 episódios que literalmente nos “agarrou” ao ecrã da TV do início ao fim e passou imediatamente para a nossa lista de séries favoritas.

A história, baseada na obra de Conan Doyle (o célebre escritor das histórias de Sherlock Holmes), apresenta-nos Sherlock e o seu inseparável companheiro Watson em pleno séc. XXI. Assim, podemos ficar a saber como Sherlock desvendaria os vários e difíceis mistérios com que se cruza na sua cidade de sempre, Londres, mas numa época muito diferente.
Ao longo dos 3 episódios acompanhamos Sherlock pelos recônditos da fantástica cidade londrina à medida que se aproxima da resolução de mais um intrigante mistério, tudo graças às suas surpreendentes deduções e, claro está, à ajuda de Watson.

Esta mini-série é absolutamente FABULOSA. Sherlock é-nos apresentado como uma personagem interessantíssima e caricata que nos fascina cada vez mais à medida que o vamos conhecendo. De facto, para nós, aquilo que realmente torna esta mini-série única são as características tão singulares e vincadas de cada personagem, os mistérios muito bem elaborados e as surpresas constantes (por mais atentas que estivéssemos acabávamos por ser sempre apanhadas de surpresa com as reviravoltas que a história nos apresentava). Os três episódios são muito interessantes, mas sem dúvida alguma que o episódio-piloto (1º episódio) e o 3º episódio são qualquer coisa de extraordinário.

A única coisa que lamentamos nesta série é o facto de ser tão pequena. Por isso, não é com surpresa que aguardamos uma segunda temporada (prevista para a segunda metade de 2011) com imensa ansiedade. Atrevemo-nos a dizer, mesmo sabendo que o ano ainda agora começou, que será para nós uma das melhores séries de 2011.

Aqui fica o trailer:




Quem quiser, pode ainda participar no nosso PASSATEMPO. Boa sorte!

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

3

Filme: Ikigami


Ano: 2008
Director: Tomoyuki Takimoto
Duração: 133 minutos
Data de lançamento no Japão: 27 Setembro 2008
Actores:
    Shota Matsuda - Kengo Fujimoto
    Kôji Tsukamoto - Hidekazu Morio
    Riko Narumi - Sakura Iizuka
    Takayuki Yamada - Satoshi Iizuka
    Akira Emoto - Counselor

Há algum tempo atrás fizemos um post sobre o Manga Ikigami e como nos foi assinalado num dos comentários, existe um live action do manga... bem, nós decidimos ver uma vez que somos GRANDES fãs... mas o live action desiludiu-nos um pouco...

Se estão indecisos entre ver o filme ou ler os mangas aconselhamos sem dúvidas que leiam o manga! Se nunca leram mangas, penso que este é excelente para se iniciar. São curtinhos, lêem-se muito facilmente e muito rapidamente e a sua história é muito agradável.

Uma vez que já falamos naquele post anterior sobre a história vamo-nos centrar agora nas diferenças e semelhanças entre o manga e o filme.

O manga é composto por duas histórias, em cada livro, que são-nos contadas separadamente. No filme, as histórias encontram-se todas misturadas e, infelizmente, nem todas as histórias aparecem. Por outro lado, existem pormenores que não aparecem no manga (o que é estranho) e, por outro lado, o filme contém histórias dos três primeiros mangas, por isso é que só o pudemos ver depois de terem saido os três mangas...

O live action ganhou dois prémios: Award of the Japanese Academy e Ishihara Yujiro New Actor Award

Aqui vai o trailer...







NÃO SE ESQUEÇAM DE PARTICIPAR NO NOSSO PASSATEMPO...BOA SORTE A TODOS!

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

6

Passatempo: 1º Aniversário do FLAMES





O passatempo está aberto para pessoas de qualquer país!

Regra Obrigatória:

Os donos de um Blogue deverão copiar a imagem abaixo e postá-la no respectivo blogue.
Os possuidores de conta no Facebook deverão partilhar este post.




Este é o prémio que poderão ganhar:


Um fantástico musical do ano de 2004 que retrata uma das maiores obras literárias de sempre.
Com Gerard Butler e Emmy Rossum nos papéis principais, este filme, entre muitas nomeações e premiações, foi nomeado para 3 Óscares da Academia.

Nota: A versão do filme entregue ao vencedor é original e com legendas em Português!

Boa sorte a todos!

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

5

Filme: A Tempo e Horas

Título Original: Due Date
Ano: 2010
Género: Comédia
Realizador: Todd Phillips


No passado fim-de-semana decidimos ir ao cinema mas sem qualquer filme “na mira”. Uma vez que a oferta era tanta e o conhecimento acerca dos filmes tão pouco, escolhemos “A Tempo e Horas” quase por acaso e… ainda bem que o fizemos!

Admitimos que a história não é muito original. Peter Highman (Robert Downey Jr.), um bem sucedido arquitecto, tem o azar de se cruzar com Ethan Tremblay (Zach Galifianakis), um falhado aspirante a actor, no aeroporto quando se encontra prestes a embarcar rumo a casa para assistir ao parto do seu primeiro filho. Contudo, uma confusão no avião provoca a expulsão de Peter e Ethan do avião, ficando ambos proibidos de voltar a voar. Assim, Peter encontra-se no aeroporto sem os seus documentos e dinheiro (que ficaram no avião) e não tem alternativa para regressar a casa…a não ser: aceitar a boleia de Ethan e atravessar os E.U.A. de carro num tempo recorde para não perder o parto.
A partir daí, os dois homens vão enfrentar todo o tipo de contratempos e azares numa corrida contra o relógio. Será que conseguem chegar a tempo?

Apesar de estarmos um pouco cépticas no início, rendemo-nos completamente a este filme. Tem uma história muito divertida (as gargalhadas gerais no cinema fizeram-se ouvir ao longo de todo o filme) e que, mesmo sem ser novidade, consegue prender-nos até ao fim. Zach Galifianakis está excelente no seu papel, o que nos leva a acreditar que este homem nasceu para interpretar personagens cómicas. Robert Downey Jr., no seu papel algo mais sério (a própria história assim o exigia) também esteve à altura da personagem.
Este é, sem dúvida alguma, um filme que qualquer amante de comédias deve ver: ligeiro, simples e divertido. Venham mais filmes destes!

Aqui fica o trailer:


Bons filmes!

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

8

Filme: A desaparecida - o 1º post de 2011 :)







Título original: The Lady Vanishes
Director: Alfred Hitchcock
Ano: 1938
Data de lançamento em Portugal: 1 Junho 1942
Género: Triller, Mistério
Duração: 96 minutos

Cast:
Margaret Lockwood ... Iris Henderson
Michael Redgrave      ...     Gilbert
Paul Lukas                 ...     Dr. Hartz
Dame May Whitty      ...     Miss Froy
Cecil Parker               ...     Mr. Todhunter

Foi tarde que descobrimos os filmes do Hitchcock mas, como se costuma dizer, mais vale tarde que nunca e, desde que os descobrimos, que não conseguimos parar de ver os seus filmes (e séries).

Num comboio, entre os Alpes Suiços, Miss Froy desaparece misteriosamente. Iris Henderson é a única pessoa no comboio que a vê e que acredita que Miss Froy se encontrava no comboio e que  alguém quer que se pense que ela nunca existiu. Sim, porque todas as outras pessoas negam que ela alguma vez lá esteve. Lockwood acredita nela e decide ajudá-a a investigar.

Será que Miss Froy se encontrava efectivamente no comboio? Ou será tudo fruto da imaginação de Iris?


Este é um trhiller fenomenal que nos deixa totalmente e literalmente colados ao ecrâ.

Apesar de este não ser considerado dos "clássicos" de Hitchcock, antecipa os filmes de suspence e de "altas expectativas" que este fantástico realizador proporcionou no mundo do cinema.

Apesar de este filme ter sido refeito (em 1979) a cores, o filme original é, sem dúvida, muito melhor. O proprio Hitchcock refez o filme, transformando-o num dos episódios da sua famosa série: Hitchcock Presents.

E mais não podemos dizer porque, caso contrário, estariamos a levantar muito do suspence que envolve este fantástico filme.

Ocorreu um erro neste dispositivo

1%

1%